Marca de luxo Philipp Plein começa aceitar Bitcoin como pagamento

CEO e fundador da marca anunciou que detém pessoalmente criptomoedas.

Siga no
Loja da Philipp Plein
Loja da Philipp Plein

A marca de luxo Philipp Plein agora aceita Bitcoin como meio de pagamento, a primeira do setor a entrar na onda com seu fundador animado com a inovação.

A marca carrega o nome do fundador da empresa, que afirmou ser mais um dos investidores em bitcoin no mundo. O dono da marca alega nas redes sociais ter uma fortuna bilionária.

Até o final de 2021, a marca espera atingir um volume de negócios de 100 milhões de euros, agora com reforço das criptomoedas.

Marca de luxo Philipp Plein aceita Bitcoin, Dogecoin e mais criptomoedas como meio de pagamento, primeira do setor de roupas luxo

Com sede na Alemanha, a marca Philipp Plein entra para a história ao começar a aceitar Bitcoin como meio de pagamento. Segundo o cofundador, serão aceitas outras 15 criptomoedas.

Com uma postagem no Instagram, Philipp Plein comemorou o lançamento do novo meio de pagamento, visto que ele acredita no potencial deste mercado.

“Sou um cripto investidor e acredito no futuro da CRIPTO – por isso decidi oferecer este meio de pagamento nas minhas lojas e online!!!! Divirtam-se rapazes e divirtam-se atirando criptomoedas em nossa carteira – juntos estamos fazendo HISTÓRIA”

Os clientes da marca poderão adquirir os produtos por criptomoedas em lojas físicas e até pelo site da empresa. Em consulta do Livecoins ao site da Philipp Plein, é possível ver o preço dos produtos na cotação em Dólar, Real e em Bitcoin diretamente ao acessar ele.

Jaqueta da Philipp Plein a venda por 4,12 Bitcoins ou R$ 836 mil
Jaqueta da Philipp Plein a venda por 4,12 Bitcoins ou R$ 836 mil/Reprodução

As criptomoedas aceitas pela marca de luxo são “Bitcoin, Bitcoin Cash, BNB Mainnet, Bitcoin SV, Dogecoin, Ethereum, Litecoin, Nano, OmiseGo, Paxos Standard Token, Qtum, Tron, TrueUSD, USD coin, Tether ERC-20”, com a cotação atualizada a cada 20 minutos.

Vale destaque que para comprar qualquer produto, a origem dos Bitcoins devem ser comprovados, com documentos que garantem que as moedas “são limpas”.

Mesmo com o KYC exigente para os clientes, a Philipp Plein agora ajuda a comunidade Bitcoin a consumir com a criptomoeda, que é um meio de pagamento e unidade contábil em uma grande e importante empresa do mercado de luxo mundial, que tem como fundador um fã da tecnologia.

O mercado de luxo tem se aproximado do setor com uso da tecnologia blockchain. A Louis Vuitton, por exemplo, recentemente abriu um registro de marca no Brasil citando essa inovação em seu pedido.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Queda da Dogecoin DOGE despenca desvalorização brasileiro

Brasileiro perde R$ 2,6 milhões com queda da Dogecoin, mas ainda acredita na moeda

O brasileiro que mora nos Estados Unidos, Glauber Contessoto, perdeu R$ 2,6 milhões em Dogecoin com a recente queda da moeda no mercado. O fenômeno...
LNBTC

Usuário avisa empresas sobre falha em serviços de custódia da Lightning Network

Reckless Satoshi, um usuário do Reddit, fez uma postagem relatando que serviços de custódia que trabalham com a Lightning Network tinha um ponto de...
Ethereum. (Imagem: Adobe Stock)

Pânico? R$6,6 bilhões em Ethereum saíram das exchanges na semana passada, R$4,2 bi voltaram...

Na quarta-feira passada, dia 15 de setembro, cerca de 363.240 ETH foram sacados de exchanges centralizadas, ontem, no entanto, 258.050 ether voltaram para endereços...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias