Halving fará bitcoin chegar em US$ 100 mil? Estudo pode quebrar maior certeza do mercado

Relatório aponta que halving não influencia no preço da criptomoeda como o mercado acreditava.

Halving do bitcoin pode ser uma farsa

O halving do bitcoin é o evento mais aguardado pelo mercado de criptomoedas. Tudo indica que o preço do bitcoin deverá chegar aos US$ 100 mil com este acontecimento. Porém, um relatório recentemente publicado revela que o halving não influencia diretamente no preço do bitcoin. Sendo assim, uma importante teoria do mercado pode ser contestada com o estudo publicado.

Halving foi introduzido no bitcoin por Satoshi Nakamoto que esperava uma valorização crescente para a criptomoeda. A atividade consiste na redução pela metade na oferta do bitcoin em cada bloco minerado da criptomoeda. Essa redução acontece a cada quatro anos aproximadamente e já valorizou o preço do bitcoin em eventos anteriores no mercado.

Taxa halving está associada a aumento histórico do preço do bitcoin

O bitcoin já vivenciou dois halvings desde que foi criado há mais de dez anos atrás. Em uma rápida análise do mercado é possível verificar que a criptomoeda vivenciou uma valorização expressiva logo após o halving acontecer. Esse mesmo acontecimento é aguardado para 2020.

No próximo ano a oferta de bitcoins através da mineração será reduzida. O evento impactará drasticamente no preço da criptomoedas. Previsões apontam que chegará o momento do bitcoin ultrapassar os US$ 100 mil já em 2021. Essa tendência de aumento seria consequência do halving que diminuirá a oferta de 12,5 para 6,25 unidades de bitcoin no processo de mineração de blocos.

Estudo sugere que taxa halving não faz bitcoin subir

O mercado prega que o halving é um excelente propulsor de valorização para as criptomoedas. Assim como o bitcoin, outros ativos digitais apresentam o halving a cada certa quantidade número de blocos minerados. No relatório publicado pela Strix Leviathan, 32 eventos de halving em 24 criptomoedas diferentes foram analisados. O estudo concluiu que o halving pode não influenciar no preço da criptomoeda.

A startup norte-americana revelou que o halving pode ser considerado um verdadeiro mito. Analisando o preço de várias criptomoedas que possuem o halving em seu processo de emissão, o estudo concluiu que o evento não influencia o preço como o mercado acreditava.

“Não encontramos evidências de que os ativos de criptomoedas que experimentam um evento de halving superem o mercado mais amplo, nos meses que antecederam e seguiram uma redução nas recompensas dos mineradores.”

Para concluir a pesquisa, o relatório analisou criptomoedas que também não possuem o halving. De acordo com a pesquisa, essas criptomoedas se valorizaram igualmente àquelas que passaram pelo processo de halving. Ou seja, o evento de redução de oferta da criptomoeda pode não influenciar na retomada do preço no mercado.

Desempenho do Litecoin caiu 25% após seu primeiro halving

O evento halving pode ter um efeito contrário ao que a maioria do mercado ansiava. O relatório publicado pela Strix Leviathan demonstra desempenhos negativos após o halving acontecer. No caso do Litecoin (LTC), por exemplo, a criptomoeda chegou a registrar um desempenho baixo logo após seu primeiro halving acontecer.

“O LTC superou o mercado nos meses que antecederam os halvings, mas o desempenho caiu para os 25% mais baixos do mercado após o primeiro halving.”

O relatório revela ainda, que o halving é um evento que causa desequilíbrio na rede de uma criptomoeda. A redução da oferta de uma criptomoeda tende a facilitar o que seria uma valorização “dramática” e completamente induzida pelo evento.

“A redução pela metade das Recompensas de mineração tem o efeito de reduzir a pressão de venda das mineradoras, o que, por sua vez, cria um desequilíbrio na oferta e na demanda, o que facilita uma escalada dramática de preço.” 

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".

Últimas notícias