Coinbase tem saques de US$ 1 bilhão, quem poderia ser?

A Coinbase já afirmou ter mais 5 empresas do índice S&P500 como clientes. Resta saber quem será o próximo a anunciar sua aquisição.

Siga no

No sábado, 20 de fevereiro, um total de 4.501 bitcoins foram transferidos para fora da exchange Coinbase. O valor, equivalente a US$ 256 milhões, chamou atenção por ocorrer em um final de semana.

De fato, não é possível afirmar se este foi um único cliente, ou até mesmo a exchange movendo moedas para sua mesa de OTC. No entanto, no domingo (21), outros 13.204 bitcoins saíram da exchange.

Dessa vez o autor foi mais cauteloso, dividindo a fortuna de US$ 752 milhões, cerca de três vezes maior que o dia anterior. Ou seja, foram realizadas 36 transações de cerca de 366 BTC cada.

Quem poderia ter comprado?

Especular em cima de nomes é complicado, porém a MicroStrategy, de Michael Saylor, é um alvo potencial. A empresa, que já havia comprado mais de 71 mil bitcoins, levantou recentemente US$ 1 bilhão em dívida para aumentar sua posição.

No entanto, no início do mês, a mesma MicroStrategy realizou um evento para mais de 1.400 participantes de diversas empresas onde explicava o racional do investimento. Além disso, dava detalhes da operação via Coinbase, feita para minimizar o impacto na cotação.

Existe uma especulação de que poderia ser a Oracle, gigante de tecnologia com capitalização de mercado de US$ 180 bilhões. Isso porque Larry Ellison, co-fundador da empresa, faz parte do Conselho de Administração da Tesla.

Cabe lembrar que a Tesla recentemente comprou US$ 1,5 bilhão em Bitcoin, ajudando a impulsionar a criptomoeda acima dos US$ 50 mil.

Como estas baleias compram?

Comprar US$ 1 bilhão em Bitcoin envolve um pouco mais do que enviar o dinheiro para a exchange, abrir o terminal, e executar a ordem no livro de ofertas. Além do óbvio problema da liquidez, ou seja, volume de ofertas de venda insuficiente, o impacto no preço seria muito alto.

Tão logo o mercado perceba que um cliente na Coinbase está pagando US$ 200 acima das demais exchanges, as empresas de arbitragem e market maker vão acelerar suas compras para jogar o preço para cima. Isto é feito de forma automática, através de robôs, executando em diversos mercados.

Para evitar este problema, estas baleias costumam executar ordens TWAP, ou seja, ponderadas pelo tempo. Digamos que o comprador deseja US$ 600 milhões em 3 dias, e pretende operar 12 horas por dia. Isso dá um total de US$ 278 mil de compra a cada minuto, cerca de 4,83 BTC.

Nesse sentido, a ordem costuma ser repassada à mesa de OTC (balcão) da Coinbase. Além do robô executando a cada minuto, ordens de venda maiores são compradas automaticamente. A ideia é reduzir o impacto da execução, dividindo em pequenas ordens.

Em suma, a Coinbase já afirmou ter mais 5 empresas do índice S&P500 como clientes. Resta saber quem será o próximo a anunciar sua aquisição.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Marcel Pechman
Marcel Pechman é trader e analista de criptomoedas desde 2017. Atuou como trader por 18 anos nos bancos UBS, Deutsche e Safra. Além de YouTuber em seu canal RadarBTC, foi reconhecido em diversas premiações como um dos maiores interlocutores do Bitcoin do país. Maximalista convicto, acredita na falência da moeda fiduciária, aquela emitida por governos.
Imagem de enterro do Bitcoin após morte

Quantas vezes o Bitcoin morreu? 37 só este ano

Segundo estatísticas do site 99Bitcoins, o Bitcoin já foi declarado "morto" 37 vezes apenas em 2021, quase três vezes mais do que todo o...
Bandeira da China e dos EUA com Bitcoin pegando fogo

Após China banir Bitcoin, escritor alerta que EUA podem seguir mesmo caminho

O autor do livro "Pai Rico, Pai Pobre", que recentemente alertou sobre uma crise mundial, dizendo para "comprar Bitcoin e munição", voltou a se...
Corretora FTX

FTX se preocupa com clima hostil em Hong Kong e muda sede

A exchange FTX, que tem como sócios Tom Brady e Gisele Bündchen, está preocupada com o clima hostil de Hong Kong com empresas do...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias