Empresa de mineração de Bitcoin é condenada a devolver R$ 313 mil para cliente

Empresa pode escolher entre pagar indenização material ou entregar 34 computadores modificados para a mineração da criptomoeda.

-

Siga no
Anúncio

Uma decisão judicial terminou com a condenação da HashBrasil. A justiça determinou que fosse devolvido a vítima cerca de R$ 313 mil referentes a investimentos realizados na empresa.

Com atividades de mineração na nuvem, a Hash Brasil oferecia um serviço diferenciado. Investidores “compravam” computadores preparados para minerar bitcoin. Porém, os computadores ficavam armazenados na China. Sendo assim, a mineração do bitcoin acontecia através da nuvem, em um processo de gerenciamento mantido pela Hash Brasil.

Hash Brasil deixou de pagar investidor

Após investir R$ 313.942,50, a vítima disse que enfrenta problemas para ser ressarcida pela Hash Brasil. O processo movido na justiça mostra que esse valor foi entregue à empresa, para ser investido em 34 computadores voltados para a mineração do bitcoin. Contudo, a Hash Brasil teria deixado de honrar com os compromissos de pagamento para a vítima.

Anúncio

No momento em que o processo foi movido, o autor da ação estava em suposta posse de doze CPU’s modificadas para minerar bitcoins. Inicialmente ficou proposto que a Hash Brasil forneceria assessoria para a vítima, através do executivo da Leonardo Janiszevski.

Como pagamento pelo serviço prestado, o autor da ação repassaria 18% de todo o lucro líquido das operações envolvendo a mineração do bitcoin. Porém, após oito meses em que o contrato entre as partes foi celebrado, a Hash Brasil deixou de honrar com os repasses para a vítima.

Computadores comprados pelo cliente estão na China

O contrato celebrado entre as partes foi motivo de contestação por parte da justiça. Além de erros jurídicos, algumas cláusulas não explicitam claramente os direitos e deveres das partes envolvidas. Dentre eles está a posse ou não dos computadores adquiridos pelo autor da ação.

De acordo com o contrato da Hash Brasil e do cliente que move o processo, os computadores comprados estão na China. A Hash Brasil supostamente oferecia toda a assistência diante do negócio, porém, nada garantia a entrega física das máquinas para o autor da ação. Com isso, os equipamentos estariam alocados na China.

Para o autor do processo reaver os computadores, os equipamentos deveriam ser retirados na China. O contrato entre a empresa de mineração na nuvem e o cliente fala sobre a retirada dos equipamentos.

Tecnicamente, o autor da ação comprou a posse dos equipamentos, mas cabe a ele retirar os computadores de acordo com o contrato firmado entre as partes. Essa retirada deveria acontecer em até dez dias. Caso contrário, a Hash Brasil poderia se apropriar dos equipamentos.

Empresa deve pagar indenização material ou entregar computadores

A justiça entendeu que não seria de responsabilidade da vítima retirar os equipamentos na China. Por mais que a cláusula estivesse no contrato, a justiça entendeu que as máquinas devem ser entregues para o autor da ação. Após a rescisão do contrato, caberá a Hash Brasil entregar os equipamentos que seriam do investidor que procurou a justiça.

A Hash Brasil poderá escolher entre a devolução dos computadores ou o pagamento de uma indenização material. De acordo com a justiça, a indenização seria no valor total investido pelo autor da ação, em mais de R$ 313 mil.

Esse valor deverá ser pago, ou os computadores entregues à vítima, em até trinta dias, conforme determinou a decisão judicial sobre o processo. A correção monetária do valor total da ação deverá ser levada em conta no momento da Hash Brasil ressarcir o autor da ação. Os valores gastos pelo proponente da ação com honorários advocatícios também deverá ser incluído nesse cálculo de pagamento. Nesse caso, o valor foi fixado em 10% do valor total da ação.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Paulo Carvalho
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".
FinCEN Files

Documentos vazados revelam que bancos lavaram R$ 10 trilhões em dinheiro ligado a crimes

Mais de 2.100 documentos secretos da FinCEN, Rede de Combate a Crimes Financeiros dos EUA, foram vazados e os detalhes desses arquivos trazem informações...
Europa (União Europeia e Bitcoin)

Europa vai regulamentar Bitcoin até 2024, apontam documentos

Segundo documentos vazados para a imprensa, a Europa vai regulamentar o Bitcoin até 2024 em todos os países membros do bloco. O tema ganhou...
Cristo Redentor, símbolo no Brasil (Rio de Janeiro), e Bitcoin (BTC Blockchain)

Brasil desenvolve com blockchain uma identidade descentralizada

O Brasil caminha rumo às novas tecnologias e já desenvolve com uso da blockchain um novo projeto. Chamada de identidade descentralizada, a solução promete...

Últimas notícias

Europa vai regulamentar Bitcoin até 2024, apontam documentos

Segundo documentos vazados para a imprensa, a Europa vai regulamentar o Bitcoin até 2024 em todos os países membros do bloco. O tema ganhou...

Brasil desenvolve com blockchain uma identidade descentralizada

O Brasil caminha rumo às novas tecnologias e já desenvolve com uso da blockchain um novo projeto. Chamada de identidade descentralizada, a solução promete...

Polícia desarticula sequestro que pedia Bitcoin pelo resgate de mulher

Um sequestro de uma mulher no Ceará, que pedia R$ 1 milhão em Bitcoin como resgate, foi desarticulado pela polícia civil em 12 horas....