PoW, PoW, PoW! Ataque 51% e a dependência do preço

Siga no

Muitos defendem o Proof-of-Work (PoW) por ele estar há mais de 10 anos sujeito a ataques, todavia tal consenso depende e muito do preço do ativo, principalmente no Bitcoin.

Ataque de 51%

O ataque de 51% acontece quando uma pool ou um usuário detém 50%+1 da mineração, trabalhando mais rápido que os outros mineradores e desta forma podendo decidir quais transações são confirmadas e quais não, e até mesmo reverter as transações ao mudar blocos antigos ao criar uma chain mais longa que a principal, permitindo o chamado gasto duplo.

É um ataque caro já que depende de equipamentos* e se você tem tantos equipamentos, não faz sentido matar a sua galinha dos ovos de ouro pois um ataque desvalorizaria a moeda, todavia as pessoas podem alugar poder computacional através de serviços como o NiceHash, tornando o ataque bem mais atraente.

Note que há uma diferença entre moedas mineradas por GPU e ASIC, um ataque em redes ASICs é muito menos atraente já que seu uso é somente este.

Hoje é estimado que a Bitmain tenha mais de 50% de controle da rede, todavia esse poder computacional está dividido entre várias pools. Em 2014, a pool Ghash.IO chegou a 50%, todavia tanto a pool quanto os usuários começaram a migrar para outras pools para evitar isso.

Embora o Bitcoin nunca tenha sofrido um ataque 51%, moedas menores (com menor hashrate) já provaram este gosto, começando pela 6º maior criptomoedas por valor de mercado de 2013, a Feathercoin(FTC), estima-se que 80 blocos se tornaram órfãos. A BitcoinGold(BTG) sofreu um ataque em 2018, a Verge (XVG) sofreu nada menos do que 3 ataques, fazendo o preço da moeda derreter.

Confirmações da rede

Você já deve ter transferido criptomoedas para uma exchange e teve que esperar por X confirmações, no caso do Bitcoin é comum que exchanges esperem 3-6 confirmações, no Ethereum esse valor sobe para 20-30, tal número depende do quão fácil é reverter um bloco, ou seja, é mais fácil reverter 5 blocos na rede Ethereum do que no Bitcoin.

A cada nova confirmação fica mais difícil e custoso para reverter a transação. No caso da FTC citado acima, a exchange Btc-e aumentou o requerimento de confirmações para 100, cerca de 4 horas.

Halvings e o preço

A cada halving, as recompensas por blocos são diminuídas em 50% a cada 4 anos, em maio de 2020 entraremos na era 4, cada bloco gerará 6,25 novos BTC. Vamos pensar mais para frente, era 8 (estimada para 2036), a recompensa será de 0,390625 BTC!

As recompensas da era 8 são 32 vezes menores do que as recompensas de hoje da era 3. Pode o hashrate do BTC crescer 32 vezes nestes 16 anos? Talvez. Um ponto importante é o preço do ativo, caso o Bitcoin continue a subir, não será difícil atingir tal hashrate, outro ponto é a tecnologia que tende a ser exponencial.

Mineradores, hash e o preço

Primeiro vamos analisar a tecnologia, a mineração do Bitcoin era feita por CPUs em seu início, logo veio a mineração por GPUs e então FGPAs e logo em seguida ASICs. Só neste quadro já vemos uma evolução e tanto, hoje em dia é perda de tempo e dinheiro minerar BTC sem uma ASIC.

As ASICs por si só também continuam evoluindo, gerando cada vez mais hashrate por menos energia gasta. Vamos analisar os produtos da gigante Bitmain, o AntMiner S1 gastava 80~200W para gerar 80~100 GH/s em 2013/2014, seu mais famoso miner, o S9, lançado em 2017 gasta ~1300W para gerar 13TH/s, hoje seu minerador mais recente, e ainda não lançado à venda, é o S17 Pro, que consome os mesmos ~1300W e gera 56TH/s. Note que apesar de não estar a venda, é bem possível que a Bitmain esteja minerando com eles, essa é uma das principais críticas a mineração com ASICs, a maior produtora é a maior mineradora e vende os equipamentos se/quando quiser, tornando a mineração muito centralizada.

Agora vamos fazer uma relação entre o preço do Bitcoin e o hashrate. Na imagem a seguir vemos o preço do BTC e o hashrate durante o mesmo período.

Hashrate vs Preço. Fonte: bitinfocharts

Note que o hashrate continuou crescendo após a queda do BTC, além da melhoria das ASICs mencionada anteriormente, precisamos lembrar que a fabricação de tantas ASICs é um processo demorado, sem falar no tempo de envio e instalação.

Agora o contrário, note como o hashrate cai abruptamente e instantaneamente quando o preço do BTC cai, como quando o BTC rompeu o suporte dos 6.400 dólares. O hashrate caiu de ~60 para ~30 TH/s! 50%, assim como o preço do BTC.

Lembre-se que novas gerações de miners deixam as antigas obsoletas, elas viram peso de papel, sucata! Agora junte isso a uma queda nos preços, provavelmente muitas empresa venderiam seus equipamentos a preço de banana, e esse é o problema, no caso acima, havia 30 TH/s a venda no mercado por um preço mais em conta.

Vale a pena lembrar do caso da 8BTC que estava vendendo ASICs por kilo ao invés de vender por unidade no ano passado, por cerca de 5% do valor total pago um ano antes.

Agora imagine se o Bitcoin tivesse caído para mil dólares naquela época, talvez o hashrate teria caído para 10 TH/s, um cenário muito mais alarmante. E quanto mais baixo o preço, maior o drama, 100 dólares seria um caos total.

Seria um ataque fácil? Depende do preço, quanto menor o preço do BTC, menos custoso e mais fácil ele se torna, tanto num plano megalomaníaco de comprar máquinas suficientes para assumir o controle da rede, quanto no aluguel de hashrate. Em comparação ao tamanho do Bitcoin, seria um ataque fácil, que levaria seu preço a cair ainda mais.

O algoritmo de consenso que está ganhando força é o PoS e suas várias variáveis (DPoS, PoSV, etc), neste caso um 51% attack requer que o atacante compre 50%+1 das moedas em circulação (ou ser 50%+1 dos validadores/geradores de blocos), isso faria com que o preço da moeda subisse a níveis cada vez mais altos, bem mais difícil e improvável do que no PoW. Além disso essas redes tendem a suportar mais transações por segundo, o que é um dos principais pontos fracos do PoW.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
sabotag3x
Top 100 poster @ bitcointalk, altcoin maximalist, interessado em mineração, trading, detalhes técnicos e econômicos. Do zero ao milhão em 6 meses com a Iconic Services. Nunca comprei 1 bitcoin, nem mesmo 1 satoshi, e não pretendo comprar.

Criptomoedas mais populares atualmente são de jogos

De acordo com medidores de popularidade de criptomoedas, uma nova tendência parece estar começando dentro do mercado de criptomoedas: a popularização dos ativos ligadas...

Sob pressão regulatória, maior corretora de Bitcoin do mundo decide limitar saques de novos...

A Binance, maior corretora de criptomoedas do mundo, sempre teve uma postura não muito rígida em relação as regras de KYC (identificação de clientes)...
Movimentos de baleias em gráfico do Bitcoin

Baleias compraram 170 mil bitcoins nas últimas cinco semanas

Um recente estudo publicado pela Santiment revelou que as baleias (grandes detentores) compraram 170 mil bitcoins nas últimas cinco semanas, avaliados em cerca de...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias