Autoridades investigam banco por transações suspeitas com criptomoedas

De acordo com as alegações da investigação, os indivíduos presos parecem ter tentado tirar proveito da diferença nos preços das criptomoedas nas exchanges sul-coreanas em comparação com as exchanges no exterior para maximizar os lucros com arbitragem.

Entre os muitos países que vêm atuando em uma regulamentação mais “apertada” sobre as criptomoedas está a Coreia do Sul. O país atua em diferentes casos de possíveis atividades ilegais envolvendo ativos digitais. A mais recente atuação das autoridades do país envolveu até mesmo a investigação em um banco de Seul.

De acordo com informações locais da YonHap, as autoridades sul-coreanas invadiram uma unidade do Woori Bank, devido a uma conexão do banco com uma recente investigação que levou à prisão de três pessoas nas últimas semanas.

Os suspeitos foram presos anteriormente em uma investigação relacionada a operações financeiras ilegais que envolviam criptomoedas. Após as prisões, as investigações continuaram seguindo o caminho do dinheiro que acabou levando até o banco.

“Os promotores estabeleceram que os acusados ​​administravam várias empresas fantasmas e realizavam negociações de ativos digitais sem reportá-las devidamente e apresentaram evidências falsas ao banco para remeter 400 bilhões de won em moeda estrangeira para o exterior”.

Acusado tinha associação com o Banco

O indivíduo investigado “estava trabalhando como gerente da filial do Woori Bank na época” e ao mesmo tempo “estava envolvido em remessas ilegais de moeda estrangeira”, utilizando a sua posição privilegiada para conseguir facilitar as transações fraudulentas.

De acordo com as alegações da investigação, os indivíduos presos parecem ter tentado tirar proveito da diferença nos preços das criptomoedas nas exchanges sul-coreanas em comparação com as exchanges no exterior para maximizar os lucros com arbitragem.

Como no Brasil, esse tipo de transação precisa ser reportada para as autoridades fiscais do país. Mas os acusados realizaram uma operação complexa utilizando empresas de fachada para conseguir driblar essa etapa e evitar a atenção das autoridades para suas atividades. Obviamente a tentativa não deu muito certo.

Coreia do Sul

Ainda de acordo com o YonHap, cerca de 259,8 bilhões de won em criptomoedas foram apreendidos no período de dois anos por falta de pagamento de impostos e atrasos de impostos locais, segundo dados sobre apreensões apresentados pelo “Ministério da Estratégia e Finanças, Ministério da Administração Pública e Segurança, Serviço Nacional de Impostos e 17 cidades e províncias”.

Tudo isso acontece em meio ao recente caso da LUNA que está envolvendo até mesmo a interpol. Em meio a tentativa de controlar os efeitos do desastre causado pela TerraUSD, as autoridades invadiram corretoras durante uma investigação.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Matheus Henrique
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.

Últimas notícias

Bitcoin 2024

Últimas notícias