Tether lança stablecoin de dólar lastreada em ouro

Segundo a Tether, todos os novos ativos terão lastro excedente. Ou seja, para cada 1 dólar na nova stablecoin, será necessária uma quantia maior de ouro para dar lastro a ela. Os valores exatos não foram confirmados nos documentos.

A Tether, empresa responsável pela USDT, lançou mais uma stablecoin nesta segunda-feira (17). No entanto, o novo projeto será diferente do USDT, possuindo lastro em outra criptomoeda da Tether lastreada em ouro, a Tether Gold (XAUt).

Em suma, usuários poderão usar suas XAUt para cunhar a nova moeda, chamada aUSDT, e dar lastro a ela. Segundo a empresa, essa é uma maneira para que investidores de ouro mantenham suas posições no metal, mas consigam usar seu dinheiro por meio de um ativo de preço mais estável.

Em conjunto a isso, a Tether também apresentou uma plataforma chamada Alloy. Ao que tudo indica, a gigante lançará outras criptomoedas ligadas com base nessa premissa.

“Ativos atrelados (Tethered Assets) são ativos digitais que visam rastrear o preço de referência de outro ativo através de diferentes mecanismos de estabilização.”

“No caso do Alloy by Tether, o aUSDT tem lastro excedente em XAUt e a sua estabilidade de preços é mantida através da dinâmica de oferta/demanda nos mercados secundários (incluindo pools de liquidez)”, escreveu a empresa no Twitter. “O Alloy by Tether oferece aos detentores de longo prazo a oportunidade de manter a exposição ao ouro, ao mesmo tempo que obtém um ativo atrelado ao dólar para pagamentos e a economia do dia a dia.”

Embora o ouro seja uma moeda milenar, a Tether não teve tanto sucesso em sua stablecoin lastreada no metal. Segundo dados do CoinMarketCap, a XAUt teve um crescimento lento desde sua criação em 2020 e hoje possui um valor de mercado de US$ 571 milhões, bem distante dos US$ 112,5 bilhões da USDT.

Mesmo valorizando 46,5% nos últimos 4 anos, adoção da Tether Gold (XAUt) é pequena.
Mesmo valorizando 46,5% nos últimos 4 anos, adoção da Tether Gold (XAUt) é pequena.

Sendo assim, isso explica o interesse da empresa em lançar novos produtos ligados ao ouro, o que daria mais exposição a essa sua outra stablecoin.

Novas stablecoins terão lastro excedente, afirma Tether

O lançamento de uma stablecoin lastreada em outro ativo também não é nenhuma novidade. A própria Tether, por exemplo, é lastreada em títulos do Tesouro americano, ouro e até mesmo Bitcoin.

A estratégia para estar funcionando. Isso porque a gigante revelou um lucro de R$ 3,6 bilhões em um único trimestre no início do ano passado. Portanto, novos produtos similares podem aumentar a receita da empresa.

Segundo a Tether, todos os novos ativos terão lastro excedente. Ou seja, para cada 1 dólar na nova stablecoin, será necessária uma quantia maior de ouro para dar lastro a ela. Os valores exatos não foram confirmados nos documentos.

“Os usuários colocam um valor maior de garantia (como XAUt) do que o valor da moeda digital que desejam criar”, explicou a Tether. “Essa garantia extra serve como uma rede de segurança, absorvendo possíveis flutuações no valor do ativo colateralizado.”

Caso o preço desse ativo que dá lastro caia, a posição do investidor será liquidada, semelhante ao que acontece em outros projetos como a stablecoin DAI, que é lastreada em Ether (ETH).

Por fim, a Tether não citou outros exemplos além do XAUt sendo usado como garantia para a aUSDT, mas é possível que diversos outros pares apareçam na Alloy.

Isso pode incluir, por exemplo, uma stablecoin de Real (BRL) lastreada em USDT. Nas redes sociais, usuários perguntaram quando a Tether lançará uma stablecoin lastreada em Bitcoin.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias

Bitcoin 2024

Últimas notícias