“Bitcoin não teve gasto duplo”, afirma especialista após polêmica

Nenhum gasto duplo sobrevive na rede do Bitcoin e logo é descartado, se tornando um "bloco órfão".

Siga no

Uma das prováveis explicações para a queda do Bitcoin hoje é referente a uma suposta falha na rede. Andreas Antonopoulos mostrou que o Bitcoin não teve nenhum gasto duplo registrado, acalmando o mercado.

A tecnologia do Bitcoin é considerada a mais segura dentre às criptomoedas atuais. Isso porque, com o consenso de mineração Proof of Work (Prova de Trabalho), a rede já adicionou várias camadas de criptografia em transações realizadas.

Além disso, um dos principais problemas que o Bitcoin resolveu foi o chamado gasto duplo. Esse problema aconteceria caso um usuário conseguisse gastar duas vezes uma mesma moeda em duas transações distintas.

Com a tecnologia blockchain, contudo, o Bitcoin nunca registrou um caso desse. Apesar disso, um relatório da BitMEX reportou o erro de forma equivocada.

Com o medo do Bitcoin ser alvo de um gasto duplo, o mercado registrou queda nos preços da moeda.

Especialista refuta teoria equivocada que causou pânico no mercado: “Bitcoin não teve gasto duplo”

O pânico no preço do Bitcoin é a tônica desta quinta-feira (21). Como a cotação da moeda fechou em queda na última quarta, os investidores aguardam ansiosos para entender o que causou o medo repentino.

Tudo começou com um relatório liberado na última quarta pela empresa BitMEX Research. De acordo com análise, o Bitcoin teria sido alvo de um gasto duplo em uma transação.

O suposto gasto duplo teria acontecido em uma transação de 0,0006 bitcoins. Assim que o relatório foi publicado, o caso repercutiu com opiniões de críticos do Bitcoin, como os fãs do Bitcoin Satoshi Vision.

“Parece que um pequeno gasto duplo de cerca de 0,00062063 BTC ($ 21) foi detectado”, afirmou a BitMEX Research

Com toda essa repercussão negativa ao Bitcoin, um especialista explicou a confusão. Andreas Antonopoulos, autor de cinco livros sobre criptomoedas e um dos maiores estudiosos de blockchain negou qualquer problema.

Para ele, a publicação do relatório foi irresponsável, sendo que a BitMEX pode ter criado confusão desnecessária.

Reorganização de um ou dois blocos estavam previstas no WhitePaper do Bitcoin

A rede do Bitcoin foi criada para lidar com gastos duplos automaticamente, rejeitando um segundo gasto de uma mesma moeda. De acordo com Andreas Antonopoulos, em uma longa explicação pelo Twitter, houve sim uma reorganização da cadeia do Bitcoin.

Tal reorganização, contudo, é comum e inclusive prevista no whitepaper que lançou o Bitcoin. Ou seja, até Satoshi Nakamoto, quando criou o Bitcoin, já previa a reorganização da rede quando houvesse a necessidade.

“Houve uma reorganização da cadeia no blockchain Bitcoin. Esta é uma ocorrência comum que faz parte da operação normal do Bitcoin. É o resultado de um consenso descentralizado sob a Prova de Trabalho. Todas as cadeias PoW fazem isso.”, afirmou Andreas

O problema aconteceu quando dois blocos de Bitcoin foram minerados na mesma altura. Como apenas um bloco pode ser minerado por vez, um deles eventualmente se torna órfão em uma rede mais curta. Como o algoritmo do Bitcoin preza pelo consenso da rede mais longa, esse bloco é descartado.

Andreas lembrou que a tentativa de gasto duplo pode acontecer durante uma reorganização. No entanto, com a tecnologia blockchain, nenhum gasto duplo sobrevive e logo é descartado.

“Durante uma reorganização, há uma chance de alguém tentar um “gasto duplo”. Este não é um gasto duplo da perspectiva do blockchain como um todo. Apenas um gasto sobrevive, portanto, nenhum gasto duplo acontece. Esse é o ponto principal do consenso PoW.”, afirmou especialista em bitcoin que negou problemas na rede

Como evitar ser pego por um gasto duplo aproveitando as vantagens da blockchain?

A tecnologia blockchain resolve o problema do gasto duplo ao armazenar as transações em seu livro contábil. Quanto mais livros contábeis registrarem a sua transação feita com Bitcoin, mais segura e imutável ela é.

Ou seja, para evitar ser pego em um gasto duplo, basta aguardar as confirmações da transação na rede. É comum no mercado aguardar pelo menos 6 confirmações em uma transação para que a mesma seja considerada segura.

É claro que transações com zero confirmações de Bitcoin são muito perigosas, principalmente quando não se conhece a pessoa com quem a transação é feita.

Andreas lembrou que quando vendeu seu carro, por US $ 11 mil, ele aguardou apenas 3 confirmações e já julgou que estava seguro.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Departamento de Tesouro dos Estados Unidos

Departamento do Tesouro dos EUA quer ferramenta para rastrear Bitcoin

A agência dos Estados Unidos responsável pela implementação de sanções contra empresas, parte do Departamento do Tesouro, quer uma ferramenta capaz de rastrear o...
Polícia investiga negócio de criptomoedas no ES

Corretora cripto é alvo de operação policial por fraude bilionária

A polícia da Coreia do Sul realizou uma operação em diversos escritórios de uma corretora de criptomoedas após a empresa ter sido acusada de ser...
Criptomoeda Ethereum mãe do DeFi

Banco Central dos EUA elogia Ethereum e inovação com DeFi

O Banco Central dos Estados Unidos de St. Louis publicou um artigo elogiando as inovações da plataforma Ethereum. Ao criar aplicações bancárias com tokens,...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias