QBTC11 x HASH11: Qual o melhor ETF cripto para investir?

QR Asset Management lança hoje (23) o primeiro ETF 100% Bitcoin da America Latina.

Siga no
Bitcoin alta. Imagem: ShutterStock
Bitcoin alta. Imagem: ShutterStock

Hoje (23) serão lançadas as primeiras cotas do QBTC11, o ETF 100% Bitcoin desenvolvido pela gestora QR Asset Management. É o segundo ETF de Bitcoin do mundo, depois do QBTCC negociado no Canadá.

Um ETF é um fundo de investimento negociado na bolsa de valores como se fossem ações. Os ETFs replicam índices, como o Ibovespa (BOVA11), se o BOVA11 subir 20%, o ETF irá ter um desempenho parecido, já descontando a taxa de administração do fundo.

A vantagem do ETF é que ele possui taxas geralmente menores do que as de ações e servem para mitigar riscos, além de serem mais transparentes, pois é possível ver a composição do fundo e verificar a carteira diariamente.

QBTC11 x HASH11

O QBTC11 replicará o índice da CME CF Bitcoin Reference Rate, a maior bolsa de derivativos do mundo.

Além disso, a taxa de administração é de 0,75% ao ano, menor que a do HASH11, ETF desenvolvido pela gestora hashdex, cuja taxa de administração é de 1,3% ao ano.

O HASH11, desde que foi lançado, em 26 de abril, vem acumulando uma queda de mais de 47%.

Ao contrario do QBTC11, o HASH11 conta com mais 7 criptomoedas além do Bitcoin, são elas: Ethereum, Stellar, Litecoin, Bitcoin Cash, Chainlink e mais duas que foram adicionadas após um rebalanceamento desde 01 de Junho: Filecoin e Uniswap.

O ETF replica os valores de todas essas moedas de acordo com a porcentagem de cada uma dentro do fundo.

A grande diferença entre os dois fundos é que enquanto o QBTC11 replica somente o valor do Bitcoin, uma moeda forte e com fundamentos sólidos, o HASH11 replica valores de diversas criptos, algumas sem fundamentos sólidos, tal qual o Bitcoin Cash.

E isso pode ser um dos pontos negativos do HASH11, pois ele permite exposição a criptos não tão favoráveis ao investidor.

No entanto, cada um dos ETFs podem atingir a um público diferente, seja para aqueles que gostam de diversificar, seja para os que preferem algo mais consistente: o Bitcoin.

A grande vantagem dos ETFs é que eles permitem uma melhor administração do investimento por parte dos investidores sem a necessidade de precisar abrir conta em uma corretora de criptomoedas ou possuir a própria carteira de criptoativos.

Atualmente o HASH11 já e o segundo maior ETF da B3, com um patrimônio levantado de mais de R$ 1,5 bilhão de reais e cerca de 118 mil cotistas.

A estreia do QBTC11 como o primeiro ETF 100% Bitcoin da América Latina e o segundo do do mundo já vinha dando o que falar e tem chances de superar o desempenho do HASH11.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Eduarda Lobatohttp://eduarda.substack.com
Libertária e entusiasta de Bitcoin, Blockchain e outras tecnologias relacionadas ao mundo cripto.
Olho com Bitcoin

130 mil pessoas tiveram os olhos escaneados para ganhar criptomoedas de graça

A Worldcoin é um projeto que pretende distribuir criptomoedas de forma justa. Para evitar falsificações de identidade, o plano da empresa é escanear a...
Bitcoin dentro de cofre como poupança

Fundo de pensão dos bombeiros nos EUA compra US$ 25 milhões em Bitcoins

O Fundo de Pensão serve para garantir a tranquilidade de funcionários de diferentes setores no futuro. Em Houston, no Texas, Estados Unidos, o Fundo...
Bitcoin e criptomoedas em ETF

Segundo ETF de Bitcoin pode ser lançado amanhã na Nasdaq

Muitos pensavam que o ETF de Bitcoin da Valkyrie seria o primeiro a ser aprovado, todavia o mercado foi surpreendido pelo lançamento do ETF...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias