“Blockchain e Bitcoin são lixos”, diz professor da Unicamp

Stolfi afirmou que todo o sistema de lucro do Bitcoin é "uma pirâmide" e se configura como tal porque é sempre necessário que alguém "chegue depois" para comprar o Bitcoin que alguém comprou inicialmente.

Jorge Stolfi é conhecido por ser um grande crítico do Bitcoin, a opinião negativa do professor de ciência da computação chegou até mesmo a motivar mais de 1.500 experts a enviar uma carta ao Congresso dos EUA para alertar sobre os riscos das criptomoedas. Recentemente ele voltou a moeda digital em entrevista ao site El País.

Na entrevista feita por vídeo com Stolfi, o El País perguntou mais sobre a opinião negativa do professor de ciência da computação e sobre as repercussões de suas opiniões, principalmente em relação à carta enviada ao Congresso dos EUA.

Para Solfi, o seu tweet que viralizou ajudou muitos a entender os riscos desse setor.

“A atitude comum dos meus colegas é: ‘O Bitcoin e a tecnologia blockchain não me interessa, tecnologicamente é um lixo. Eu vou continuar fazendo minha própria pesquisa’, o tweet acordou algumas dessas pessoas.”, disse Stolfi.

O site chegou a questionar o fato de que, se o Bitcoin é realmente um lixo, porque há tantos bilhões investidos no setor.

Para Stolfi é justamente isso que fez muitos assinarem a carta enviada ao congresso, o sentimento de culpa de muitos que ajudaram a fazer esse setor crescer, mas agora percebem os riscos.

“é por isso que as pessoas se sentiram culpadas o suficiente para assinar a carta. Por exemplo, um dos signatários é um professor de Berkeley. Em seu departamento, há outro professor que tem uma empresa de blockchain. Não sei como funciona a política interna das universidades, mas é comum os professores não falarem em público sobre o que os outros colegas estão fazendo, mesmo quando é algo muito ruim.”

Stolfi acredita que Bitcoin é um esquema de pirâmide

Stolfi afirmou que todo o sistema de lucro do Bitcoin é “uma pirâmide” e se configura como tal porque é sempre necessário que alguém “chegue depois” para comprar o Bitcoin que alguém comprou inicialmente.

“A única maneira de tirar dinheiro do Bitcoin é vendê-lo para outra pessoa. Quando você faz isso, alguém concorda em comprar seu Bitcoin por um preço maior. Se você comprar ou vender de outro investidor, isso não altera o total de dinheiro que existe: você recebe o dinheiro que o outro coloca.”

Segundo ele, outro grande problema do setor está na falta de conhecimento da maioria dos investidores, que não entendem no que estão investindo.

“Isso é exatamente o que está acontecendo na indústria de criptomoedas. poucas pessoas parecem saber que há dinheiro vindo de investidores e dinheiro saindo para os criadores de vários esquemas e mineradores. Esses esquemas de pirâmide entram em colapso quando não há mais tolos para enganar.”

Stolfi também acredita que há um problema de concentração e centralização de controle na rede do Bitcoin, algo que já foi muito criticado por outras pessoas que notaram que boa parte da mineração está concentrada em poucas “mãos.”

“O Bitcoin tem seis pools que controlam 80% do poder de mineração. Portanto, eles podem controlar o que entra nos blocos”

Stolfi aos poucos se torna um importante nome entre os críticos do Bitcoin e, em meio ao inverno cripto, é fácil entender como muitos podem estar concordando cada vez mais com ele.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.

Últimas notícias