PewDiePie, maior Youtuber do mundo está promovendo uma criptomoeda, não é Bitcoin

O jogo pode ser baixado tanto para Android quanto para iOS e PewDiePie até mesmo terá uma skin dentro do jogo, também vendida como um token não fungível.

Siga no

Felix Arvid Ulf Kjellberg, mais conhecido como PewDiePie, é o maior youtuber do mundo e segundo maior canal da plataforma, com 107 milhões de inscritos. O Youtuber está usando o seu alcance para divulgar um jogo que tem integração com blockchain e que disponibiliza Tokens Não Fungíveis para seus jogadores.

Em um vídeo que já acumula mais de 5 milhões de visualizações, PewDiePie promoveu o jogo Wallem, um game parecido com o famoso Pokémon Go, mas ao invés de simpáticos monstrinhos, você caça Tokens Não Fungíveis nativos da rede, chamados de Pteria (PTE) que podem ser trocados por outros itens, como relógios, celulares e até mesmo Bitcoin, Ethereum e outras criptomoedas.

Funcionando com um sistema de realidade aumentada e um Mapa 3D, o usuário pode andar pelas ruas e capturar os diferentes tokens que encontra. Esses tokens podem até ser transferidos para carteiras externas e possuem um mercado próprio em exchanges.

O jogo pode ser baixado tanto para Android quanto para iOS e PewDiePie até mesmo terá uma skin dentro do jogo, também vendida como um token não fungível. Wallem ainda está em fase relativamente inicial, ainda com muitas melhoras a serem realizadas e algumas reclamações dos jogadores para serem respondidas.

Ainda assim, é um bom ponto de partida para interessar muitas pessoas nos conceitos das criptomoedas.

PewDiePie promovendo jogo criptomoedas

“Pewds”, como é chamado pelos seus fãs, é uma das personalidades mais influentes entre os jovens, portanto, essa pode ser um ponto de exposição à blockchain para milhões de pessoas. Isso pode fazer bastante a diferença para a indústria, mesmo que tudo tenha sido apenas uma propaganda patrocinada.

O Wallem apresenta conceitos básicos sobre blockchain, NFT e criptomoedas que podem ser expandidos pelos seus jogadores que se interessarem pelo assunto.

E curiosamente, essa não é a primeira vez que youtuber sueco expõe seus fãs ao mundo descentralizado. Apesar de ter voltado para o YouTube, há alguns meses ele estava fazendo lives na plataforma DLive, um serviço de streaming descentralizado que aos poucos vem ganhando popularidade.

Aqui no Brasil a plataforma também está ficando popular, principalmente entre os criadores de conteúdo de pequeno e médio porte.

Aos poucos, a descentralização, mesmo que em seus conceitos mais básicos, está ganhando apoio em diferentes setores e em muitas outras plataformas. Não é à toa que o CEO de uma das maiores Redes Sociais do mundo acredita que a Blockchain será o futuro desses serviços.

Matheus Henrique
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.

Rússia pode reconhecer criptomoedas como propriedade

A Rússia tem uma história bem conturbada com relação as criptomoedas, desde projetos de lei que pretendiam criminalizar os ativos até a proposta de...

Justiça manda bitcoin.org revelar quantos bitcoins brasileiro tem

A justiça do Estado de São Paulo expediu um ofício ao Bitcoin.org, considerado o site oficial do Bitcoin no mundo todo. O caso aconteceu...
BlackFriday-Bitcoin

Bitcoin com 20% de desconto na Black Friday

O bitcoin estará à venda com desconto nesta Black Friday, quando se espera que bilhões sejam gastos em todos os tipos de produtos e...

Últimas notícias

Justiça manda bitcoin.org revelar quantos bitcoins brasileiro tem

A justiça do Estado de São Paulo expediu um ofício ao Bitcoin.org, considerado o site oficial do Bitcoin no mundo todo. O caso aconteceu...

Bitcoin com 20% de desconto na Black Friday

O bitcoin estará à venda com desconto nesta Black Friday, quando se espera que bilhões sejam gastos em todos os tipos de produtos e...

Por que o Bitcoin caiu $ 3.000 em poucas horas?

O Bitcoin não conseguiu superar seu preço histórico e caiu rapidamente de $ 19.500 para menos de $ 17.000. A moeda digital chegou enfrentar...