Começando do começo: o que é sandbox regulatório?

Siga no

“Sandbox” é uma das palavras mais comuns entre startups focadas em tecnologia blockchain aplicada a serviços financeiros. A palavra sandbox originalmente são aquelas caixas cheias de areia, onde as crianças brincam e experimentam em liberdade e segurança. 

Foto: Ostap Senyuk, Unsplash

Em tecnologia, no entanto, o termo refere-se a um ambiente fechado (ou controlado) onde engenheiros “rodam” os testes que fazem parte do processo de desenvolvimento de aplicativos. A ideia é experimentar soluções e arriscar novos métodos ali dentro, sem medo de que um erro catastrófico comprometa o sistema todo.

Recentemente, o termo sandbox regulatório tem ganhado tração. Isso porque agências governamentais ao redor do mundo passaram a reconhecer a importância da participação da comunidade tecnológica no processo legislativo. Criar de um marco regulatório que acompanhe o ritmo acelerado da inovação é, sem dúvida um projeto colaborativo.

O que é Sandbox Regulatório?

O conceito vem sendo usado no âmbito da economia digital como um “tubo de ensaio” para novos modelos de negócios. O objetivo seria observar o funcionamento desses produtos sob a regulamentação atual. Dessa forma as instituições reguladoras podem avaliar a necessidade de alterar, flexibilizar ou até mesmo de propor legislação específica.

Sandbox regulatório é uma iniciativa essencial porque o trabalho colaborativo funciona como uma baliza para o legislador. Respeitando o direito à privacidade e o sigilo de informações pessoais o Estado limitada suas directivas apenas à proteção do consumidor. Outra vantagem da colaboração é possibilitar que as várias esferas do governo encontrem soluções inovadoras. Tecnologia de ponta também é necessária nos esforços para coibir e fiscalizar o abuso, ou mal uso de tecnologias emergentes. 

Toda a sociedade civil apoia o combate ao crime organizado, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, etc. Mas numa sociedade democrática de direito Privacidade é princípio fundamental e deve ser preservado. Em especial quando se trata da nova fronteira dos ativos digitais e cripto ativos. 

Não se pode perder de vista o verdadeiro espírito por trás do sandbox regulatório, ou seja, adaptar a conformidade de regras financeiras rígidas e ultrapassadas. O Estado tem hoje a oportunidade de conduzir a legislação no sentido do progresso, bem como responder no ritmo que a inovação tecnológica impõe. 

O desafio será encontrar o equilíbrio que promove a expansão do setor de fintech. Mas ao mesmo tempo protege o consumidor contra práticas abusivas e a crescente ameaça ciber-criminosa. Fiscalização e o cumprimento da lei são ônus do Estado. Cabe à sociedade exigir e apoiar as instituições no desempenho do seu papel dentro do contrato social.

Ao redor do mundo 

O Reino Unido é um dos lugares onde o “compromisso institucional” com fintech sinaliza o foco do legislador. “The City of London” também busca preservar sua liderança no mercado global de serviços financeiros. Como resultado a primeira edição de uma sandbox regulatória britânica começou no início de 2017, e os resultados têm sido promissores.

Outros países como Espanha, Singapura, Suíça, Tailândia e Austrália também têm promovido iniciativas similares. Além disso o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) vem experimentando com blockchain e quantum computing em colaboração com startUps do setor.

O Brasil, através de agências como o Banco Central, a CVM e de órgãos como o Ministério da Economia e o Senado, também vem se alinhando ao esforço conjunto de outras nações. Conforme noticiado recentemente, segundo o Superintendente de Desenvolvimento de Mercado da CVM, Antonio Berwanger: 

“(…) se uma tokenização ou um ambiente de tokenização estiver dentro dos mercados regulados pela CVM, ele poderá ser considerado um bom candidato para esta iniciativa”. 

Tokenização com lastro é um dos veículos financeiros mais promissores em tecnologia Blockchain. Ao reconhecer o potencial da tecnologia, a CVM estabelece um ponto de partida rumo a modernização do setor. 

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Pascual Arrecheahttp://www.arrechea.net
Economista, contador, especialista em blockchain Investigando a tecnologia blockchain, RPAutomação, e o mercado de trabalho em tempos de Internet 3.0. Quero dividr meus achados e pensamentos pra tentar entender a tal criptoeconomia. “Play is just another version of work” Ray Kurzweil, The Singularity is Near

Debate Descentralizado: stablecoins podem impactar outras criptomoedas

As stablecoins são possivelmente um dos pilares do mercado de criptomoedas atualmente. O USDT, por exemplo, é usado como medidor de demanda por investidores....
Trade na Uniswap baleia

Criador da Uniswap quer melhorar negociações de baleias Ethereum

Hayden Adams, o criador da Uniswap quer implementar uma melhoria para as negociações de baleias de Ethereum. Um estudo está sendo feito em conjunto...
US Marshals na vigilância do telhado bitcoin

Polícia americana contrata empresa para armazenar bitcoins apreendidos

A polícia dos Estados Unidos quer guardar os bitcoins apreendidos em operações e para isso, contratou uma empresa especializada, a Anchorage Digital. De acordo com...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias