Ucranianos criam rede Mesh para enviar bitcoin sem internet

Rede descentralizada de internet sendo criada para acesso à internet e transações de Bitcoin.

Rede descentralizada em cor laranja Bitcoin
Rede descentralizada em cor laranja

Um dos problemas da invasão russa na Ucrânia foi a falta de internet para a população e alguns ucranianos estão buscando burlar este problema para enviar e receber bitcoin.

O Bitcoin é uma moeda digital que precisa de algum meio de transmissão para ser repassada entre carteiras. Um experimento no Brasil em 2021, por exemplo, enviou Bitcoin com auxílio de rádios e reflexão lunar, mostrando os potenciais da tecnologia.

Mas em todo o mundo soluções alternativas a internet de operadoras principalmente seguem sendo testadas. E uma solução pode ser via rede Mesh, que a partir de dois ou mais dispositivos, cria um ambiente Wi-Fi de ponta a ponta.

Essa experiência certamente se mostra promissora para o Bitcoin em cenários de guerra e mostra ainda mais a capacidade de se adaptar da tecnologia para envio de dinheiro pela internet sem censura.

Ucranianos burlam falta de internet imposta pelos ataques da Rússia para enviar e receber Bitcoin

O perfil “L0la L33tz” no Twitter é conhecido por muitos da comunidade Bitcoin na Europa, visto que ela publica suas opiniões no portal Bitcoin Magazine, um dos maiores do mundo. Defensora do hacktivismo, o perfil compartilhou nos últimos dias uma solução para ajudar os ucranianos a escapar da falta de internet para transacionar a moeda digital.

Após a invasão russa, a Ucrânia teve sérios problemas com falta de energia, água, comida e também ficou sem internet. Este último problema é o pior para quem dependia do Bitcoin para garantir seu sustento e de sua família, principalmente após o governo local receber milhões de dólares em doações.

Para a alemã “L0la”, no entanto, a solução é a criação de rede Mesh para ajudar o Bitcoin a se espalhar pelo país. E o perfil pediu apoio para a causa, seja em doações da moeda digital ou de antenas e equipamentos para construção desse ambiente descentralizado de rede.

Mesmo com Elon Musk habilitando a Starlink no país, ele pediu que as antenas fossem colocadas longe das pessoas, visto que se forem alvos da Rússia pode prejudicar a população nas proximidades.

Com a internet da SpaceX no país, mas longe das pessoas, a solução é criar uma rede de dispositivos de ponta a ponta para conectar as pessoas novamente ao mundo.

Ao explicar o funcionamento do serviço, o perfil do Twitter lembrou que a criação da rede permitiria que as pessoas voltassem a ter internet e acesso a transações em Bitcoin, algo fundamental para garantir a sobrevivências das pessoas.

“Para criar o mesh, utilizaremos o software Freifunk. Com isso, cada roteador rodando Freifunk se conecta a outros roteadores Freifunk. Se o uplink for destruído, as pessoas ainda poderão se comunicar dentro do mesh – e até mesmo realizar transações bitcoin.”

Problema de energia também sendo driblado

Para funcionar essa estrutura de internet, os ucranianos também buscam solucionar o problema da falta de energia, ainda que não possam confiar em meios que dependem de combustíveis. Assim, eles estão buscando criar fontes renováveis de energia solar e movido a vento para tornar possível sustentar a rede Mesh para a população.

O endereço “bc1qflh4hlc6z6ke25ksv4g8t9gac740xsv6zvprr33cqxvv3l703xksmfnl2j“, destinado a receber doações para financiar a criação dessa rede Mesh já recebeu 2 Bitcoins, sendo a maior parte ainda disponível para uso.

De qualquer forma, esse é mais um caso que mostra que tecnologias distribuídas são fundamentais para a população, seja de dinheiro ou internet.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias