Carteira ligada à Braiscompany movimenta R$ 735 mil mesmo com donos foragidos

A carteira movimentou mais de US $ 141 mil, algo em torno de R$ 735,1 mil na cotação atual, num intervalo de 10 dias — tendo como referência o dia 26 de fevereiro. Inclusive, chegou a ter movimentação no dia de deflagração da operação da PF contra a Braiscompany e seus donos, no dia 16 de fevereiro.

Mesmo com os donos da Braiscompany, Antônio Neto Ais e Fabrícia Farias foragidos da Justiça, alguns líderes ligados à empresa sediada em Campina Grande seguem movimentando as carteiras com os investimentos em criptomoedas.

O Paraíba Já teve acesso com exclusividade às movimentações de uma carteira ligada à empresa investigada pela Operação Halving, da Polícia Federal.

A carteira movimentou mais de US $ 141 mil, algo em torno de R$ 735,1 mil na cotação atual, num intervalo de 10 dias — tendo como referência o dia 26 de fevereiro. Inclusive, chegou a ter movimentação no dia de deflagração da operação da PF contra a Braiscompany e seus donos, no dia 16 de fevereiro.

Uma entrada de US$ 20 mil (R$ 104 mil) aconteceu no dia 16 de fevereiro, e uma hora depois houve a transferência do valor. No dia seguinte, 17 de fevereiro, houve a entrada de US$ 50 mil (R$ 260 mil) na carteira, e em menos de uma hora já aconteceu a transferência do mesmo valor.

Já no dia 19 de fevereiro, uma entrada de US$ 38 mil (R$ 198,9 mil) foi registrada nesta carteira ligada à Braiscompany. Também num intervalo de menos de uma hora os R$ 38 mil foram transferidos.

A carteira então ficou uma semana sem movimentação. Até registrar a entrada de U$ 33,1 mil (R$ 172,4 mil) no último sábado (25), há menos de uma semana. Os destinos das transferências não foram identificados. As movimentações foram em stablecoins pareadas em dólar.

Não houve registro de nova movimentação nesta carteira até esta quarta-feira (1º).

As cifras das movimentações blockchain foram enviadas por uma fonte ao Paraíba Já, que pediu anonimato. O detalhamento dos dados referente à carteira pode atrapalhar as investigações do caso.

Confira movimentações

  • Dia 16 de fevereiro: entrou U$ 20 mil e saiu U$ 20 mil
  • Dia 17 de fevereiro: entrou U$ 50 mil e saiu U$ 50 mil
  • Dia 19 de fevereiro: entrou U$ 38 mil e saiu U$ 38 mil
  • Dia 25 de fevereiro: entrou U$ 33,1 mil

Suspeita

A carteira que ocorreu as movimentações pode ser de um broker ou gerente da Braiscompany. A fonte preferiu não especificar a titularidade da conta na exchange.

O Ministério Público da Paraíba apontou no curso da investigação que a Braiscompany opera por meio de carteiras de pessoas físicas, dos brokers ou gerentes, nas exchanges. A carteira de Fabrícia Farias seria a principal.

Inclusive, as contas dos brokers que operam em exchanges, como a Binance, para a Braiscompany foram alvo de pedidos de bloqueios por parte do Ministério Público.

Indicando assim a participação efetiva da classe nos negócios da empresa. As carteiras de vários brokers foram bloqueadas 24 horas antes da operação da Polícia Federal contra a empresa.

Juiz aponta pirâmide financeira

Em sua decisão, o juiz da 5ª Vara Cível da Capital, Onaldo Rocha de Queiroga destacou inicialmente que a Braiscompany tem fortes indícios de ser uma pirâmide financeira, algo negado pelos empresários Antônio Neto Ais e Fabrícia Farias, juntamente com seus brokers, gerentes e traders.

“Em uma visão preliminar do feito, convém afirmar que existem fortes indícios de que este seja mais um, dentre os vários casos de pirâmides financeiras que lesam pessoas incautas e que desejam obter lucro fácil”, afirmou Queiroga.

“Através de informações extraídas da mídia, já se tornou público o fato de que o negócio da ré fracassou, pois a empresa Braiscompany, encontra-se envolvida em escândalos policialescos por possível prática do pichardismo, ou, na expressão mais comum, de pirâmide financeira”, completou.

Donos foragidos

O juiz Vinício Costa Vidor, da 4ª Vara da Justiça Federal em Campina Grande, determinou na sexta-feira (24), mandados de prisão preventiva contra Antônio Neto Ais e Fabrícia Farias Campos, donos da Braiscompany.

Magistrado também solicitou que a Polícia Federal na Paraíba envie aviso para a Interpol, a polícia internacional. Com isso, Ais e Fabrícia passam a ser procurados no mundo inteiro. Casal é considerado foragido desde o dia 16 de fevereiro, quando não foram localizados  pela Polícia Federal para cumprimento de mandado de prisão temporária à época.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Cógenes Lira
Cógenes Lira
Graduado em Jornalismo, pós-graduado em Conteúdo Digital e mestrando em Jornalismo. Entusiasta do Twitter, e focado em jornalismo investigativo e de dados.

Últimas notícias