Moeda digital da China ameaça império Alibaba

O governo Chinês sabe que se as operações financeiras das empresas de TI se expandirem em áreas fora do controle das autoridades, a política financeira da China perderá sua relevância.

Siga no

A Alibaba, maior empresa de comércio eletrônico da China ganhou um concorrente que deve destruir seus planos de expansão. O governo Chinês. A empresa é dona de diversas plataformas semelhantes ao Mercado Livre e do aplicativo de pagamentos Alipay – juntos eles criam um ecossistemas de vendas online mais sofisticados e lucrativos do mundo.

A Amazon e a Alibaba competem entre si para ganhar a coroa de líder do mercado mundial de comércio eletrônico. A Amazon já reconheceu o fato de que para competir com a Alibaba na China eles precisam investir muito dinheiro e então se afastaram do país para se concentrar em outras regiões, inclusive começando a operar no Brasil.

Alibaba é frequentemente chamada de “Amazon da China” devido à sua trajetória de crescimento constante. Ela se tornou uma das empresas de tecnologia mais valiosas do mundo, atrás apenas da Apple, Google e Microsoft.

A empresa é agora a segunda maior de comércio eletrônico do mundo, perdendo apenas para a Amazon.

O grupo começou a expandir e conquistar novos clientes depois de focar em serviços financeiros, criando aplicativos de pagamentos e contas digitais, contudo, o governo Chinês começou a impedir a expansão da Alibaba recentemente, ameaçando um dos negócios que a empresa está crescendo mais. As informações são do site Nikkei Asia.

Alibaba poderia se tornar maior que bancos da China

A Alibaba começou a atuar até mesmo no mercado de empréstimos, decidindo a quem emprestaria dinheiro por meio de inteligência artificial. Se a empresa adquirir uma grande quantidade de fundos, então ela poderá se tornar uma entidade mais poderosa do que os bancos da China.

O mercado de pagamentos digitais na China é dominado pelo Alipay da Alibaba, que têm participação de 55% do mercado.

As autoridades regulatórias da China anunciaram no dia 24 de dezembro que a Alibaba está sob investigação por suspeita de violação da lei antimonopólio. A empresa também está enfrentando agora investigação de autoridades financeiras do país.

O anúncio da investigação contra a Alibaba chegou poucos dias depois que o Partido Comunista Chinês concluíram uma importante reunião sobre a economia.

Tais circunstâncias fizeram surgir a visão de que o yuan digital, a moeda digital da China, irá travar a expansão das empresas de TI, impedindo-as de atuarem como plataformas de pagamento.

O aplicativo de pagamentos digitais da Alibaba planejava listar suas ações na bolsa, mas as autoridades forçaram a empresa a adiar o processo. A justificativa da gestão econômica da China é prevenir a “expansão desordenada do capital”.

O fundador da Alibaba, Jack Man, criticou as autoridades chinesas: “não podemos usar os métodos de ontem para regular o futuro”, disse.

Porém, na medida que as empresas de TI começaram a ameaçar o reinado dos bancos estatais, o governo chinês passou a ficar mais rígido, exigindo que as empresas depositassem reservas no banco central do país, o Banco do Povo da China.

O governo Chinês sabe que se as operações financeiras das empresas de TI se expandirem em áreas fora do controle das autoridades, a política financeira da China perderá sua relevância.

Mas enfraquecer o poder das empresas de TI rapidamente acarreta um alto risco na economia, já que todo o varejo depende dos pagamentos digitais.

A solução que o governo encontrou foi o Yaun Digital, a moeda da china que deve entrar em operação para toda população este ano ou no próximo.

Os cidadãos da China então deverão usar o dinheiro digital da China ao invés de aplicativos de pagamento como do Alibaba, assim, a China pretende destruir aplicativos como o Alipay e outros.

No resto do mundo as empresas de TI já estão entrando em guerra com bancos e governos para decidir quem vai dominar os pagamentos digitais. O FMI até prevê um futuro onde os aplicativos de pagamentos de empresas de tecnologia substituam os bancos.

Mas na China, o governo é comunista, no país a moeda que vai reinar será a que o governo decidir. Portanto, o Alibaba está agora na berlinda.

Acompanhemos a partir daqui como acontecerá no resto do mundo, mas o país asiático já nos deus uma pequena prévia.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Livecoins
Livecoins é um portal de blockchain e criptoeconomia focado em notícias, artigos, análises, dicas e tutoriais.
Roberto von der Osten, da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)

Bitcoin é inevitável, diz sindicalista da CUT

O sindicalista Secretário de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Sistema Financeiro (CONTRAF-CUT), Roberto von der Osten, disse em um programa de...

Axie Infinity não pagará mais jogadores iniciantes

Axie Infinity ainda é um dos grandes sucessos dos jogos blockchain, representando uma oportunidade para muitos conseguirem ganhar enquanto jogam. No entanto, novas mudanças...
Bitcoin e criptomoedas em ETF

NASDAQ indica que ETF de Bitcoin pode ter sido aprovado, preço dispara

Os investidores de Bitcoin tem aguardado ansiosamente por uma possível aprovação de um ETF de Bitcoin, o que poderia fazer o preço do ativo...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias