Servidor público é suspenso após minerar criptomoedas no trabalho

Em 2021, na cidade de Marília, servidor foi fiscalizado e uma atividade estranha ao seu cargo foi detectada.

Programador configura o computador para mineração de criptomoedas
Programador configura o computador para mineração de criptomoedas

Um servidor público de Marília, interior de São Paulo, recebeu uma suspensão por minerar criptomoedas no ambiente de trabalho. O caso foi flagrado em 2021, quando fiscais da prefeitura identificaram uma situação um pouco estranha no ambiente de trabalho do servidor.

Programador e eletricista no Departamento Municipal de Água e Esgoto de Marília, ele é tido pelos colegas como um bom profissional, que ajuda sempre que chamado. Além disso, ele desenvolvia suas atividades em uma sala pequena e considerada insalubre até pelo técnico de segurança do trabalho local, o que o levou a instalar um ar condicionado por sua conta.

Cabe o destaque que a mineração de criptomoedas é uma atividade essencial para o funcionamento das redes públicas, garantindo sua segurança e validando transações.

Servidor municipal tentou se defender de acusações

Acusado de minerar criptomoedas ilegalmente, o servidor foi flagrado por técnicos de computação da prefeitura, que viram telas em seu computador que remetiam a possível prática de mineração.

Na ausência do servidor, eles ligaram seu computador e flagraram programas em seu computador que são utilizados neste processo, filmando toda a ação de fiscalização e apresentando para os superiores.

Em sua defesa, o eletricista respondeu a um processo instaurado sobre seu caso, dizendo que a fiscalização foi ilegal, visto que foi realizada em sua ausência, ou seja, não seria claro que ele seria o responsável por praticar a atividade estranha.

Colegas chamados a testemunharem sobre o caso elogiaram o servidor e disseram que sua conduta sempre foi de um bom profissional, prestativo, e que nunca praticou nada em desacordo com o cargo. A comissão que analisou o processo administrativo também verificou que ele não tinha antecedentes que desabonassem sua conduta.

Servidor público acusado de minerar criptomoedas quase foi demitido

Após a apuração do caso, em conversas com vários servidores da prefeitura de Marília, a comissão que julgou o caso chegou a uma decisão.

De acordo com eles, as provas de que o servidor minerou criptomoedas, utilizando energia do trabalho, são fartas. Assim, ele poderia ser demitido por utilizar bens públicos para proveito pessoal.

“Há farta prova documental nos autos (fotos e gravações) que demonstram, incólume de dúvidas, que o servidor acusado utilizou computador e a energia elétrica da Autarquia para desenvolver atividade estranha ao seu serviço (mineração de criptomoedas) objetivando proveito pessoal.”

Contudo, como ele tem bons antecedentes, sempre ajudou e está em final de carreira, aguardando para se aposentar, a comissão julgou razoável não o demitir. Dessa forma, o servidor recebeu uma pena de suspensão de 90 dias pela suposta prática fraudulenta, decisão essa publicada no Diário Oficial de Marília nesta quinta-feira (7).

O caso chama atenção por ser um dos primeiros relatos de servidores públicos acusados de roubar energia para minerar criptomoedas no país.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias