Bitcoin morreu, mas passa bem

Críticos atacam a tecnologia!

Siga no
Bitcoin faleceu (morreu)
Bitcoin

A tecnologia do Bitcoin (BTC) é acompanhada de perto por vários indicadores, para o bem ou para o mal. Um deles aponta todas às vezes que a moeda morreu, chamado de Bitcoin Obituaries.

Novo recorde no Bitcoin Obituaries em 2019, moeda digital morreu?

O Bitcoin é uma moeda digital que nasceu em 2008, com o primeiro bloco minerado em 2009. Ou seja, desde seu lançamento, já faz dez anos que a tecnologia está em pleno funcionamento.

De lá para cá, o Bitcoin já foi considerado morto mais que 370 vezes. Na primeira vez que foi declarado morto, em 2010, um texto informava que o Bitcoin não poderia ser uma moeda. Na época, de acordo com o 99Bitcoins, cada BTC custava apenas U$ 0,23 centavos por unidade.

Em 2019, o 99Bitcoins continua o trabalho de reunir as mortes no Bitcoin Obituaries. Contudo, um novo dado chama atenção: 2019 é o terceiro ano em que o Bitcoin mais morreu. Sim, apenas neste ano o Bitcoin já morreu 40 vezes, sendo o terceiro maior ano de sua história em número de mortes.

A última morte registrada foi em 21 de novembro de 2019, com a fala de um funcionário do tesouro dos EUA de que o “Bitcoin está morrendo“. Com essa, o Bitcoin ultrapassou a marca de 39 mortes registradas em 2015.

Bitcoin Morreu

Quais os anos em que o BTC mais faleceu?

O ano em que o Bitcoin mais morreu coincide com sua maior valorização de todos os tempos. Em 2017, o BTC passou por um extremo reconhecimento da população mundial, que se converteu em alta de preços. Neste ano, o Bitcoin começou janeiro valendo cerca de U$ 1 mil, chegando a U$ 20 mil em dezembro. Entretanto, tal movimento de ascensão chamou atenção dos pessimistas, que afirmaram 124 vezes que a moeda estava morta.

Além disso, em 2018, após a imensa alta de preços, o Bitcoin desvalorizou de forma absurda. A moeda que havia sido cotada a U$ 20 mil em 2017, chegou a valer U$ 3 mil em 2018. Com isso, mais 93 afirmações de morte ao Bitcoin foram realizadas naquele ano.

Isso indica que, na medida em que o Bitcoin se tornou mais popular, também conheceu mais criticos. Com o preço da criptomoeda em queda nos últimos dias, o fato tem sido a principal motivação para os principais ataques.

Contudo, cabe o destaque que a tecnologia tem sido aprimorada pelo Bitcoin Core. Ou seja, a maior parte das “mortes do Bitcoin” ainda não aconteceram de fato. O website 99Bitcoins registra os óbitos da moeda digital desde o seu início, sendo considerado a referência de obituário do Bitcoin.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

“Bitcoin criou riqueza para pessoas que não faziam parte do sistema”, diz estrategista da...

O Bitcoin é uma moeda que foi capaz de mudar muitas coisas nos últimos 10 anos, até mesmo fazendo com que Bancos Centrais e...
Bitcoin Itau

Agora é possível investir em Bitcoin através do banco Itaú

Agora é possível investir em criptomoedas através do Itaú Personnalité, a novidade foi divulgada no Instagram do banco, e em um episódio de podcast...

“Bitcoin é uma grande bolha”, diz pesquisa do Bank of America

Apesar de muitos entusiastas de criptomoedas argumentarem que o Bitcoin já provou, além de qualquer dúvida razoável, que não é uma bolha, muitos gestores...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias