Gêmeos do Facebook pedem R$ 7 bilhões para não processar gigante das criptomoedas

A oferta também cita outras empresas falidas que também tinham ligação com a Genesis, como FTX, e Three Arrows Capital (3AC).

A disputa entre os gêmeos do Facebook, Cameron e Tyler Winklevoss, e o fundador do Digital Currency Group (DCG), Barry Silbert, continua. Em carta aberta publicada nesta terça-feira (4), Cameron fez uma “oferta final” a Silbert.

Em suma, os gêmeos pedem que Silbert pague US$ 1,465 bilhão (R$ 7 bilhões) aos usuários da Gemini Earn, programa de ganhos da corretora fundada pelos Winklevoss abalado pela falência da Genesis, uma das várias empresas do DCG.

Caso contrário,  eles ameaçam entrar com processo legal contra Silbert.

“Barry — hoje marca 229 dias desde que o Genesis interrompeu os saques [de criptomoedas] e 174 desde a última vez que escrevi uma carta aberta para você”, aponta a carta escrita por Cameron. “Como lembrete, escrevo para você em nome de 232.000 usuários da [Gemini] Earn que possuem mais de US$ 1,2 bilhão em ativos presos na Genesis, empresa controlada pelo Digital Cunrrecy Group (DCG), empresa controlada por você.”

Além da Genesis, o DCG também controla o maior fundo de Bitcoin do mundo, o Grayscale Bitcoin Trust (GBTC), sendo o maior destaque no império de SIlbert. No início do ano, os gêmeos acusaram tal fundo de ser um golpe.

Oferta final, diz Winklevoss, ameaçando processar Barry Silbert

Parecendo cansado dos “jogos” de Barry Silbert, Cameron Winklevoss escreve que os clientes da Gemini Earn já gastaram mais de US$ 100 milhões (R$ 481 milhões) em advogados e outros custos para tentar reaver suas criptomoedas.

“Para acabar com isso, segue em anexo a melhor e última oferta.”

A oferta está dividida em três partes. O primeiro, de US$ 275 milhões (R$ 1,32 bilhão), precisaria ser pago até o próximo dia 21 de julho.

Já os outros dois, embora tenham prazos mais longos, de 2 e 5 anos, possuem um detalhe que pode mudar tudo. Os gêmeos do Facebook estão pedindo 40% do valor em dólares americanos, 40% em Bitcoin e 20% em Ethereum.

Oferta final dos gêmeos do Facebook para Barry Silbert, fundador do Digital Currency Group (DCG). Reprodução.
Oferta final dos gêmeos do Facebook para Barry Silbert, fundador do Digital Currency Group (DCG). Reprodução.

Ou seja, conforme o Bitcoin possui um amplo histórico de valorização no longo prazo, é possível que seu valor esteja bem maior daqui a 5 anos. Portanto, isso poderia aumentar o valor da dívida.

Na nota, os gêmeos colocaram um limite nos preços do Bitcoin e Ethereum, de US$ 100.000 e US$ 10.000, respectivamente. Mesmo assim, seria uma valorização de 3 a 5 vezes caso esse teto seja atingido.

A oferta também cita outras empresas falidas que também tinham ligação com a Genesis, como FTX, e Three Arrows Capital (3AC).

Fundador do Digital Currency Group (DCG) tem poucos dias para aceitar a oferta

Caso Barry Silbert, fundador do Digital Currency Group (DCG) não aceite a oferta, os gêmeos do Facebook estão ameaçando processá-lo. O tempo para a decisão também é curto, atualmente três dias.

“Entrar com uma ação contra o DCG e você pessoalmente”, comentou Cameron sobre os próximos passos. “Esta ação será movida em 7 de julho e, entre outras coisas, delineará sua responsabilidade pessoal em ocultar a insolvência da Genesis e fornecerá um plano para os 232.000 usuários da [Gemini] Earn iniciarem ações semelhantes contra você e o DCG.”

Finalizando, Cameron afirma ter visto um “comportamento ruim” de Silbert e seus colegas nos últimos meses, mas o que mais lhe perturbou foi o fato dele ter dito que era uma vítima de tudo isso.

“Nem mesmo Sam Bankman-Fried foi capaz de tamanha ilusão”, comentou Cameron, comparando Silbert a um dos maiores golpistas da indústria.

💰 $100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias