Polícia Civil investiga BWA que prometia rendimentos em criptomoedas

Inquérito vai apurar crimes!

Certamente os problemas com associação do Bitcoin com esquema de pirâmide tem dado trabalho para as autoridades brasileiras. O novo caso é que a Polícia Civil em Santos vai apurar um possível esquema com criptomoedas feito pela BWA.

Eram prometidos rendimentos com operações em criptoativos, que teria arrecadado cerca de R$ 400 milhões. Um inquérito será aberto nos próximos dias para apurar as denúncias de fraudes.

Até então, o caso era tratado apenas na esfera cível, com vários processos de clientes solicitando quebra de contrato. Contudo, cerca de 20 clientes registraram um boletim em uma delegacia, fazendo com que o caso vire de polícia. As informações são do jornal A Tribuna.

Polícia Civil em Santos irá abrir inquérito para investigar crimes que usavam a imagem das criptomoedas pela BWA

Registraram BO em uma delegacia da Polícia Civil de Santos cerca de 20 investidores da antiga BWA Tecnologia Digital, que teriam perdido R$ 20 milhões com promessas de rendimentos em criptomoedas. Este fato fez com que a PC-SP anunciasse a abertura de um inquérito, já nos próximos dias.

A apuração vai buscar identificar a associação desta empresa com um esquema de pirâmide financeira. Os supostos crimes são de estelionato e lavagem de dinheiro.

Para a reportagem do Jornal A Tribuna, o Delegado Luiz Ricardo afirmou que a investigação poderá revelar outros crimes. Caso sejam identificados outros crimes, também serão considerados na investigação.

Apenas um dos investidores que já fizeram a denúncia contra a BWA, possui preso R$ 4 milhões. O homem, identificado apenas como um empresário de Praia Grande, teria vendido dois imóveis e dois veículos para colocar na BWA. Atualmente, a pé e morando de aluguel após perder sua fortuna no possível golpe, teria registrado o BO chorando, de acordo com o delegado.

O delegado aponta que as 20 pessoas podem ser apenas 1% da quantidade de clientes afetados pela BWA. Contudo, com medo de constrangimento por terem caído em um golpe, ou até esperança de reaver o dinheiro, muitos ainda não procuraram a Polícia Civil para registrar queixas.

Entenda o caso da BWA, acusada de ser uma pirâmide financeira

Os problemas teriam começado no segundo semestre de 2019, quando a falta de pagamentos começou. Apesar de não constar na razão social da BWA, é apontado que Paulo Roberto Ramos Bilibio seja o líder. Este é esposo de Jéssica da Silva Farias, apontada como sócia-administradora do negócio. A empresa ainda possui mais dois sócios além destes no registro.

Os clientes da BWA estão com receio de não receberem seu dinheiro de volta, uma vez que o casal líder estaria fora do país. O casal apontado como fundador da BWA está nos Estados Unidos, de acordo com o jornal A Tribuna.

Atualmente, existem 149 processos contra a BWA indexados na plataforma Escavador. Deles, 144 são de SP, sendo 5 do estado do RJ, ou seja, um golpe possivelmente aplicado na famosa “Ponte Aérea Rio-São Paulo”. No Reclame Aqui a empresa conta com uma série de reclamações, a maior parte relacionada com os atrasos.

A assessoria de imprensa da BWA negou para a reportagem do jornal A Tribuna que um golpe tenha sido aplicado. “Lamentamos que uma mínima parte de clientes se baseou em rumores e notícias difamatórias, buscando precipitadamente uma solução por meios jurídicos“. A assessoria garantiu que a empresa poderá voltar ainda no primeiro semestre de 2020, sendo o período sem pagamentos “uma pausa nas operações“.

A reportagem do Livecoins entrou em contato com a Polícia Civil de Santos para buscar mais informações sobre o inquérito. Até o fim desta reportagem ainda não haviam respondido ao contato.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de criptomoedas do mercado ganhe até 100 USDT em cashback. Cadastre-se

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Leia mais sobre:
Vinicius Golveia
Vinicius Golveia
Formado em sistema da informação pela PUC-RJ e Pós-graduado em Jornalismo Digital. Conhece o Bitcoin desde 2014, atuando como desenvolvedor de blockchain em diversas empresas. Atualmente escreve para o Livecoins sobre assuntos de criptomoedas. Gosta de cultura POP / Geek. Se não estiver escrevendo notícias relevantes, provavelmente está assistindo alguma série.

Últimas notícias

Últimas notícias