MP de SP investiga suspeitos de aplicar golpes; prejuízos podem passar dos R$ 200 mi

Siga no
Foto: Facebook/MP-SP

Por causa do aumento no número de denúncias envolvendo golpes financeiros, no final de 2017 o Ministério Público do Estado de São Paulo abriu um procedimento para apurar supostos esquemas de pirâmide financeira no Brasil.

A investigação ainda está em curso e conta com apoio de unidades de outros estados. No radar do órgão há pessoas e empresas que atuam com tecnologia, marketing multinível, mercado financeiro, criptomoedas, entre outros.

O número de investigados, vítimas e denunciados não foi revelado, mas o MP calcula que a movimentação de recursos e os prejuízos podem passar de R$ 200 milhões, segundo o procurador de Justiça Paulo Marco Ferreira Lima.

Uma das empresas investigadas, por exemplo, é a Binary Bit, que prometia rendimentos de até 300% em 200 dias por meio de opções binárias.

“Com as novas tecnologias, programas de rastreamento e com ajuda indispensável da Polícia Federal, os objetivos no sentido de descobrirmos os criminosos foram facilitados”, disse o procurador.

Punição ainda é lenta

Apesar da agilidade na investigação, a lei brasileira não consegue acompanhar o crescente números de casos, disse o procurador.

Isso porque o Código Penal Brasileiro é de 1940 e, mesmo com os “retalhos” que a legislação recebe, não é possível abarcar muitos dos novos tipos de golpes que surgem no mercado.

“Além disso, o direito é lento e prefere desacreditar antes de acreditar. A prova contra alguém, por exemplo, precisa ser limpa e sem vício para ser aceita, e isso leva tempo”, disse.

MPF lança cartilha com dicas

Por causa do elevado número de pessoas que caem em golpes, o Ministério Público Federal lançou em 2016 uma cartilha com informações que ajudam a identificar possíveis golpes.

No material, o órgao publicou alguns sinais característicos de esquemas de pirâmide financeira:

  • Estoques exagerados e falta de venda no varejo (as vendas ocorrem da “empresa” para os membros recrutadores e destes para novos investidores, não alcançando o público em geral).
  • Os recrutados são obrigados a comprar mais produtos para vender, quase sempre a preços infados.
  • Pouca ou nenhuma informação sobre a empresa – as informações são passadas apenas àqueles que desejam participar da rede.
  • Promessas de rendimentos potencialmente.
  • Nenhum produto real ou produto bem acima do valor de mercado.
  • Vaga descrição do produto.
  • Renda obtida prioritariamente da comissão recebida pelo recrutamento de novos associados ou produtos adquiridos para uso próprio, e não por meio de vendas para consumidores não participantes do esquema.

O órgão também ressaltou no material que golpes financeiros estão sujeitos a penas de um a cinco anos, previstas nas leis que definem crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, economia popular, mercado de capitais e ordem econômica.

Além disso, a pirâmide financeira também pode ser enquadrada como crime de estelionato, previsto no Código Penal.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Polícia descobre mineração ilegal de Bitcoin dentro do próprio quartel

A polícia de diversos países continua de olho nas atividades ilegais de mineração que utilizam energia roubada para obter lucros com criptomoedas. Um caso...
Criptomoeda Ethereum mãe do DeFi

Ethereum será atualizado no dia 4 de agosto e se tornará deflácionário

Nos últimos dias os participantes de grupos de criptomoedas têm perguntado se a atualização de uma certa criptomoeda fará a alta do Bitcoin ser...
Mão segurando Bitcoin e bandeira da Malásia

“Clientes da Binance devem sacar fundos imediatamente”, diz CVM da Malásia

A CVM da Malásia afirma que os investidores de criptomoedas devem sacar seus fundos imediatamente da Binance, que receberá medidas coercitivas em breve. A nova...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias