Aplicativo blockchain pretende ajudar vítimas de violência sexual

Empresa pretende acabar com assédio e ajudar vítimas de agressões de cunho sexual!

-

Nos siga no:
Violência Sexual
Violência Sexual

A tecnologia blockchain tem evoluído cada vez mais, chegando ao ponto de ajudar na corrida contra a violência sexual. Um tema cada vez mais em debate, que ainda tem deixado inúmeras mulheres vítimas desse mal.

A data 25 de novembro marca o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres. Próximo à data, no último dia 5 de dezembro, o Uber lançou um relatório de que 3 mil casos de violência sexual foram registrados nos EUA. Os abusos foram sofridos por motoristas e passageiras do aplicativo.

Ou seja, a corrida pelo fim da violência sexual já possui apoio das grandes empresas e uma data para lembrar a todos da importância da causa. Com o crescimento do debate, um aplicativo com a tecnologia blockchain quer promover e ajudar ainda mais as mulheres.

Aplicativo utilizará tecnologia blockchain para acabar com patriarcado e violência sexual

O aplicativo Smashboard é uma novidade para aquelas pessoas que lutam contra a cultura do estupro e violência sexual no mundo. Com foco maior no público feminino da Índia, o Smashboard possui o objetivo em criar uma comunidade online, via aplicativo.

Além disso, o aplicativo utiliza a tecnologia blockchain da Ethereum para criptografar as conversas entre os usuários. Dessa forma, o debate na comunidade Smashboard é feito de maneira anônima.

De acordo com Cara Curtis, que realizou um review da tecnologia recentemente, há outra novidade importante. O Smashboard utiliza a tecnologia blockchain para registro de data e hora de alguma violência sexual sofrida por uma usuária. Com isso, abre-se um caminho para ter dados concretos da gravidade e extensão das agressões sexuais sofridas pelas mulheres na Índia.

Neste país, que foi considerado o mais perigoso para as mulheres em 2018, é alto o índice de violência sexual. O Smashboard além de não identificar seus usuários, não utiliza recursos de rastreio de localização, ou seja, protege a liberdade de expressão e ajuda no combate a violência contra mulheres, com privacidade.

O aplicativo ainda não utiliza a criptomoeda Ethereum para transações, uma vez que na Índia é proibido o uso destas moedas. Mesmo assim, a tecnologia blockchain entra no jogo para mudar o rumo da sociedade, prometendo “esmagar o patriarcado“.

Brasil também é um dos países que tem crescido casos de violência

O Brasil é outro país que tem visto crescer as estatísticas relacionadas a estupro e violência sexual. De acordo com um relatório do Globo, em 2018 o país registrou cerca de 180 casos de abusos por dia.

A maior parte dos abusos cometidos foram contra mulheres. Ou seja, os casos envolvendo violência sexual tem crescido no mundo todo, sendo o combate ao mesmo cada vez mais necessário.

No caso do Smashboard, a equipe de desenvolvimento é composta por cidadães indianos, homens e mulheres. A tecnologia blockchain sendo utilizada dentro de um aplicativo como este só mostra um dos potenciais inovadores que essa propicia.

Finalmente, uma mulher que utiliza este aplicativo possui, entre outras soluções, apoio psicológico, jurídico, mapa de locais de abrigo, notícias e análise. O aplicativo, ainda apenas na Índia, está disponível nas lojas do Google Play e Apple Store. Não há uma versão para website do aplicativo.

Quer receber novidades no e-mail? Assine nossa  Newsletter.
Anúncio

Bitcointrade - 95% dos depósitos aprovados em até 30 minutos!

Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em 5 minutos!

Complete seu cadastro em 5 minutos!
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertolucci
Entusiasta de Bitcoin, formado em Análise de Dados e BI.

Escreva seu comentário:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Atlas. Foto Renata Santos, Livecoins

Plataforma de pagamento deve responder por investimentos perdidos na Atlas Quantum

O caso da Atlas Quantum, ao lado da Unick, foi um dos mais notórios do mercado de criptomoedas brasileiro. A Atlas deixou muita gente...
Prédio do Banco do Brasil (BB)

Hacker que levou R$ 400 milhões do Banco do Brasil foi preso

Na última segunda (1) o Banco do Brasil teria notado que R$ 400 milhões teriam sido levados por um ataque hacker. O alto valor...
Empresa Bitmain é uma das principais a construir máquinas de mineração de Bitcoin

Cofundador da Bitmain invade escritório da empresa com exército privado

O cofundador da Bitmain e ex-presidente da companhia, Micree Zhan, invadiu o escritório da empresa com uma unidade de guardas privados para tentar recuperar...
Cristo Redentor, símbolo no Brasil (Rio de Janeiro), e Bitcoin (BTC)

Ataque hacker na Prefeitura do Rio de Janeiro atrapalha saúde

Na esteira da prevenção ao novo coronavírus, a Prefeitura do Rio de Janeiro foi alvo de um ataque hacker nos últimos dias. Com o...

YouTube não deve remover vídeo de usuário que acusa empresa de ser pirâmide financeira,...

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal determinou que o Google Brasil não precisa remover do YouTube, ao menos por ora, um vídeo publicado na...