PewDiePie, maior Youtuber do mundo está promovendo uma criptomoeda, não é Bitcoin

O jogo pode ser baixado tanto para Android quanto para iOS e PewDiePie até mesmo terá uma skin dentro do jogo, também vendida como um token não fungível.

Siga no

Felix Arvid Ulf Kjellberg, mais conhecido como PewDiePie, é o maior youtuber do mundo e segundo maior canal da plataforma, com 107 milhões de inscritos. O Youtuber está usando o seu alcance para divulgar um jogo que tem integração com blockchain e que disponibiliza Tokens Não Fungíveis para seus jogadores.

Em um vídeo que já acumula mais de 5 milhões de visualizações, PewDiePie promoveu o jogo Wallem, um game parecido com o famoso Pokémon Go, mas ao invés de simpáticos monstrinhos, você caça Tokens Não Fungíveis nativos da rede, chamados de Pteria (PTE) que podem ser trocados por outros itens, como relógios, celulares e até mesmo Bitcoin, Ethereum e outras criptomoedas.

Funcionando com um sistema de realidade aumentada e um Mapa 3D, o usuário pode andar pelas ruas e capturar os diferentes tokens que encontra. Esses tokens podem até ser transferidos para carteiras externas e possuem um mercado próprio em exchanges.

O jogo pode ser baixado tanto para Android quanto para iOS e PewDiePie até mesmo terá uma skin dentro do jogo, também vendida como um token não fungível. Wallem ainda está em fase relativamente inicial, ainda com muitas melhoras a serem realizadas e algumas reclamações dos jogadores para serem respondidas.

Ainda assim, é um bom ponto de partida para interessar muitas pessoas nos conceitos das criptomoedas.

PewDiePie promovendo jogo criptomoedas

“Pewds”, como é chamado pelos seus fãs, é uma das personalidades mais influentes entre os jovens, portanto, essa pode ser um ponto de exposição à blockchain para milhões de pessoas. Isso pode fazer bastante a diferença para a indústria, mesmo que tudo tenha sido apenas uma propaganda patrocinada.

O Wallem apresenta conceitos básicos sobre blockchain, NFT e criptomoedas que podem ser expandidos pelos seus jogadores que se interessarem pelo assunto.

E curiosamente, essa não é a primeira vez que youtuber sueco expõe seus fãs ao mundo descentralizado. Apesar de ter voltado para o YouTube, há alguns meses ele estava fazendo lives na plataforma DLive, um serviço de streaming descentralizado que aos poucos vem ganhando popularidade.

Aqui no Brasil a plataforma também está ficando popular, principalmente entre os criadores de conteúdo de pequeno e médio porte.

Aos poucos, a descentralização, mesmo que em seus conceitos mais básicos, está ganhando apoio em diferentes setores e em muitas outras plataformas. Não é à toa que o CEO de uma das maiores Redes Sociais do mundo acredita que a Blockchain será o futuro desses serviços.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.
Bitcoin pegando fogo e bandeira da China

Maior pool de mineração de Bitcoin bane chineses

Nesta segunda, a maior pool de mineração de Bitcoin baniu os mineradores chineses, mostrando que a comunidade deverá acatar a determinação do governo chinês. Na...

“Bitcoin é perigoso e não pode ser reserva de valor”, diz analista do Deutsche...

Uma analista do Deutsche Bank, chamada Marion Labor, falou sobre os perigos do uso das criptomoedas, principalmente o Bitcoin, como uma moeda legal. As...
Cadeado destravado e Bitcoin em caso de baixa segurança dos dados corretoras

ABCripto alerta sobre transações da Gas Consultoria e “Faraó dos bitcoins”

Fruto da colaboração de várias empresas do mercado de criptomoedas brasileiras, a ABCripto emitiu um alerta para as transações feitas pela Gas Consultoria e...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias