Casa da Moeda se defende de acusações de falsificação

Nova nota de R$ 200 continua cercada de polêmicas.

Siga no
Nota de 200 (Casa da Moeda e Banco Central do Brasil BC BCB)
Nota de R$ 200/Reprodução

A Casa da Moeda tem sido envolvida em uma série de acusações nos últimos dias, e se defende de atuar contra seus fornecedores.

O caso tomou grandes proporções após o Ministério Público Federal tomar conhecimento do caso. Com isso, pediu que a Polícia Federal investigue a Casa da Moeda, segundo o G1.

Isso porque, a Casa da Moeda, órgão público que imprime dinheiro no Brasil, teria cometido uma fraude. A fraude poderia ter impacto na impressão das novas notas de R$ 200, que começaram a circular recentemente.

Em nota, a instituição nega qualquer problema e se coloca como segura e confiável.

Casa da Moeda se defende de acusações sobre falsificação que pode impactar em nova cédula de R$ 200

Recentemente, o Banco Central do Brasil comunicou aos brasileiros que estaria produzindo uma nova cédula. Com a imagem de um lobo-guará, chegou então a nota de R$ 200 no país.

Desde sua chegada de fato houve preocupações com a necessidade da cédula, pois o dinheiro digital tem ganhado espaço. Mesmo assim, o BC justificou que a população prefere o dinheiro em espécie na pandemia.

Entidade credenciada para fazer a impressão é a Casa da Moeda, órgão público federal. Para fazer essa impressão, a empresa depende de fornecedores, sendo um deles a SICPA, com sede na Suíça.

Essa empresa no Brasil é representada pela Ceptis e tem enviado tinta para a Casa da Moeda há quatro décadas. Contudo, afirma que a Casa da Moeda tem enviado amostras de sua tinta para uma concorrente.

A Sellerink, outra empresa que é candidata a enviar tintas a Casa da Moeda é a acusada. De acordo com denúncia ao MPF, amostras da tinta da nova nota de R$ 200 foram enviadas para a Sellerink.

O envio teria sido feito pela Casa da Moeda, e a Ceptis acredita que isso pode facilitar a falsificação da nova nota. De acordo com o G1, o MPF pediu que a PF investigue o caso da suposta fraude.

Empresa se defende das acusações de fraude e diz que é comum no mercado de tintas gráficas a prática

Em nota pública, a Casa da Moeda afirmou que é uma instituição tradicional brasileira. Dessa forma, preza pela confiabilidade e segurança na prestação de seus serviços.

Além disso, informou que o envio de amostras da tinta da nova nota é uma prática comum no mercado. Segundo a Casa da Moeda, o envio foi apenas para uma empresa que é credenciada ao fornecimento de tinta, assegurando o controle contra falsificação.

Segundo conversa com o G1, o responsável pela Casa da Moeda informou que a empresa Suíça já recebeu amostras da concorrente em outra ocasião. Ou seja, a prática é comum no mercado.

No entanto, a tinta da nova nota de R$ 200 estaria com problemas e o envio de amostras para a concorrente foi para garantir a impressão de dinheiro do Brasil. Fica claro que a Casa da Moeda afirmou que temia não receber o material e recorreu a uma concorrente.

Por fim, a Casa da Moeda declarou que apenas ela e o Banco Central tem a tecnologia para impressão de dinheiro no Brasil. Desse modo, a Casa da Moeda se defendeu de eventuais problemas com a falsificação da cédula.

“A Casa da Moeda e o Banco Central são os únicos detentores da tecnologia completa e especificações técnicas que compõem todos os itens de segurança que são definidos para a produção de cédulas. São inúmeros e não são dependentes dessas tintas mais comuns, “, afirmou a Casa da Moeda.

Polícia Federal tem feito operações contra falsificação de dinheiro no Brasil

A Polícia Federal faz uma série de operações contra falsificações de dinheiro nos últimos meses. Conforme apontado pelo Livecoins, recentemente deflagrou a Operação Triângulo das Bermudas. Este foi o primeiro caso encontrado de falsificação da nota de R$ 200, de acordo com a PF.

Além disso, na última semana, deflagrou a Operação “Facks”, para combater fraudes no Espírito Santo. Cabe o destaque que as investigações da PF sobre falsificação de dinheiro tem se intensificado.

A prática é considerada um crime no Brasil e causa danos a economia do país. Vale o destaque que a Casa da Moeda se defende de quaisquer problemas do tipo, mas deverá ser investigada pela PF após pedido do MPF.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Ethereum no pano

Ethereum ultrapassa Netflix, Coca-Cola e L’Oreal em valor de mercado

Na manhã deste sábado (10), o Ethereum, segunda maior criptomoeda do mundo em termos de capitalização de mercado, estabeleceu um novo recorde de preço,...
Bandeira da Rússia amassada

Banco central russo deve lançar moeda digital em 2023

Funcionários do Banco Central da Rússia revelaram que estão trabalhando no desenvolvimento do Rublo digital, a moeda digital do país que deve ser lançada...

As falácias do consumo de energia do Bitcoin

O tópico mais recente na indústria de criptomoedas é o consumo de energia de prova de trabalho (Proof-of-work ou PoW) do Bitcoin e se...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias