Quem usar o Zoom grátis não terá recurso de privacidade

Empresa teve lucro inesperado e virou destaque em bolsas de valores.

Siga no
Privacidade
Privacidade

Com a digitalização da economia, com empresas levando seus negócios para o virtual, é comum ver reuniões online. Uma das principais ferramentas em uso, o Zoom, afirmou que sua versão grátis não poderá mais contar com recursos de privacidade nas chamadas.

A privacidade na rede é um tema sensível e importante, e a temática criptografia tem chegado ao público em geral. Isso porque, com a popularização das criptomoedas, Leis Gerais de Proteção de Dados, entre outros, as pessoas se conscientizam da necessidade de usar a criptografia para se proteger na internet.

O software Zoom tem sido um dos destaques de 2020, com ações na bolsa registrando grande valorização. Além disso, o número de usuários do serviço teve um crescimento exponencial durante a pandemia do novo coronavírus.

Aplicativo Zoom afirma ser grátis, mas problema com privacidade não deixa ser tão fácil assim
Aplicativo Zoom afirma ser grátis, mas problema com privacidade é grave – Reprodução

Teletrabalho, ferramenta Zoom na versão grátis perderá recurso essencial de privacidade

O significado de privacidade é claro, porque significa que uma informação pessoal tem o direito de ser compartilhada apenas com quem é necessário. Contudo, vivemos em uma era em que a privacidade é um tema sensível, e que passa por um grande dilema em meio ao crescimento da internet.

Para o autor do bestsellerSapiens – Uma Breve História da Humanidade”, Yuval Noah Harari, o mundo pós-coronavírus será de vigilância excessiva. Isso porque, os governos constroem ferramentas de vigilância em massa cada vez mais, e usam empresas que coletam dados em seu benefício.

Câmera e Privacidade
Privacidade

Em meio ao dilema com relação à privacidade, a Zoom é uma empresa que tem “escutado” bastante conversa nos últimos meses. Com reuniões feitas pelo aplicativo da empresa, empresas e pessoas podem não estar cientes dos termos da companhia, que envolvem problemas com privacidade.

Mesmo com os problemas públicos e de conhecimento geral, o CEO Eric Yuan fez uma polêmica entrevista nesta última terça (2). Nela, o CEO da Zoom falou que os usuários da empresa que utilizam o aplicativo na versão grátis não terão mais o recurso de privacidade.

O anúncio, de acordo com a Bloomberg, afirmou que a Zoom tem trabalhado próxima ao FBI. Ou seja, os dados de usuários gratuitos podem estar sendo compartilhados com a agência de segurança dos EUA. Eric afirmou que essa medida é para “proteger usuários de mau uso do serviço”, mas o tema é polêmico.

Ações em alta e base de usuários em crescimento, mesmo sem privacidade

Correndo o risco de ter conversas ouvidas pelo FBI, os usuários grátis do Zoom deverão considerar alternativas. Mesmo assim, a base de clientes que pagam pelo Zoom, e aí contam com o recurso de privacidade, cresceu consideravelmente.

As ações da Zoom (ZM:US) triplicaram de valor na Nasdaq, com crescimento de 200% apenas em 2020. As ações da Zoom tiveram enorme crescimento em meio a pandemia do COVID-19, saindo de U$ 67 para o atual recorde de U$ 208 cada.

Em outro ponto, a base de usuários teve um gigante crescimento, com escolas e empresas se reunindo no aplicativo, sendo muitos clientes pagantes. Os planos mais básicos da Zoom hoje, são de U$ 15 (R$ 77), que dariam suporte para reuniões de até 100 pessoas.

Reunião de empresa utilizando o Zoom
Reunião de empresa utilizando o Zoom – Reprodução/Zoom

Com relação às práticas de segurança, a Zoom afirma que está combatendo os trolls que andaram entrando em reuniões. Há relatos, segundo a Bloomberg, que usuários compartilhavam pornografia em reuniões de empresas, e até religiosas, além de gritar palavrões.

A farra dos trolls está sendo controlada, de acordo com o CEO da Zoom e a empresa espera lucrar bastante em 2020. A pergunta que os usuários do Zoom grátis deverão fazer é “Quanto vale a sua privacidade?“, mesmo com o gigante crescimento da empresa no ano.

Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Presidente do Banco da Inglaterra sugere que criptomoedas estão com os dias contados

Durante um painel virtual de debate sobre moedas digitais em Davos, o presidente do Banco da Inglaterra, Andrew Bailey, disse que uma moeda digital "duradoura"...

Nietzsche aprovaria o Bitcoin?

"As empresas que vão a falência afetam os contribuintes com seus prejuízos”, mas “quando ganham dinheiro, ficam só pra eles”. É a chamada era...

Bolha do mercado de ações nos EUA está prestes a estourar, alerta o Bank...

Um dos maiores bancos dos Estados Unidos publicou um relatório alertando que a “forte alta” no mercado de ações em menos de 1 ano...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Nietzsche aprovaria o Bitcoin?

"As empresas que vão a falência afetam os contribuintes com seus prejuízos”, mas “quando ganham dinheiro, ficam só pra eles”. É a chamada era...

Bolha do mercado de ações nos EUA está prestes a estourar, alerta o Bank of America

Um dos maiores bancos dos Estados Unidos publicou um relatório alertando que a “forte alta” no mercado de ações em menos de 1 ano...

“Bitcoin será destruído com a regulamentação governamental”, diz professor de Harvard

A previsão para o preço futuro do Bitcoin é algo muito comum no criptomercado, alguns acreditam que, até o fim deste ano, teremos o...

“Bitcoin é uma bolha, mas o sistema financeiro mundial é uma bolha maior”, diz ex-analista da Bridgewater

Não é de hoje que os críticos do Bitcoin apontam a criptomoeda como uma bolha financeira. Em dezembro de 2017 talvez tenha sido o...

Empresa listada na Nasdaq compra R$ 820 milhões em Bitcoin

A Marathon Patent Group, empresa de capital aberto listada na Nasdaq, comprou 4.812 bitcoins por um total de US $ 150 milhões, aproximadamente R$...