Preço do Ethereum dispara e Arbitrum pode ter ajudado

Nova solução ajuda rede Ethereum e preço da moeda disparou com entusiasmo.

Preço do Ethereum em alta
Preço do Ethereum em alta

O preço do Ethereum disparou cerca de 30% na semana e uma solução de segunda camada, chamada Arbitrum, pode ter ajudado a criar o novo sentimento de alta em meio a taxas caras da rede principal e da atualização ETH 2.0 ainda sem data definida.

Atualmente, a cotação do Ethereum (ETH) passou a marca de R$ 20.000 pela segunda vez na história, embora a primeira vez tenha durado menos de uma semana. Hoje, a segunda maior criptomoeda do mundo está com 18% de todo mercado, com uma capitalização de R$ 2,4 bilhões, quando chegou a superar os US$ 4 mil.

O ganho de mercado

Com a forte onda de DeFi e NFT, o Ethereum vem crescendo desde o início deste ano, momento que detinha tinha apenas 8% do mercado.

O movimento de alta mais forte do ETH ocorreu em 2017, quando ela tinha 31% de dominância de mercado, contra 37% do Bitcoin.

Seguindo a crescente adoção, algumas pessoas, como o CEO da Pantera Capital, acreditam que o Ethereum vai ultrapassar o Bitcoin.

Soluções de segunda camada Arbitrum anima e preço do Ethereum explode

Enquanto o ETH 2.0 não chega, outros projetos tentam solucionar os atuais problemas da rede principal do Ethereum.

Uma dessas implementações é o Arbitrum, uma solução de segunda camada com foco em escalabilidade, velocidade e privacidade lançada esta semana.

Até o criador do Ethereum, Vitalik Buterin falou o Arbitrum pode ser muito importante para esse projeto.

“…Acho que tem havido muito progresso e Arbitrum lançar ontem [1] é incrível…”.

 

Além de reduzir os custos de operação para seus usuários, os próprios usuários da rede principal também se beneficiam, uma vez que a solução descongestionar a rede principal do Ethereum.

EIP-1559 e a queima de Ethereum para controlar a inflação

O EIP (Ethereum Improvement Proposal) de número 1559 foi aprovado no dia 5 de agosto, quase um mês atrás, trazendo melhorias para a rede, como as estimativas de taxas mais corretas, blocos com o dobro da capacidade e o ponto mais discutido, a queima de parte das taxas.

Embora os blocos do Ethereum agora tenham o dobro da capacidade, apenas 50% de seu tamanho é usado, os outros 50% são reservados para momentos em que a rede não consiga incluir as transações que usaram o GAS sugerido, então a rede pode despejar (incluir) estes blocos utilizando essa parte extra do bloco.

Sobre questões de segurança, como ataques que forçariam vários blocos a trabalhar com 100%, Vitalik explica que o ataque estaria custando 225 vezes mais após 10 minutos.

O ponto mais discutido deste EIP

O alvo foi a queima de recompensas, que antes iriam para os mineradores.

De primeiro momento, eles não gostaram da ideia. Porém, o modelo causou boa impressão na comunidade em geral, fazendo com que o preço do ETH aumentasse.

Desta forma, os mineradores estão minerando uma quantia muito similar quando convertido para moeda fiduciária, sem que houvesse prejuízos.

As queimas

Desde sua aprovação, a rede queimou mais de 180.000 ETH, montante equivalente a 3,7 bilhões de reais na cotação atual. Apesar disso, o Ether está longe de ser uma moeda deflacionária, pois mais de 393.000 ETH (R$ 8 bi) foram criados no mesmo período.

Ainda assim, a ideia é um começo para desacelerar a criação da moeda.

Porém, vale a pena lembrar que são essas novas moedas que garantem a segurança da rede e, caso a recompensa fosse reduzida de 2 para 1 ETH por bloco, seria bem provável que a segurança da rede caísse numa proporção parecida.

Com isso, os riscos dessa situação seriam altos e até tornariam a rede menos descentralizada, podendo até mesmo beneficiar fazendas de mineração em determinados países que pagam barato pela energia.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Henrique Kalashnikov
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias