Sócios acusados de aplicar golpe de R$ 30 mi com pirâmide são soltos no PR

Empresa oferecia até 50% de lucro em três meses

Siga no
wolf-trade-club
Foto: Reprodução

Os cinco sócios da empresa Wolf Trade Club, suspeitos de terem aplicado um golpe de pirâmide financeira que pode ter gerado prejuízo de R$ 30 milhões, foram soltos nesta semana, segundo os advogados do grupo. Eles haviam sido presos temporariamente pela Polícia Civil do Paraná, em Curitiba (PR), na semana passada.

De acordo com a advogada Isadora Sartori Ried, que defende Gabriel Maximiano Picancio, Gabriel de Mello Graminho e Lucas de Mello Bubniak, eles foram postos em liberdade na terça-feira (22).

“Os três sócios permanecem à disposição das autoridades competentes para auxiliar nas investigações e persistem em buscar meios legais para liquidar todas as dívidas”, disse.

O advogado Ricardo Lamers, que defende os outros dois membros do grupo, Hugo Felix da Silva e Henrique Oldair Mendes, também confirmou a saída deles da prisão, mas não quis repassar outras informações.

Empresa oferecia até 50% de lucro em três meses

A Wolf Trade Club, fundada em 2017, oferecia rendimentos de 20%, 30% e 50% em cima de investimentos em até três meses. Esses lucros seriam obtidos por meio de compra e venda de ativos na Bolsa de Valores, técnica conhecida como day trade.

A empresa e seus sócios, no entanto, nunca tiveram autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para atuar. A autarquia chegou a emitir um alerta ao mercado, em julho, afirmando que a Wolf Trade Club não poderia ofertar carteiras de valores mobiliários.

De acordo com a Polícia Civil do Paraná, a empresa também oferecia porcentagens a investidores que indicassem conhecidos, amigos e familiares dispostos a colocar grana na empresa, prática característica do esquema de pirâmide.

No início de outubro, o presidente e fundador da empresa, Lucas de Mello Bubniak, disse ao portal UOL que a empresa sofreu um golpe no ano passado, o que gerou perdas de R$ 9 milhões. Quase 300 clientes da empresa, segundo ele, foram afetados.

Esquema foi desmantelado no começo de outubro

O esquema veio abaixo na quarta-feira (10), dia em que a Polícia Civil cumpriu mais de 20 mandados de busca e apreensão na empresa e nas casas dos sócios e funcionários, tanto em Curitiba como em São José dos Pinhais, na região metropolitana da capital.

Wolf Trade Club
BMW apreendida pela Polícia Civil. Foto: Lucas Marins

Além das prisões temporárias dos membros do esquema, foram apreendidos duas BMW 500, avaliadas em R$ 100 mil, diversos relógios de luxo, armas e projéteis de munição.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Departamento de Tesouro dos Estados Unidos

Departamento do Tesouro dos EUA quer ferramenta para rastrear Bitcoin

A agência dos Estados Unidos responsável pela implementação de sanções contra empresas, parte do Departamento do Tesouro, quer uma ferramenta capaz de rastrear o...
Polícia investiga negócio de criptomoedas no ES

Corretora cripto é alvo de operação policial por fraude bilionária

A polícia da Coreia do Sul realizou uma operação em diversos escritórios de uma corretora de criptomoedas após a empresa ter sido acusada de ser...
Criptomoeda Ethereum mãe do DeFi

Banco Central dos EUA elogia Ethereum e inovação com DeFi

O Banco Central dos Estados Unidos de St. Louis publicou um artigo elogiando as inovações da plataforma Ethereum. Ao criar aplicações bancárias com tokens,...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias