Augusto Aras cria grupo para investigar regulação das criptomoedas

Em dia de possível votação da regulação das criptomoedas na Câmara dos Deputados, Procurador-geral da República autoriza criação de grupo para investigar o tema.

O Procurador-geral da República, Augusto Aras, autorizou a criação de um grupo para investigar a regulação das operações com criptomoedas no Brasil. Os membros escolhidos devem permanecer por um ano a frente dos estudos.

Em edição do Diário Oficial da União, na terça-feira (29), Aras publicou a Portaria CNMP-PRESI n.° 353, de 28 de novembro de 2022.

Além de ocupar o cargo de Procurador-geral da República, Aras ocupa a posição de presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Assim, ele tem autorização para criar grupos que sejam de interesse do MP.

Augusto Aras autoriza grupo para investir a regulação de criptomoedas no Brasil

A publicação divulgada no DOU, assinada por Augusto Aras, define os membros para o grupo que deverá investigar a regulação das operações envolvendo criptomoedas.

Os membros do grupo devem atuar junto à Comissão de Defesa da Probidade Administrativa (CPDA). Além disso, devem exercer as novas funções sem o prejuízo de seus cargos de origem.

“Art. 1° Designar, pelo período de 1 (um) ano, os membros do Ministério Público a seguir relacionados, para atuarem como colaboradores do Conselho Nacional do Ministério Público e integrarem o Grupo de Trabalho – GT para regulamentação de operações envolvendo criptomoedas, junto à Comissão de Defesa da Probidade Administrativa – CDPA, sem prejuízo das funções no órgão de origem.”

Chama atenção que, a regulação das criptomoedas é alvo de discussões no Congresso Nacional hoje. No Plenário da Câmara dos Deputados, por exemplo, o PL 4.401/2021 está na pauta desta terça-feira (29), podendo ser aprovado durante o expediente.

Além disso, um grupo de senadores e deputados discutem na próxima quarta o assunto em Brasília, mostrando que as criptomoedas ocupa parte da agenda das autoridades no Brasil.

Dez promotores e procuradores de sete estados compõem o grupo

Ao todo, Augusto Aras definiu dez membros para ocuparem o Grupo de Trabalho que discutirá a regulação das criptomoedas no Brasil. Eles ocupam atualmente cargos de promotores e procuradores em sete estados da federação.

Representando o estado de São Paulo, o promotor Richard Gantus Encinas é o escolhido para coordenar o grupo. Ainda de SP, os promotores Amauri Silveira Filho e Lister Caldas Braga Filho figuram entre os escolhidos.

O Mato Grosso do Sul conta com a representação de Ana Lara Camargo de Castro. Procuradora de Justiça, ela chega com a missão de ser a Coordenadora-adjunta do grupo.

Com problemas envolvendo pirâmides de criptomoedas no último ano, o Rio de Janeiro conta com dois representantes. São eles os promotores de justiça Diogo Erthal Alves da Costa e Fabiano Gonçalves Cossermelli.

Também com dois representantes, o estado de Minas Gerais tem o promotor Eduardo de Paula Machado e a promotora de justiça Paula Ayres Lima presentes no grupo.

Por fim, Thiago Augusto Bueno, Procurador da República Estado do Amazonas e, Frederico Meinberg Ceroy, Promotor de Justiça do Distrito Federal e Territórios completam o grupo, com dez representantes de sete estados.

Após a primeira reunião oficial do grupo, ele será considerado instalado, segundo publicação. No futuro há possibilidade que mais membros entrem no GT, indicados pelo Procurador-geral da República no futuro.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de criptomoedas do mercado ganhe até 100 USDT em cashback. Cadastre-se

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias

Últimas notícias