Tentativa de extorsão com criptomoedas, vítima processa Google e WhatsApp

Vítima quer ter acesso aos dados do hacker para responsabilizar o culpado. Caso segue em sigilo de justiça!

Siga no
Aplicativos de um smartphone, WhatsApp e Google Chrome
Aplicativos de um smartphone

Um caso de novela se passa com um brasileiro do estado de São Paulo nos últimos meses. Ao ser encontrado no WhatsApp e e-mails do Google por um cibercriminoso, que tentou fazer extorsão pedindo criptomoedas, a vítima passou a ir em busca de encontrar seu malfeitor.

Isso porque, uma mensagem estranha foi recebida por uma vítima em potencial no WhatsApp. A data era 25 de agosto, quando uma mensagem pedindo R$ 100 mil em criptomoedas foi recebida.

Neste ponto, o homem que fez a abordagem se identificou como Edward Lorenz e utilizava duas linhas telefônicas. Um dos números era DDD de São Paulo (11) e outro do Rio de Janeiro (21). O homem fez sérias ameaças a vítima, colocando sua integridade em jogo.

Homem em desespero após ameaça virtual
Desespero após ameaça virtual – Reprodução

Ao receber graves ameaças virtuais, com tentativa de extorsão de criptomoedas, vítima ingressou com mandado de segurança na justiça

Um caso chegou ao Tribunal de São Paulo nos últimos dias trazendo uma situação muito preocupante. O processo (n.º 2098076-30.2020.8.26.0000), que corre em sigilo de justiça e em segunda instância, foi movido por uma vítima de tentativa de extorsão envolvendo até criptomoedas.

Um homem teria ameaçado sua moral e integridade familiar ao afirmar ter vídeos comprometedores de uma possível infidelidade conjugal. Ao tentar negociar com o estelionatário, contudo, recebeu fotos de sua filha, e foi quando resolveu registrar o BO contra o agressor.

[O estelionatário] Exigia pagamento de alto valor, dimensionado em torno de R$ 100.000,00 (cem mil reais), a ser quitado em criptomoedas, para que nada fosse exibido aos familiares do ofendido.

Hacker segurando criptomoeda Bitcoin
Hacker segurando criptomoeda Bitcoin

Vítima processa Google e WhatsApp para buscar identificar o responsável

Tendo efetuado o registro de BO no dia 11 de setembro de 2019, a polícia notificou a Autoridade Judicial para atuar no caso. Com pedido de mandado de segurança, a justiça pediu que o Google liberasse os dados de cadastro dos e-mails usados na tentativa de extorsão. Alegando não ser possível, o Google negou o pedido em primeira instância e o processo foi encerrado.

Recorrendo em segunda instância, a vítima pediu que o WhatsApp libere os dados do agressor virtual. O juiz que analisou o pedido acatou e determinou a quebra de sigilo dos dados, inclusive, “IP da conta alvo se disponível, a cada 24 horas, contados da data de implementação da medida até os 15 (quinze) dias seguintes a esta“.

A decisão foi publicada no Diário da Justiça de São Paulo nesta segunda (01).

AUTORIZO a quebra do sigilo telefônico e telemático pretendida, para DETERMINAR: III. WhatsApp Inc. referente as contas indicadas: +55 11 9XXXX-XXXX e +55 21 9XXXX-XXXX Para que proceda, prazo de até 24 (vinte) horas, a quebra de sigilo de dados, fornecendo: os cadastrais; histórico de conexão; agenda de contato e grupos que a conta faz parte com a descrição individualizada de seus membros.

Casos de extorsão virtual são comuns e já atingiram até famosos no Brasil, crime previsto no código penal

Caso perceba que passa por uma situação de extorsão virtual, com criptomoedas ou não, há uma série de cuidados a tomar. De fato, a extorsão virtual pode ser denunciada em delegacias comuns, mas denúncias naquelas especializadas em crimes eletrônicos podem ser mais eficaz.

É importante, contudo, ter provas ao proceder para o registro dos fatos em delegacias, como prints de telas, por exemplo. Dessa forma, fica mais fácil para as polícias registrarem o fato.

Caso a vítima de um crime de extorsão virtual e queira ingressar com processo na justiça, deve procurar um advogado especializado em crimes cibernéticos. Os ransomwares também podem ser considerados crimes de extorsão com criptomoedas e são cada vez mais comuns. E-mails com chantagem pornográfica também são famosos em pedir criptomoedas para não revelar informações sensíveis.

Balança da justiça
Balança da justiça

A extorsão digital é um crime no Brasil, com pena prevista no código penal caso sejam encontrados os infratores. Vários famosos já sofreram com este golpe, como a Ana Hickmann, em que o agressor virtual chegou ao ponto de tentar matá-la em 2016. Ou seja, esses crimes são sérios e devem ser combatidos energicamente.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Casa a venda por Bitcoin negócio imobiliário

Bitcoin vira garantia em negócio para crédito imobiliário pela primeira vez

Ao tentar obter um crédito imobiliário um credor de uma negociação comprovou ter Bitcoin e conseguiu ter seu financiamento aprovado. Muitas pessoas quando vão ao...
Abilio Diniz, empresário e bilionário brasileiro

O3 Capital, que tem Abílio Diniz como sócio, investe em ETF de criptomoedas

Uma empresa que tem Abilio Diniz como conselheiro investiu em criptomoedas via ETF listado na bolsa de valores brasileira. A aquisição foi feita pela...
Pessoa guardando Bitcoin em carteira

Regulação fechando o cerco contra corretoras faz investidores sacarem US$ 2,5 bi em bitcoin...

Após a crescente pressão de regulamentação sobre corretoras do mercado de criptomoedas, investidores de Bitcoin seguem enviando seus saldos para carteiras seguras. A análise foi...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias