EUA oferecem R$ 50 milhões para quem dedurar hackers que pedem Bitcoin

A notícia ressalta que os Departamentos de Tesouro e de Estado vão trabalhar juntos para criar novas normas de criptomoedas e elaborar restrições melhoradas contra lavagem de dinheiro.

Siga no
Hacker e Bitcoin
Bandido virtual e Bitcoin

Com as ameaças cibernéticas se tornando cada vez mais comuns, paralisando até mesmo gigantes de diferentes industrias, os EUA estão buscando maneiras de conseguir combater esses ataques oferecendo recompensas para quem ajudar a rastrear criptomoedas.

A Bloomberg destacou alguns dos planos da administração Biden para conseguir combater o uso de criptomoedas em golpes de ramsonware. O plano é tentar rastrear os pagamentos e as transações que paralisaram companhias, agências do governo e organizações.

Além de uma força tarefa para tentar rastrear essas atividades e as criptomoedas, o governo também vai contar com um sistema de “delação premiada”, com recompensas de até US$ 10 milhões (pouco mais de R$ 50 milhões) para pessoas que tiverem informações que levem as autoridades a grupos hackers. 

Um oficial da Casa Branca disse nesta quarta-feira (15) que a administração presidencial formou uma força tarefa para aplicar a estratégia estipulada para desmantelar operações de ransomware no país, confrontar o uso de criptomoedas em ataques e trabalhar com aliados para encorar que outras nações não suportem esses hackers.

Novas restrições contra lavagem de dinheiro

A notícia ressalta que os Departamentos de Tesouro e de Estado vão trabalhar juntos para criar novas normas de criptomoedas e elaborar restrições melhoradas contra lavagem de dinheiro.

A Rede de Combate a Crimes Financeiros também planeja convocar outras agências governamentais e instituições financeiras para discutir mais sobre esses ataques.

Essa nova estratégia para prevenção ao ataques cibernéticos com o uso de criptomoedas vem pouco depois que o grupo REvil, considerado o mais perigoso do mundo atualmente, sumiu da Dark Web.

De acordo com investigações preliminares, o grupo REvil está ligado a Rússia e está por trás dos maiores ataques que aconteceram em 2021. O grupo sumiu justamente após Biden pressionar Putin para agir contra os grupos hackers do país.

Muitos congressistas não estão satisfeitos sobre como a administração Biden está lidando com a situação, insistindo que o governo precisa contra-atacar os hackers e não focar apenas em se defender desse tipo de crime.

Ainda não se sabe o quanto as novas restrições que serão propostas vão afetar o criptomercado e principalmente as exchanges ou se elas tornaram o setor ainda mais engessado para diferentes atividades e principalmente para a declaração fiscal.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.
Vista da cidade de Miami

Criptomoeda de Miami será listada em primeira grande corretora

A cidade de Miami está para lançar sua própria criptomoeda, que já recebeu a confirmação de que será listada em uma grande corretora do...

ETF 100% Ethereum estreia hoje na B3

Nesta quarta (04) foi lançado o ETF 100% Ethereum na B3, bolsa brasileira. O fundo foi desenvolvido pela gestora QR Asset Management, a mesma...

Dotz vai permitir que clientes troquem pontos por bitcoin

A Dotz, uma das principais gestoras de pontos de fidelidade do Brasil, com uma grande quantidade clientes, pode ser mais uma forma de aproximar...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias