‘Rei do Bitcoin’ era violento e tinha arsenal em casa, diz PF

Líder de um possível esquema de R$ 1,5 bilhão que chocou o Brasil.

Siga no
Claudio Oliveira.
Claudio Oliveira. "Rei do Bitcoin"

De acordo com um relatório do Ministério Público, o ‘Rei do Bitcoin’ era muito violento e intimidava vítimas de suas fraudes. O estudo preliminar do perfil de Cláudio José de Oliveira foi divulgado pela Rede Globo.

O caso do ‘Rei do Bitcoin’, como Cláudio era conhecido, chocou suas vítimas há dois anos, quando começaramos problemas com saques nas corretoras de criptomoedas do Grupo Bitcoin Banco, com sede em Curitiba (PR).

A PF estima que Cláudio Oliveira esteja no ramo de fraudes financeiras desde a década de 90. Em sua possível carreira criminosa, ele chegou a ter 5 CPFs cadastrados e mais de 20 e-mails.

Rei do Bitcoin era violento e intimidador, afirma Polícia Federal

Durante a condução do que pode ser um dos maiores golpes com criptomoedas no Brasil, Cláudio Oliveira acabou sendo preso pela polícia federal na última segunda-feira (5), durante a Operação Daemon.

Em nota, a PF declarou que o Grupo Bitcoin Banco pode ter causado um prejuízo de R$ 1,5 bilhão em mais de 7 mil pessoas em todo Brasil.

Assim, segundo um estudo que Polícia Federal fez sobre o chamado Rei do Bitcoin, ele tinha um comportamento violento e intimidador. Esse comportamento era visto quando Cláudio se via ameaçado, seja em encontros com suas vítimas ou advogados que o procuravam.

Sem nunca andar desarmado, a PF encontrou na última segunda um arsenal em sua residência. Sendo 1 pistola, uma espingarda, 7 revólveres e muita munição.

Além disso, em posse da quadrilha, foram encontrados carros de luxo, joias e outros objetos de valor.

Líder tinha 5 CPFs criados, mandado de prisão na Suíça e era de origem humilde

De acordo com a Globo, o Rei do Bitcoin ainda tinha 5 CPFs criados, possivelmente de forma fraudulenta. Para obter as inscrições no Cadastro de Pessoa Física da Receita Federal ele utilizou a estrutura dos estados do Maranhão, Goiás, Pará, Tocantins e Mato Grosso, informou o relatório.

Na Suíça, Cláudio Oliveira é procurado por quatro crimes, sendo estelionato, abuso de confiança, má gestão e falsificação de documentos. Sempre migrando de países após aplicar seus golpes, o alegado do ‘Rei do Bitcoin’ no Brasil teria começado sua carreira ainda na década de 90, aponta o estudo da PF.

Vale o destaque que, de Rei mesmo Cláudio não tinha nada, com os investigadores apontando que ele era de origem humilde. Ao se apresentar para investidores de Bitcoin com o Grupo Bitcoin Banco, ele teria afirmado até que tinha Doutorado em Gestão Financeira.

Para se comunicar em outros idiomas, por exemplo, sua esposa, que também foi presa, era quem o ajudava. A PF concluiu que ele tinha uma boa capacidade de argumentar e convencer vítimas para seus esquemas.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Kid Bengala promete dar “madeirada” em quem vender criptomoeda

Após a sua grande carreira na indústria de filmes adultos, Clóvis Basílio dos Santos, mais conhecido como Kid Bengala, se tornou uma celebridade na internet...

Um dos maiores bancos dos EUA pode estar explorando empréstimos com Bitcoin

Com os bancos e outras instituições demonstrando cada vez mais interesse no criptomercado, podemos ver cada vez mais produtos ligados ao setor tradicional e...
Homem olhando bravo para notas amassadas de Real brasileiro enquanto segura o Bitcoin

Pesquisa revela que brasileiros acreditam no Real digital apenas no curto prazo

Muitos brasileiros acreditam no Real digital como uma tecnologia promissora de curto prazo, não para daqui a cinco anos. Pelo menos isso é o...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias