QuadrigaCX era um esquema ponzi, afirma novo relatório

Siga no

O caso da QuadrigaCX, um dos mais infames dentro de todo o criptomercado mundial, continua apresentando reviravoltas, com o órgão regulador de Ontário determinando que a corretora era na verdade um esquema ponzi.

A Quadriga foi a maior corretora do Canadá em seu auge, mas aos poucos perdeu espaço antes de uma tragédia pessoal se tornar um caso de polícia e uma das maiores histórias de conspiração do criptomercado.

Primeiro, a corretora anunciou a morte de seu fundador e CEO, Gerald Cotten. No entanto, logo depois, foi revelado que Cotten era o único com acesso às carteiras frias dos clientes com mais de US$ 200 milhões.

Desde que todo o caso foi revelado pela corretora, muitos clientes e outros participantes do ecossistema das criptomoedas passou a desconfiar de toda a história. Muitos acreditam que Cotten fingiu a sua morte, que aconteceu justamente enquanto ele visitava a índia.

Com todas as estranhas circunstâncias da morte de Cotten, alguns clientes até pediram pela exumação do corpo para ter certeza de que ele estava morto.

O caso foi investigado por diferentes instituições, incluindo a Ontario Securities Commission (OSC), órgão regulador similar a SEC dos EUA ou a CVM por aqui.

Um golpe clássico em uma embalagem moderna

Gerard Cotten, fundador da QuadrigaCX.

Segundo informações da CBC, o órgão regulador disse na última quinta-feira que o fundador da corretora, Cotten, abriu contas falsas para creditar a si mesmo saldos inexistentes de criptomoedas e dinheiro fiat.

Ele usou esse dinheiro que não existia para poder negociar com ativos reais dos clientes da plataforma.

O relatório aponta que Cotten eventualmente acabou tendo problemas de insolvência com a plataforma, não sendo capaz de entregar os valores que estavam sendo sacados. Para resolver isso, ele começou a operar a Quadriga como um esquema ponzi, pagando os clientes antigos com novos depósitos.

“O que aconteceu com a Quadriga foi um golpe antigo em uma embalagem tecnológica moderna”

A OSC também afirmou que a falta de registro com os reguladores permitiu que Cotten realizasse os golpes.

“A Quadriga não considerava que os seus negócios envolviam negociação de valores mobiliários e não era registrada com nenhum regulador. A falta de registrou facilitou que Cotten cometesse fraude em larga escala sem detecção. A falta de supervisão interna em Cotten também permitiu os golpes.”

A OSC gastou cerca de 10 meses analisando dados de negociações e da blockchain, entrevistando testemunhas chave e colaborando com órgãos regulatórios de outros países, além de usar informações bancárias para reconstituir a situação da Quadriga nos meses antes de sua falência.

Para onde foi todo o dinheiro roubado?

Segundo o relatório apresentado, US$ 115 milhões do dinheiro perdido foi roubado nesses esquemas fraudulentos de Cotten. Outros US$ 28 milhões foram usados para negociação em outras exchanges, sem a autorização dos clientes.

Além disso, os investigadores apontam que muito dinheiro também foi utilizado de forma indevida para manter o estilo e vida chamativo de Cotten.

Ao todo, quando a corretora anunciou a morte de seu fundador, ela devia US$ 215 milhões para seus clientes. A Ernst & Young, empresa responsável pela recuperação judicial da Quadriga, conseguiu recuperar apenas US$ 46 milhões.

Por fim, o órgão afirmou que poderia buscar ação judicial contra a corretora. No entanto, não seria produtivo, já que Cotten está morto e a Quadriga falida.

Com isso, o caso que fez vítimas até no Brasil, se torna muito mais estranho e a morte suspeita de Cotten fica ainda mais suspeita.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.
Deputado Estadual Gustavo Gouveia, em Pernambuco regular criptomoedas

Mais um estado brasileiro quer regular as criptomoedas com Projeto de Lei

Após um PL ser apresentado na Paraíba, mais um estado brasileiro quer regular as empresas de criptomoedas para prestar informações. Nos últimos dias, a Assembleia...
Jack Dorsey, CEO do Twitter e fã do Bitcoin

Empresa de CEO do Twitter quer minerar Bitcoin

A Square, empresa de Jack Dorsey listada na NYSE, quer minerar Bitcoin como estratégia de negócio. A informação foi compartilhada por Dorsey em seu Twitter,...
Pedro-Bial-Hashdex

Pedro Bial testemunha o poder transformador das criptomoedas em campanha da Hashdex

A Hashdex surgiu para democratizar os investimentos em criptomoedas, oferecendo produtos seguros e regulados para todos os investidores. Atuando como ponte entre o mercado...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias