Startup lança “criptodólar” para combater hiperinflação na Venezuela

Um vídeo já foi postado mostrando que é possível enviar um criptodólar em apenas 30 segundos.

Siga no

A Valiu, uma startup de serviços financeiros localizada no Chile, está adotando uma estratégia interessante para tentar conter a crise na Venezuela.

Desde a última quarta-feira (22), a empresa lançou uma espécie de dólar sintético para ser usado no país. A moeda digital é lastreada em Bitcoin e tem a intenção de tentar contornar a hiperinflação que assola a toda a nação.

O principal objetivo em usar o ativo digital está na realização de remessas transfronteiriças para o país.

A Venezuela enfrenta há tempos problemas como hiperinflação e estagnação econômica, e tenta diversas medidas para tentar contornar a situação.

Um exemplo é o serviço recente que permite aos venezuelanos fazer pagamentos por criptomoedas via SMS. Porém, a situação ainda é bastante grave em âmbito geral.

Dentro deste contexto, Simon Chamorro, CEO da Valiu, apresentou em seu Twitter o Dólar Sintético, apoiado em bitcoin. As transações com a moeda digital ainda está em estágio inicial.

Porém, seus responsáveis já colaboraram com o Rappi, aplicativo de entrega de comida que será responsável por atrair usuários para este novo ativo digital. Assim sendo, a expectativa é de que ele seja lançado na Venezuela até o final deste ano.

Home office

O lançamento do produto foi feito de forma remota devido a pandemia causada pelo COVID-19. O criptodólar surgiu após vários meses de pesquisa, e mesmo com o apoio do Bitcoin a ideia é que todos possam usá-lo, inclusive pessoas que não tem investimentos no criptomercado.

Assim, a ideia é comprar e negociar o ativo em troca de dinheiro, bastando para isto um smartphone e uma carteira digital. O procedimento, portanto, poderá ser feito em qualquer um dos parceiros da Valiu no país.

Um vídeo já foi postado mostrando que é possível enviar um criptodólar em apenas 30 segundos.

Ele explicou que o que lhe motivou a criar este projeto foi o fato de que há milhares de trabalhadores imigrantes que vem da Venezuela para a Colômbia todos os meses.

Assim, sua intenção é de que estas pessoas possam contar com um aporte financeiro sem ter uma conta bancária. Atualmente há 6 milhões de trabalhadores venezuelanos estrangeiros.

Durante 2019 a Valiu foi responsável por ajudar 38 mil famílias da Venezuela com um serviço de transferência de dinheiro mais acessível.

O problema é que quando os fundos destas pessoas são transformados em bolívares ao chegarem no país de origem, perdem muito de seu valor. Assim sendo, o criptodólar pode ajudar a manter a riqueza do poder de compra destas pessoas, oferecendo soluções para os problemas de seus usuários.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Jeferson Scholz
Jornalista. Escrevi dois artigos acadêmicos publicados no congresso de comunicação INTERCOM, e fui diretor do documentário universitário "Planeta dos Desmortos - O Mito Zumbi".
FMI

FMI pede que El Salvador deixe de usar bitcoin como moeda legal

O Fundo Monetário Internacional (FMI), "pediu" que El Salvador "mude de rumo" e pare de usar o Bitcoin como moeda legal, citando "grandes riscos"...
Homem mergulhando feliz após encontrar Bitcoin perdido

Se as pessoas achassem Bitcoin esquecidos ficariam felizes, diz jornalista da CNN Brasil

O Banco Central do Brasil lançou um sistema para encontrar valores esquecidos, mas para uma jornalista da CNN, se fosse com Bitcoin, as pessoas...
Donald Trump

Filho de Trump vai processar criadores da criptomoeda TrumpCoin

Embora a criptomoeda TrumpCoin (TRUMP) exista desde 2016, foi apenas agora, seis anos depois, que a família do ex-presidente dos EUA descobriu que uma...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias