Notícias

Governo dos EUA move R$ 4,6 bilhões em Bitcoin, R$ 1,13 bilhão tem corretora como destino

Share

Uma movimentação de 40.000 bitcoins, equivalentes a R$ 4,6 bilhões, chamou a atenção da comunidade na noite desta terça-feira (7). Além de estar sobre o controle do governo dos EUA, 9.825 bitcoins (R$ 1,13 bilhão) foram enviados para uma carteira da corretora Coinbase.

Tais bitcoins estão ligados ao hack da Silk Road, famoso mercado ilegal fechado pelo FBI em 2013.

Resumindo o caso, o hack aconteceu em 2012, quando a Silk Road ainda estava em funcionamento. Na data, o hacker conseguiu roubar mais de 50.000 bitcoins ao explorar uma falha grotesca no site, que permitia saques duplicados.

Nove anos depois, em novembro de 2021, os EUA recuperavam quase todo montante deste hack. Segundo comunicado oficial, os bitcoins estavam em um computador escondido em uma lata de pipoca.

EUA movem 40.000 bitcoins ligados ao hack da Silk Road

O Bitcoin estava em seu auge na data da apreensão, valendo US$ 68.564 por unidade. Dado isso, o confisco é tido como um dos maiores da história, ficando para trás da apreensão da própria Silk Road (144.000 BTC) e dos 94.000 bitcoins ligados ao hack da Bitfinex.

Já nesta terça-feira (7), os EUA moveram 40.000 bitcoins ligados a este caso. Segundo informações do Glassnode, R$ 1,13 bilhão em Bitcoin tiveram a corretora Coinbase como destino, já os outros 30.174 bitcoins foram parar em um endereço de troco, ou seja, voltaram à carteira controlada pelos EUA.

“Aproximadamente 40.000 BTC de carteiras associadas a apreensões de autoridades do governo dos EUA estão em movimento”, escreveu a Glassnode. “Destes, a maioria parece ser transferências internas (até agora), no entanto, aproximadamente 9.861 BTC apreendidos do hacker da Silk Road foram enviados para a Coinbase.”

A movimentação chamou atenção da comunidade pela ligação com a Coinbase. Afinal, quando alguém manda bitcoins para uma corretora, sua intenção é vender seus ativos.

Outra possibilidade seria o uso do serviço de custódia da corretora americana. No entanto, isso também não faria muito sentido já que apenas uma parte foi enviada à Coinbase e, além disso, os EUA sempre mantêm a posse de ativos apreendidos.

Bitcoins pertencem aos EUA, entenda

Em tese, a vítima deste roubo foi Ross Ulbricht, criador da Silk Road. No entanto, conforme o site foi fechado pelo FBI e Ulbricht foi condenado a prisão perpétua, estes bitcoins pertencem aos EUA. Em outras palavras, o governo americano pode fazer o que desejar com eles.

Portanto, investidores esperam que os EUA leiloem tais bitcoins no mercado, como fizeram no passado.

Usando o próprio caso da Silk Road como exemplo, os EUA leiloaram 29.657 bitcoins deste mercado ilegal em junho de 2014. O montante estava avaliado em US$ 17 milhões na data, mas hoje vale US$ 654 milhões.

Dado isso, é possível que os EUA estejam buscando uma parceria com a Coinbase para se desfazer deste novo lote. No entanto, não fica claro se o governo tem intenção de leiloar tais bitcoins ou então vendê-los diretamente na corretora. Essa última opção parece ser a pior possível para o mercado, já que criaria uma imensa pressão vendedora.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de criptomoedas do mercado ganhe até 100 USDT em cashback. Cadastre-se

Siga o Livecoins no Google News.
Curta no Facebook, Twitter e Instagram.
Comentários
Autor:
Henrique HK