Irã quer criptomoedas para evitar sanções dos EUA

Mais um país correndo para as criptomoedas!

-

Siga no
Bandeira do Irã com Dedos em Sinal de Paz e Amor
Bandeira do Irã com Dedos em Sinal de Paz e Amor
Anúncio

Um dos primeiros países do Oriente Médio a correr o olho na tecnologia das criptomoedas de forma especial anda sendo o Irã, um fato esperado devido às inúmeras sanções dos EUA ao país.

O último pacote de sanções dos EUA ao Irã aconteceu em novembro de 2018, um fato que penaliza as empresas do país embargado e também países que mantém comércio com o mesmo. Isso pode afetar a qualidade de vida da população do país de forma grave.

Uma das empresas que já sentiu o efeito das sanções dos EUA ao país foi a Huawei, que é uma empresa chinesa e que teve presa sua vice-presidente financeira no Canadá em dezembro de 2018. Os EUA acusaram a empresa de ter relações com o Irã neste caso.

Anúncio

Com tudo isso acontecendo, o Irã pretende partir para as criptomoedas e a sua população está de acordo com as políticas do país nesse sentido, sendo o Bitcoin e as criptomoedas uma luz no fim do túnel para burlar as sanções dos EUA, que detém o dólar como “moeda oficial mundial”.

O Banco Central do Irã já procura especialistas em blockchain e criptomoedas para levantar informações mais claras de como a tecnologia resolveria os problemas do país e, já busca uma forma de regulamentar o mercado no país que até então era o assunto era extremamente mal visto pelas autoridades.

A ideia seria a de criar de uma stablecoin nacional, a exemplo da Venezuela que também fez o mesmo com a Petro, algo que a população concorda e também uma ONG que atua no país chamada Iran Blockchain Community (IBC).

A moeda teria seu lastro em ouro de acordo com informações, mas o Bitcoin e criptomoedas descentralizadas podem ganhar espaço no Irã assim como ocorreu na Venezuela, principalmente pelo aumento da visibilidade do tema sendo endossado pelos governantes e tratado como solução aos problemas econômicos do país.

O presidente da ONG IBC, Sepehr Mohammadi, disse recentemente ao portal Financial Tribune que “no geral, considero as políticas da CBI sobre criptomoeda como positivas. O fato dos EUA terem procedido para sancionar a criptografia nacional do Irã antes que ela seja lançada significa que a ferramenta tem a capacidade de contornar as sanções”.

A Rússia é outro território especulado para entrar comprada no Bitcoin em breve, principalmente se mais sanções forem impostas ao país e membros do governo pelos EUA nos próximos dias de fevereiro.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Leia mais

Leia mais sobre:

Últimas notícias

Entenda as semelhanças e diferenças entre o mercado tradicional e cripto

São Paulo, outubro de 2020. Entender o mercado de investimentos é uma das principais atitudes que o investidor deve ter para se arriscar nesse...

Vítima envia R$ 440 mil em Bitcoin para endereço errado e perde tudo

Os malwares continuam apresentando vários riscos para os investidores, com alguns casos desses softwares mal intencionados roubando muito dinheiro de suas vítimas. Em um...

Evento de startups fala sobre criptomoedas na próxima terça

Um evento de startups fala sobre as criptomoedas na próxima terça, totalmente online. Promovido por grandes empresas como a Ambev, Bradesco, Dínamo e Salesforce,...