Argentino perde mais de R$ 1 milhão em golpe brasileiro de Bitcoin

De acordo com o preço atual, o argentino possui US$ 261 mil na Atlas Quantum, cerca de R$ 1.2 milhão.

Siga no
Homem-triste. Imagem: ShutterStock
Homem-triste. Imagem: ShutterStock

Seduzido pelo valor do Bitcoin, que em 2018 era negociado por US $ 17 mil, o argentino Augusto Álvarez (34) começou a pesquisar empresas para comprar a criptomoeda e encontrou a Atlas Quantum, a fintech brasileira que prometia rendimentos de 38% ao ano e deu calote em mais de 40 mil pessoas.

A empresa dizia ter criado um algoritmo que realizava arbitragens: comprava automaticamente onde era mais barato e depois vendia ao mais alto possível valor, no entanto, tudo não passava de um esquema de pirâmide.

“Eles começaram como uma pequena startup, receberam fundos de investimento e se tornaram uma empresa muito conhecida que ocupava 6 andares de um prédio em São Paulo e tinha 300 funcionários. Pedi referências e me disseram que era uma empresa séria ”, disse o homem ao site Infobae.

“Como eles ofereciam rentabilidade entre 3% e 4% ao mês, investi US $ 30 mil. Com os ganhos diários e os saldos que refletiam na minha conta, consegui ganhar um pouco mais de 8 Bitcoin”, explicou, sem se dar conta que um ano depois começaria seu calvário.

A empresa fundada pelo empresário Rodrigo Marques do Santos, enfrenta problemas com a liberação de saques desde 2019, mês em que a CVM proibiu a Atlas de oferecer investimentos públicos.

Em agosto de 2019 a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) declarou como irregular as atividades da Atlas Quantum. Segundo a autarquia, a empresa operava investimentos em criptomoedas que podem ser considerados como contratos coletivos.

“Essa decisão (da CVM) resultou em milhares de usuários decidindo retirar bitcoins da plataforma. E quando eu quis fazer, pouco menos de um mês depois daquela decisão, não consegui. Minha conta foi bloqueada”, lembra Álvarez.

Calote em 40 mil pessoas

A situação do argentino é similar a de pelo menos outros 40 mil clientes – só na justiça de São Paulo, segundo apuração do Livecoins, há mais de 400 processos judiciais movidos contra a empresa e seu proprietário.

São ações que pedem reparação por perdas e danos, rescisão de contrato, devolução de dinheiro e indenização por danos morais.

E entre eles estão a de Augusto Álvarez e outros vinte argentinos, como ele mesmo especificou, já que todos participam de um grupo no Telegram onde trocam informações sobre o ocorrido.

As esperanças dos clientes de receberem seus fundos de volta se tornaram mais desanimadoras quando Rodrigo Marques desapareceu com os 15.000 bitcoins que estavam na plataforma.

O empresário sumiu e não dá nenhuma declaração ou satisfação sobre o caso há pelo menos dois anos.

De acordo com o preço atual, o argentino possui US$ 261 mil na Atlas Quantum, cerca de R$ 1.2 milhão.

“Eu teria ganhado muito dinheiro e mais considerando que cada Bitcoin atingiu um preço recorde de US $ 64.000 em abril deste ano. Agora esse dinheiro não tenho mais”, lamentou.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Livecoins
Livecoins é um portal de blockchain e criptoeconomia focado em notícias, artigos, análises, dicas e tutoriais.

ETF 100% Ethereum estreia hoje na B3

Nesta quarta (04) foi lançado o ETF 100% Ethereum na B3, bolsa brasileira. O fundo foi desenvolvido pela gestora QR Asset Management, a mesma...

Dotz vai permitir que clientes troquem pontos por bitcoin

A Dotz, uma das principais gestoras de pontos de fidelidade do Brasil, com uma grande quantidade clientes, pode ser mais uma forma de aproximar...
Claudio Oliveira. "Rei do Bitcoin"

‘Rei do Bitcoin’ e mais oito pessoas são indiciadas por fraude bilionária

O "Rei do Bitcoin", Cláudio Oliveira, fundador do Bitcoin Banco, e mais oito pessoas foram indiciadas em seis crimes que causaram um prejuízo bilionário...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias