Hacker rouba R$ 132 milhões em criptomoedas, deixa IP exposto e devolve tudo

"Hacker" deixou IP exposto e resolveu devolver os fundos

-

Siga no
Hackerman
Hackerman

Hackers conseguiram drenar US $ 25 milhões de duas carteiras de criptomoedas (bitcoin e ethereum) no último final de semana. Utilizando ataque de reentrada em contratos inteligentes eles conseguiam roubar criptomoedas de forma continua sem nenhuma dificuldade até que o status inicial da transação fosse alterado.

O ataque foi feito em uma plataforma de empréstimos descentralizada, a Lendf.me, que é usa dois protocolos de empréstimos suportados pela rede DeFi (finanças descentralizadas) DFORCE, e uniswap.

Quando um contrato inteligente é implantado na blockchain, ele nunca pode ser alterado novamente. É por isso que eles são chamados de “imutáveis”.

Como funciona o ataque de reentrada

Um ataque de reentrada ocorre quando uma função faz uma chamada externa para outro contrato não confiável antes de resolver quaisquer condições. Se o invasor puder controlar o contrato não confiável, ele poderá fazer uma chamada recursiva de volta à função original, repetindo interações que, de outra forma, não seriam executadas após a resolução dos efeitos.

Assim, ele consegue executar um contrato, e logo, sacar fundos de forma repetitiva.

Os hackers atacaram primeiro a Uniswap no sábado, explorando uma vulnerabilidade inerente no protocolo combinada com o padrão de token ERC777.

Depois, no domingo, os hackers realizaram o mesmo ataque na Lendf.Me, e assim conseguiram um “empréstimo” grande na plataforma”.

A DeFi Pulse informou que a Lendf.me foi atacada no início da manhã de domingo. 99% de seus ativos em ethereum e bitcoin foram roubados.

Os desenvolvedores do protocolo DeFi sugerem que a vulnerabilidade pode ter sido causada porque o imBTC deve ser ancorado em uma taxa individual contra o padrão ERC777, o que significa que um token ethereum pode ter sido atrelado ao Bitcoin.

É possível que a combinação do contrato de tokens Lendf.Me/Uniswap e ERC777 tenha permitido ao invasor lançar os ataques de reentrada.

Essas são meras especulações, já que a dForce ainda não divulgou uma declaração oficial sobre o incidente ou o que poderia ter dado errado. O site oficial da Lendf.me exibiu a mensagem “Não deposite mais!” antes de ficar offline.

Empresa fornece dados do hacker para a polícia

A única declaração oficial divulgada até agora foi publicada no canal Telegram e no blog Medium da Lendf.me, em que o CEO da fundação, Mindao Yang, declarou que os usuários não devem depositar fundos na Lendf.me e que a empresa está investigando o problema.

Também não está claro se o invasor roubou fundos da empresa e dos usuários, mas foi confirmado que as carteiras armazenavam mais de US $ 25 milhões, ou, R$ 132 milhões.

Yang alega ter entrado em contato com as autoridades para investigar o assunto e a empresa também respondeu ao contato dos hackers.

“Os hackers tentaram entrar em contato conosco e pretendemos entrar em discussões com eles”,

“Estamos fazendo tudo ao nosso alcance para conter a situação.

contatamos corretoras para rastrear e colocar na lista negra os endereços dos hackers e envolvemos nossas equipes jurídicas.”

O IP do hacker foi exposto e a empresa informou para as autoridades, isso fez o hacker devolver os fundos.

Hackers devolvem todos os fundos roubados

O roubo dos US $ 25 milhões teve uma reviravolta, os hackers devolveram todos os fundos roubados – o valor de cerca de R$ 132 milhões foram enviados de voltada para a plataforma.

Conforme publicado pelo The Block, ontem, o hacker devolveu 2,79 milhões de dólares à dForce e hoje o restante da quantia, quase 24 milhões de dólares, foi devolvido, de acordo com dados da Etherscan analisados ​​pela The Block Research.

Um pouco menos do que o valor dos fundos roubados porque o explorador converteu alguns deles e eles perderam algum valor:

O CEO da 1inch.exchange, Sergej Kunz,  disse ao site que o hacker devolveu todos os fundos porque seu endereço IP foi informado para a polícia de Cingapura.

“Recebemos um pedido da polícia e estávamos ajudando a dForce. Com base no pedido, entregamos à polícia os endereços IP e as meta informações sensíveis”, disse Kunz ao The Block.

Valores devolvidos, imagem: The Block

O The Block descobriu que uma das empresas envolvidas se recusou a ajudar a dForce com as informações do hacker, porque eles disseram que sendo uma empresa francesa seguem as leis do GDPR (Regulamento Geral de Proteção de Dados). Mas isso não é verdade, disse uma pessoa familiarizada com o assunto ao site.

“Eles não têm nenhuma informação de contato no site, o que é necessário e pode causar uma punição de € 200.000. Além disso, eles coletam endereços de e-mail do usuário para o sistema de notificação se o preço mudar e também os endereços IP e não possuem qualquer política na página da Web “, disse a pessoa ao The Block. 

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Anúncio

Bitcointrade - 95% dos depósitos aprovados em até 30 minutos!

Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em 5 minutos!

Complete seu cadastro em 5 minutos!
SourceThe Block
Avatar
Livecoins
Livecoins é um portal de blockchain e criptoeconomia focado em notícias, artigos, análises, dicas e tutoriais.

YouTube exibe anúncios de golpe que rouba Bitcoin

Recentemente os golpes com Live Falsas têm se tornado cada vez mais comuns. Curiosamente, a grande maioria delas também estão utilizando o nome de...
Gráficos de ações listadas em bolsa de valores

Nova Bolsa de Valores no Brasil poderá usar Blockchain

O Brasil poderá ver uma nova bolsa de valores sendo instalada no país em breve, segundo rumores. A iniciativa, que estaria sendo conduzida pelo...

Coluna do TradingView: Enquanto o BTC Dorme, as ALTS Fazem a Festa

A mais de 60 dias consolidado, Bitcoin não mostrou reação, do contrário de suas irmãs altcoins. Confira os estudos dos analistas do TradingView. Adrian Caveira BTCUSD depois...