DeFi no Bitcoin é uma oportunidade de US$ 1 trilhão, diz Franklin Templeton

Para os mais puristas, o Bitcoin nem sequer deveria ser usado para outros fins além de transações de BTC. No entanto, a chegada dos Ordinals, que cresceram de US$ 100 milhões para US$ 1,5 bilhões em seis meses, mostram que isso não é uma escolha.

A Franklin Templeton, gestora que administra US$ 1,6 trilhão em ativos, está confiante de que o Bitcoin tem uma “oportunidade de US$ 1 trilhão” pela frente. O valor está ligado ao setor de DeFi, ainda dominado por outros projetos como Ethereum e Solana.

No entanto, a gestora acredita que o Bitcoin evoluirá muito nos próximos anos, de modo a ser um novo concorrente das blockchains inteligentes. Isso inclui tanto melhorias na primeira camada do Bitcoin quanto projetos de segunda camada.

“No primeiro trimestre de 2024, o valor total bloqueado (TVL) no ecossistema do Bitcoin cresceu mais de seis vezes, passando de US$ 492 milhões para mais de US$ 2,9 bilhões”, escreveu Julian Love, analista de negócios na Franklin Templeton.

“Dado esses indicadores iniciais, juntamente com o que vimos ocorrer em outros ecossistemas, acreditamos que mais de US$ 1 trilhão em valor poderia ser criado no ecossistema DeFi do Bitcoin nos próximos cinco a dez anos.”

Como comparação, hoje outras criptomoedas possuem US$ 107 bilhões em TVL, além de outros US$ 160 bilhões em stablecoins. Ethereum, com seus US$ 65,9 bilhões em TVL e outros US$ 79,5 bilhões em stablecoins, continua na liderança.

Valor total bloqueado (TVL) em redes como Ethereum, Tron, Solana e outros. Fonte: DefiLlama.
Valor total bloqueado (TVL) em redes como Ethereum, Tron, Solana e outros. Fonte: DefiLlama.

Além dos usos atuais, outras gestoras apontam que a tokenização de ativos do mundo real (RWA) faça esses números aumentarem. Portanto, a previsão de US$ 1 trilhão em TVL no Bitcoin está longe da soma atual de US$ 2,9 bilhões, mas não é nenhum exagero.

Como o Bitcoin está se preparando para entrar no setor de DeFi?

Para os mais puristas, o Bitcoin nem sequer deveria ser usado para outros fins além de transações de BTC. No entanto, a chegada dos Ordinals, que cresceram de US$ 100 milhões para US$ 1,5 bilhões em seis meses, mostram que isso não é uma escolha.

De qualquer forma, a Franklin Templeton, gestora por trás do ETF EZBC, acredita que o futuro do Bitcoin está ligado a tokens fungíveis, ou seja, ativos que não sejam NFTs.

“A maior oportunidade ainda está por vir”, escreveu Julian Love da Franklin Templeton. “A maior parte do valor de mercado do sistema de finanças descentralizadas do Bitcoin aparecerá no valor dos tokens fungíveis no Bitcoin.”

“Em comparação com Ethereum, Solana e outras cadeias, o valor dos tokens fungíveis no Bitcoin ainda é minúsculo, em grande parte porque estamos nos estágios iniciais da funcionalidade programável nessa blockchain.”

Como destaque, o executivo cita o surgimento do BitVM como uma solução de primeira camada, bem como a possível aprovação do OP_CAT. De qualquer forma, também fala sobre soluções de segunda camada, sidechains e meta-protocolos.

“Essas camadas permitirão pagamentos mais rápidos, assim como empréstimos, funcionalidades aprimoradas de tokens fungíveis e não fungíveis, exchanges descentralizadas, GameFi, SocialFi e muitos outros casos de uso”, concluiu Love.

Por fim, isso geraria mais casos de uso para o Bitcoin e, consequentemente, maior demanda pela criptomoeda. Em termos simples, o preço subirá bastante caso a previsão da gestora se concretize.

Sobre os concorrentes, pessoas e empresas escolheriam o Bitcoin devido à segurança de sua rede, mas também pela força de sua própria moeda, o BTC.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de criptomoedas do mercado ganhe até 100 USDT em cashback. Cadastre-se

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias

Últimas notícias