Banco mais antigo dos EUA comprará bitcoin para clientes

Com atuação também no Brasil, banco planeja tratar moedas digitais como qualquer outro ativo.

Siga no
BNY Mellon Center, Pittsburgh
BNY Mellon Center disponível em Flickr

O Bank of New York Mellon (BNY Mellon) afirmou que comprará Bitcoin para seus clientes. Além disso, fará custódia para os investidores, podendo trabalhar até com outras criptomoedas, não só o Bitcoin.

O anúncio chama atenção uma vez que o BNY Mellon é considerado o banco mais antigo dos EUA. Até Warren Buffett, que é um crítico feroz do Bitcoin, investe na instituição hoje.

A estratégia de entrada do banco no mercado de criptomoedas acompanha a recente ascensão do Bitcoin ao chamado mainstream. Com a compra da Tesla, na última segunda-feira (8), o mercado institucional está buscando obter uma fatia do mercado.

As informações são do Wall Street Journal (WSJ).

BNY Mellon comprará, guardará e negociará Bitcoin para seus clientes

Quando o Bitcoin foi lançado em 2009, seu fundador, Satoshi Nakamoto, acreditou estar criando uma moeda para a internet. Ao lançar uma moeda digital descentralizada, a primeira que realmente funcionou, Satoshi deu ao mundo uma nova visão de dinheiro.

Isso porque, as moedas fiduciárias são controladas por bancos centrais, instituições vinculadas aos estados nação. Já o Bitcoin, com sua característica libertária, é a primeira moeda livre da internet.

Dessa forma, muitos bancos estavam céticos quanto ao papel do Bitcoin como moeda. No entanto, desde 2020, um movimento de ampla adoção institucional começou a acontecer.

Com empresas principalmente dos Estados Unidos anunciando a entrada no setor, o preço do Bitcoin valorizou bruscamente. Cada unidade da moeda vale hoje mais de U$ 46 mil, com cerca de 360% de valorização no último ano, em relação ao dólar.

E nesta quinta (11), o BNY Mellon surpreendeu seus clientes, ao anunciar que comprará Bitcoin para seus clientes. Com grandes executivos pedindo para a instituição comprar Bitcoin para eles, de acordo com o WSJ, o banco enfim tomou a decisão.

O passo é importante para que mais bancos de Wall Street comecem a entrar de vez no Bitcoin. Ainda que a regulamentação da moeda não esteja clara, a entrada de grandes instituições ajudam a legitimar o mercado, inclusive com mais casos de uso.

Com movimento, Bitcoin pode ser tornar uma classe de ativos legais nos Estados Unidos

Segundo o Wall Street Journal, o BNY Mellon não é a primeira instituição a trabalhar com Bitcoin nos Estados Unidos. Em 2018, a Fidelity Investiments começou no mercado, sendo pioneira.

Contudo, com a chegada do BNY Mellon, considerado um dos grandes bancos, o Bitcoin tende a ser considerado um ativo a mais no portfólio de grandes investidores. Isso legitimaria o Bitcoin como uma classe de ativos legais nos Estados Unidos, um movimento importante para o futuro do setor.

“Há uma mudança geral de sentimento em relação aos ativos digitais”, disse o executivo do BNY à frente de sua unidade de ativos digitais, “Os ativos digitais são o futuro”, completou.

Como o BNY Mellon também fará a custódia de Bitcoin, ele espera depósitos da criptomoeda na instituição. Mesmo assim, a custódia dos Bitcoins dos clientes será feita de forma diferente dos demais ativos, garante o banco.

Um time de executivos do BNY Mellon, inclusive, está sendo formado para integrar as criptomoedas com a infraestrutura financeira de Wall Street. Pode levar de três a cinco anos para que isso esteja completo, mas a iniciativa é promissora afirmou o WSJ.

É esperado que todos os negócios financeiros de Wall Street sejam alcançados por criptomoedas, garante Mike Demissie, Chefe de Soluções Avançadas do BNY Mellon, que inclusive avalia o potencial do uso da blockchain no banco.

O Livecoins entrou em contato com a divisão brasileira do banco para saber se também vão oferecer o serviço, mas não houve resposta até o fechamento da matéria.

Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

CEO da Aave diz que “loucura do Yield Farming” está chegando ao fim

O CEO da Aave, Stani Kulechov, está preocupado com a falta de inovação dentro do setor de finanças descentralizadas (DeFi), citando a natureza de...

Time da NBA vai aceitar Dogecoin como pagamento por ingressos

Aparentemente o bom momento da Dogecoin ainda possui força, ou simplesmente abriu as portas para que a criptomoeda meme ganhe novos mercados. A mais...

EUA tem plano diabólico para zerar dívida nacional com Bitcoin, diz russo

O entusiasmo criado em torno do Bitcoin para o longo prazo não é por acaso, de acordo com um russo especialista em inteligência competitiva....

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Time da NBA vai aceitar Dogecoin como pagamento por ingressos

Aparentemente o bom momento da Dogecoin ainda possui força, ou simplesmente abriu as portas para que a criptomoeda meme ganhe novos mercados. A mais...

EUA tem plano diabólico para zerar dívida nacional com Bitcoin, diz russo

O entusiasmo criado em torno do Bitcoin para o longo prazo não é por acaso, de acordo com um russo especialista em inteligência competitiva....

CEO da Kraken: Bitcoin vai para o infinito

O CEO da Kraken, uma das maiores corretoras de criptomoedas dos Estados Unidos, acredita que o Bitcoin acabará por se tornar a moeda mundial....

Criador do Litecoin faz alerta contra NFTs

O criador da criptomoeda Litecoin, considerada a "prata digital", fez um alerta sobre os Tokens Não Fungiveis (NFT). De acordo com Charlie Lee, o...

Mineradores de Bitcoin ganharam R$ 7.6 bilhões em fevereiro

Com o valor atual do Bitcoin, a mineração da moeda digital está se tornando extremamente lucrativa e o número de mineradores de criptomoedas está...