Co-fundador da Riot Games perdeu R$ 20 milhões em golpe de criptomoeda

Tryndamere, o próprio

Siga no

Marc Merrill, co-fundador da Riot Games foi vítima de um elaborado golpe com criptomoedas que envolveu mineração em nuvem. O cartão de crédito do fundador de uma das maiores empresas de jogos online do mundo foram usadas para comprar poder computacional para mineração de criptomoedas. O criminoso por trás do golpe conseguiu roubar o equivalente a US $ 5 milhões (R$ 20.8 milhões).

De acordo com a Forbes, o homem acusado de perpetrar o golpe é Matthew Ho, ele é de Cingapura e aplicou o esquema em novembro de 2014, mas só foi preso em janeiro de 2018. Ele utilizou o cartão de crédito do fundador da Riot para pagar por computação em nuvem na Amazon e no Google.

Tudo começou com roubo de identidade, o golpista se passou pelo co-fundador da Riot, empresa por trás do popular League of Legends (jogo com mais de 22 milhões de jogadores ativos). Para isso, ele conseguiu uma carteira de motorista falsa, depois ele desenvolveu um cartão de visita semelhante ao de Marc, e para ficar acima de qualquer suspeita usou o endereço residencial legítimo da vítima.

Golpista enganou Google e Amazon

Armado com a identidade falsa, era hora de executar seu golpe. Ele entrou em contato com a Amazon para comprar poder de computação em nuvem e, como Marc era um cliente estabelecido em seu negócio de jogos, a Amazon até ofereceu “acesso a níveis substancialmente elevados de serviços de computação em nuvem”, afirma o relatório. A natureza desse acesso elevado não foi revelada.

As informações do cartão de crédito que Ho se apossou eram do cartão principal de Merrill, o cartão real utilizado para pagar a Amazon pelos serviços que a Riot Games utilizava na AWS.

O homem por trás do golpe é acusado de ter feito o mesmo com o Google, fazendo 16 pagamentos separados com a empresa pelo poder da computação em nuvem. No entanto, diferentemente da Amazon, os pagamentos do Google não foram processados, com o banco recusando os pagamentos e estornando no cartão de Merrill.

Ho usou o poder da computação em nuvem para minerar criptomoedas, principalmente Ethereum e Bitcoin. Ele vendia as criptomoedas mineradas em corretoras P2P, como a LocalBitcoins. No entanto, ele deixou uma pegada digital na internet, onde a polícia conseguiu rastrea-lo. Ele foi preso em Cingapura no dia 26 de setembro.

O co-fundador da Riot é a vítima mais famosa de fraude com cartão de crédito do golpista, mas não é a única. De acordo com uma acusação nos EUA em outubro, Ho é acusado de ter enganado um fundador de uma empresa indiana de tecnologia e um morador do Texas, entre outros.

Leia mais sobre:
Mateus Nunes
Mateus Nuneshttps://livecoins.com.br
Analista de Sistemas, entusiasta de criptomoedas e blockchain. Tradutor do site Bitcoin.org Sugestão de pauta: mateus@livecoins.com.br
Guggenheim

Gigante de Wall Street pede aprovação da SEC para investir até R$ 2.6 bi...

A gigante americana de serviços financeiros Guggenheim Partners entrou com um pedido na Comissão de Valores Mobiliários americana (SEC) para investir até $ 500...

Guru de “A grande aposta” compara bitcoin com Tesla: “bolha”

Michael Burry - o famoso investidor interpretado por Christian Bale no filme "A grande aposta" - comparou a Tesla com o bitcoin, chamando ambos...

Produtora do Big Brother, Master Chef e The Voice é atacada por ransomware e...

Uma gigante da televisão está enfrentando um cenário assustador. O grupo francês Banijay informou na quinta-feira (26) que sofreu um ataque cibernético que afetou...

Últimas notícias

Guru de “A grande aposta” compara bitcoin com Tesla: “bolha”

Michael Burry - o famoso investidor interpretado por Christian Bale no filme "A grande aposta" - comparou a Tesla com o bitcoin, chamando ambos...

Produtora do Big Brother, Master Chef e The Voice é atacada por ransomware e tem dados vazados

Uma gigante da televisão está enfrentando um cenário assustador. O grupo francês Banijay informou na quinta-feira (26) que sofreu um ataque cibernético que afetou...

Hackers invadem site do governo da Argentina e ameaçam vazar 50GB de dados

Vários países da América Latina seguem perseguidos por ataques cibernéticos, principalmente com os chamados ransomwares. O novo caso de ataque seria uma invasão ao...