Polícia do PR cumpre mandados contra suspeitos de aplicar golpe com bitcoins

Os golpistas usavam duas empresas de fachadas – Krypton Unite e Blockchange.

Siga no
Operação ocorre no Paraná e em São Paulo. Foto: Divulgação/Polícia Civil do Paraná

Desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (5), cerca de 50 policiais civis cumprem 62 mandados judiciais no Paraná e em São Paulo. Eles miram uma organização criminosa suspeita de aplicar golpes com bitcoins.

O prejuízo, segundo a Polícia Civil do Paraná, ultrapassa R$ 1,5 bilhão, entre o dinheiro investido pelas vítimas e a promessa de rendimentos diários de 3% a 4% feita pelos criminosos.

O grupo criminoso é investigado por estelionato, associação criminosa, lavagem de dinheiro e falsificação de documento particular.

Operação contra suspeitos de aplicar golpes com bitcoins ocorre em dois estados

Os mandados estão sendo cumpridos em Curitiba, Pinhais e Piraquara – municípios da região metropolitana da capital -, bem como em Pontal do Paraná, no litoral do estado, e até em São Paulo (SP).

As ordens judiciais estão divididas em 11 mandados de prisão temporária, 11 de busca e apreensão, 16 de bloqueio de contas bancárias e 24 de sequestro de veículos.

Como funcionava o golpe com bitcoins?

De acordo com a polícia, o golpe com bitcoins era operado por meio do envio de e-mails e mensagens instantâneas por aplicativo. As vítimas viraram alvos dos suspeitos após serem recomendados por terceiros, geralmente pessoas de confiança.

Uma das vítimas afirmou à polícia que um dos suspeitos, responsável por angariar investidores, prometia rendimentos de 3% a 4% ao dia. O golpe se efetivava quando os investidores transferiam o dinheiro para contas bancárias gerenciadas pelos suspeitos.

A investigação identificou 500 pessoas lesadas, mas a estimativa é que o número possa chegar a cinco mil.

Braziliex foi alvo de busca e apreensão

Os golpistas utilizavam a popular corretora de Bitcoin Braziliex. O Jornal Bom Dia São Paulo registrou o momento que a Polícia fez busca na empresa, veja:

Em nota a corretora disse que os agentes da Polícia estiveram na empresa buscando informações sobre fraudadores e pirâmides financeiras. A empresa disse que funciona normalmente e que reforça praticas e mecanismos anti lavagem de dinheiro.

“Agentes da Delegacia de Estelionato de Curitiba estiveram na sede da Braziliex no dia de hoje, 05/12/2019, buscando informações a respeito de fraudadores e pirâmides financeiras.

Firmando o nosso compromisso com a transparência, esclarecemos que recebemos prontamente os agentes e esta ação em NADA interferiu as operações da empresa. A Braziliex atua com forte política de Compliance e ações para coibir possíveis crimes, portanto, a documentação solicitada foi prontamente disponibilizada por nossa equipe de Compliance.

Reforçamos que a Braziliex mantém fortes práticas e mecanismos para o combate à lavagem de dinheiro através de criptoativos, seguimos nosso trabalho com procedimentos de KYC, utilizando como base jurídica o direito brasileiro, europeu e orientações de organismos internacionais engajados no combate à lavagem de dinheiro.

Todas as funções de compra, venda, saques e depósitos estão funcionando normalmente na Braziliex. Qualquer dúvida, entre em contato com nossa equipe pelo Chat Online, via ticket em nosso Suporte e redes sociais”.

Empresa informou que deixou de pagar investidores porque tomou “golpe”

O indício de que a operação era um golpe foi constatado, segundo a polícia, quando as vítimas receberam uma mensagem da empresa, informando que em um prazo de seis meses os investidores não poderiam fazer saque.

A justificativa dada pelo grupo para o atraso do pagamento foi uma suposta fraude de cerca de R$ 20 milhões na Argentina. Porém, ao final do período, os criminosos voltaram a prorrogar o prazo.

Outras empresas investigadas pela Polícia ou com pendências judiciais, como a Wolf Trade Club e até o Grupo Bitcoin Banco, também alegaram ter sofrido golpe.

Às 10h, o delegado Emmanoel David, responsável pelo caso, fará uma coletiva de imprensa em Curitiba para fornecer mais detalhes sobre a operação.

Empresa deixou de pagar e diz ser vítima de Golpe.

No Site da empresa, os responsáveis deixaram mensagens a investidores. Eles dizem que foram vítimas de golpe:

Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Etiopia-bitcoin

Etiópia descobre bitcoin e volume dispara

O bitcoin chegou à Etiópia, um país africano muito pobre e dividido que se orgulha de nunca ter sido colonizada. A Etiópia é o...
Niall Ferguson

“Bitcoin está vencendo a revolução monetária”, diz premiado historiador da Bloomberg

Niall Ferguson é um premiado jornalista, historiador financeiro, comentarista político e uma figura muito respeitada dentro do mercado financeiro, sendo até um conselheiro de...
Bitcoin-carta-amigos-e-familiares

Desenvolvedor do bitcoin escreve carta para amigos e família: “comprem bitcoin”

O bitcoin continua se mostrando um investimento por diferentes motivos, tanto para quem realiza trades quanto para quem vê a moeda como uma reserva...

Últimas notícias

“Bitcoin está vencendo a revolução monetária”, diz premiado historiador da Bloomberg

Niall Ferguson é um premiado jornalista, historiador financeiro, comentarista político e uma figura muito respeitada dentro do mercado financeiro, sendo até um conselheiro de...

Desenvolvedor do bitcoin escreve carta para amigos e família: “comprem bitcoin”

O bitcoin continua se mostrando um investimento por diferentes motivos, tanto para quem realiza trades quanto para quem vê a moeda como uma reserva...

Comunistas adotam o bitcoin

Use blockchain para “aproveitar os meios de produção monetária”. É assim que começa o livro escrito pelo filósofo Mark Alizart, Criptocomunismo. Ele argumenta que a...