Bitcoin, o novo Índice de Liberdade Econômica

Ditaduras econômicas definitivas parecem ser muito raras, com muitas nuances de restrição, já que a liberdade geralmente parece dominar o mundo, pelo menos economicamente.

Siga no
Bitcoin Liberdade
Bitcoin Liberdade

Bitcoin pode ser a medida de liberdade mais neutra do mundo que nenhum país pode acusar de ter preconceito ocidental, ao contrário de alguns outros índices de liberdade. Isso de acordo com um estudo publicado pela Financial Times que mostra à percepção das liberdades em um país e seu tratamento com o Bitcoin e demais criptomoedas.

Países onde o Bitcoin foi banido.
Países onde o Bitcoin foi banido.

Começando pelos dois maiores, o Canadá não impôs uma proibição oficial sobre o Bitcoin, tanto quanto sabemos, já que não há nenhuma circular do banco central do país impedindo os bancos comerciais de lidarem com transações fiduciárias relacionadas à criptomoedas.

Em vez disso, como mostra a imagem acima, bancos comerciais privados no Canadá, como o Montreal e o Royal Bank, decidiram em 2018 por sua própria conta evitar transações com cartão de crédito e débito relacionadas à criptomoedas.

É decepcionante o fato de que nenhum canadense tenha levado esses bancos aos tribunais por interferência nos direitos de propriedade em violação da Convenção dos Direitos Humanos.

Mas o próprio governo do Canadá autorizou ETFs de Bitcoin e Ethereum na Bolsa de Valores de Toronto.

Rússia

A Rússia quase seguiu o caminho da China em outubro de 2017 (banir corretoras de Bitcoin), mas Vladimir Putin, ainda presidente da Rússia, havia conhecido recentemente o co-fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, e ficou um pouco obcecado com toda essa coisa de blockchain. Então, Putin ordenou ao banco central da Rússia que renunciasse a seus planos de banir as criptomoedas.

Em nossa opinião, teríamos duas classificações para a Rússia. Politicamente, eles estão claramente em desacordo com o recente protesto totalmente pacifico feito principalmente pela classe média e média alta da Rússia, indicando um ambiente de opressão política.

Economicamente, porém, pode ser o caso de a Rússia ser em sua maioria livre, sem relatos de interferência em direitos de propriedade estrangeira ou mesmo domésticos, como transferências de tecnologia forçadas ou proibição surpresa de produtos.

Torná-los sui jeneris em uma combinação estranha que talvez possa ser descrita como liberalismo econômico czarista.

O que mais se destaca é como poucos países baniram totalmente o Bitcoin. A Argélia é ou foi uma ditadura no que parece ser o amanhecer da liberdade com protestos lá derrubando o presidente anterior que queria concorrer ao quinto mandato pelo que está sendo chamado de movimento Hirak.

Eles tiveram uma eleição no sábado, mas o comparecimento foi de apenas 30%, o menor em 20 anos quando o movimento Hirak a boicotou depois que sete de seus líderes foram presos na quinta-feira.

Egito

O povo da Argélia geralmente parece ser bastante amigável com a Europa, sendo este um país em desenvolvimento, mas rico, devido ao petróleo, que tem alguns edifícios bonitos, mas também bairros de areia.

Embora o quadro geral deles possa ser meio árabe, na verdade eles são meio europeus, com o liberalismo político e econômico tendo potencial para prosperar, mas o que realmente acontece é claro que os eventos dirão.

O Egito é uma tragédia onde as liberdades estão preocupadas com o fracasso da Europa em exercer sua influência em sua própria vizinhança, dando rédea solta ao então inexperiente Obama.

Politicamente, são uma ditadura, uma espécie de ditadura militar, com o general Abdel Fattah Saeed Hussein Khalil el-Sisi assumindo o comando em uma ‘eleição’ de 2014 onde ‘venceu’ com 97% dos votos e ainda governa.

Ele assumiu o comando depois que os egípcios votaram ‘errado’ em trazer Mohamed Morsi, afiliado à Irmandade Muçulmana, ao poder por um breve período entre 2012 e 2013, encerrando assim a curta democracia que esta antiga terra experimentou.

Economicamente, o Egito também é presumivelmente não livre, uma vez que baniu o único dinheiro existente em conformidade com a sharia por motivos que provavelmente ninguém consegue entender, exceto talvez que o ditador de 67 anos não tem ideia sobre esse negócio de criptomoedas e é provavelmente muito paranoico para permitir que seu pessoal tenha um pouco de liberdade.

Bolívia

A Bolívia meio que não é livre, pois há alegações de que as eleições de 2019 foram fraudadas com protestos que levaram à destituição de Evo Morales, e agora, após as eleições, o novo presidente, Luis Arce, afirma que eles restauraram a democracia.

A situação aqui é um pouco interessante porque foi o banco central que o ‘baniu’ o Bitcoin ao afirmar em 2014:

“É ilegal usar qualquer tipo de moeda que não seja emitida e controlada por um governo ou entidade autorizada.”

A situação em Bangladesh parece um pouco nebulosa. O banco central emitiu um alerta em 2014 e 2017, alertando que os criptomoedas são ilegais de acordo com as leis de combate à lavagem de dinheiro, mas pode ser que isso esteja sendo relatado erroneamente como uma proibição total e Bangladesh provavelmente seguirá a Índia em qualquer evento, que aparentemente planeja classificar o Bitcoin como uma classe de ativo.

Nepal

Da mesma forma, no Nepal, a suposta proibição parece ser por motivos frágeis, com o Rastra Bank emitindo um aviso em 2017 banindo o Bitcoin com base no Foreign Exchange Regulation Act 2019 BS e Nepal Rastra Bank Act 2058 BS.

Isso está sendo contestado em tribunal, considerando que o próprio Nepal é aparentemente uma democracia, mas talvez se incline mais para uma democracia restritiva.

O banco central da Nigéria recentemente impôs uma proibição contra criptomoedas, mas isso é questionado, pois não está claro se a China os está influenciando neste assunto, já que basicamente copiaram sua abordagem em relação às criptos e a China aparentemente empresta muito à Nigéria.

China

A China, é claro, impôs um banimento em 2017. Os EUA estão agora em uma guerra comercial com eles conforme a abordagem fascista da China em relação à economia se tornou bastante clara.

A China não é exatamente comunismo e não é exatamente capitalismo, sendo geralmente descrito como capitalismo de estado, mas esse é um nome impróprio.

O termo adequado é fascismo, por mais que pareça carregado, porque tem o mesmo modelo econômico da Itália fascista e da Alemanha nazista nos líderes das corporações que fazem parte do conselho do Partido Comunista.

Os recentes acontecimentos de Jack Ma também revelam tanto quanto não há direitos de propriedade na China, tudo pertence ao Estado, mas a iniciativa privada é permitida, no entanto, tem que promover os objetivos do Estado.

Como o Bitcoin está fora do controle do estado, naturalmente tal governo fascista não pode permitir sua operação livre, com ele facilitando os mineradores de criptomoedas que serve ao objetivo do estado de aumentar as exportações, enquanto oprime o consumo doméstico do Bitcoin porque interfere em seus esforços para atrelar artificialmente o CNY a uma taxa muito subvalorizada em relação ao dólar.

Pedimos um boicote à China naquela época, mas não está claro se essa ação passiva pode alcançar muito. Uma abordagem mais sutil talvez seja melhor que efetivamente enfraqueça sua proibição, seja por corretoras de criptomoedas facilitando transações de dentro da China ou por entusiastas que vão lá para falar sobre criptos e fortalecem as conexões para que a adoção cresça independentemente.

O espaço de criptomoedas ainda é bastante grande na China, apesar dessa proibição, com a fiscalização sendo esporádica na melhor das hipóteses, já que provavelmente há uma divisão política dentro dos escalões superiores mais claramente visível por seu banimento e cancelamento constantes.

A vasta censura, a falta de representação política ou debate organizado, a falta de direitos de propriedade já que o estado parece estar reivindicando o privilégio de interferir em qualquer empresa e a remoção de limites de mandato, entre outras coisas, torna a China em sua maioria não-livre, ambos política e economicamente no que diz respeito aos direitos de propriedade.

Isso pode mudar à medida que o fascismo tende a ter um forte crescimento inicial, especialmente para o que foi um país subdesenvolvido, mas esse crescimento não tende a durar já que as vantagens organizacionais rapidamente dão lugar a má gestão e ações caprichosas que distorcem o mercado e destroem o crescimento.

A Arábia Saudita é curiosa. Esta é uma monarquia absolutista, então politicamente ela obviamente não é gratuita, mas economicamente ela é meio que gratuita, com notícias saindo de lá principalmente positivas no que diz respeito as criptomoedas.

A sugestão de que há uma proibição bancária baseia-se principalmente em um comunicado emitido pelo banco central em 2018.

É difícil, entretanto, ver como isso pode ser interpretado como uma proibição, com o Financial Times muito inclinado contra criptomoedas, então eles provavelmente estão se apoiando em terreno frágil.

No altamente alinhado Emirado Árabe, a gigante imobiliária de Dubai Emaar começou a aceitar Bitcoin em 2019 e até planejou lançar um token na rede Ethereum.

Além disso, a Arábia Saudita tem seu dinheiro atrelado ao dólar, então eles não têm sua própria política monetária, tornando o Bitcoin um hedge razoável.

De modo geral, portanto, seguindo esse quadro, grande parte do mundo é livre, pelo menos economicamente, exceto mais notavelmente a China, que tem um modelo de governança muito opressor no que diz respeito à economia.

Ditaduras econômicas definitivas parecem ser muito raras, com muitas nuances de restrição, já que a liberdade geralmente parece dominar o mundo, pelo menos economicamente.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
TrustNodeshttps://trustnodes.com
News on all things Blockchain, Ethereum, IoT, Fintech and Bitcoin.
Bitcoin e bandeira da China

China quer criar imposto sobre Bitcoin e coloca em dúvida banimento

O governo da China planeja criar um imposto para corretoras de Bitcoin que operam no país, colocando em dúvida o banimento de transações de...
Bitcoin em alta. Imagem: ShutterStock

Bitcoin rompe alta histórica e é negociado acima dos 65 mil dólares

Com um mercado otimista em relação a questões regulatórias, o preço do Bitcoin rompeu a sua máxima histórica de 64.895 dólares registrada em abril...

Criptomoeda “promissora e fora do radar” desaparece com R$3 milhões dos investidores

Golpes envolvendo arrecadação de dinheiro e então um abandono do projeto são bem comuns, mas a CryptoEats foi além. A falsa empresa usou influenciadores...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias