Câmara Brasileira do Livro vai usar blockchain em serviços

Instituição fundada em 1946 abre as portas para inovações no setor editorial!

Siga no
Tecnologia Blockchain será usada por Câmara Brasileira do Livro
Tecnologia Blockchain será usada por Câmara Brasileira do Livro - Reprodução

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) está modernizando suas atividades e vai usar a tecnologia blockchain em seus serviços. A instituição foi fundada em 1946, na cidade de São Paulo, e trabalha no setor editorial.

Nesta quarta (10), a CBL preparou um lançamento importante para o setor no Brasil. Ao modernizar os serviços oferecidos, o uso da tecnologia blockchain certamente será o destaque dos lançamentos.

Em live que irá acontecer às 17 horas, a CBL vai apresentar os novos casos de uso da tecnologia no Brasil. Com 70 anos desde sua fundação, a associação tem mais que 400 associados, entre editores, distribuidores, livreiros e porta-a-porta.

Associação tradicional, Câmara Brasileira do Livro vai modernizar serviços com uso da tecnologia blockchain

Nos últimos anos a tecnologia blockchain passa por um momento interessante em seu desenvolvimento. Ao surgir como uma camada para validar transações do Bitcoin (BTC), a blockchain ampliou suas funcionalidades e já é uma realidade para várias empresas.

No Brasil, por exemplo, a tecnologia blockchain será um dos pilares de desenvolvimento para o futuro no chamado Governo Digital. Além disso, é considerada, ao lado de Inteligência Artificial, IoT, entre outras, uma das principais tecnologias, com uso essencial para garantir a segurança e confiabilidade de dados.

Na linha do desenvolvimento, mais uma associação tradicional brasileira anunciou a entrada na blockchain. A Câmara Brasileira do Livro, fundada em 1946, anunciou que utilizará em seus novos serviços a tecnologia blockchain, que será lançada oficialmente em uma live nesta quarta (10) pelo Facebook.

O evento irá discutir as aplicações da tecnologia blockchain no mercado editorial e promete apresentar os conceitos para os participantes. A novidade inaugura ainda os dois novos serviços da instituição, que serão oferecidos com uso da blockchain.

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) lança de outras duas funcionalidades em sua plataforma de serviços: registro de Direitos Autorais e registro de Contratos. E com mais uma novidade: o uso da tecnologia blockchain.

Novidade teve colaboração de especialista em LGPD e Cybersecurity

O evento dessa quarta será apresentado pela diretora executiva da CBL, Fernanda Garcia. Além disso, contará com a presença de Paulo Perrotti, advogado da LGPDSolution, professor de Cybersecurity e presidente da Câmara de Comércio Brasil-Canadá. O debate será mediado por Bruno Mendes, fundador da consultoria e agência digital Coisa de Livreiro.

Durante a live “Blockchain – um futuro próximo para o Mercado Editorial“, os registros de direitos autorais e de contratos serão de fato liberados para o público. Os associados da CBL terão descontos para efetuar os registros na nova plataforma.

A primeira ferramenta irá permitir que os clientes registrem sua propriedade intelectual. Ou seja, livros, músicas, roteiros, entre outros, poderão ser guardados com segurança na blockchain.

O novo serviço da Câmara Brasileira do Livro de registro de direitos autorais em blockchain é uma das formas mais fáceis e descomplicadas de proteger a produção intelectual, certificando a autoria ou a titularidade de uma obra. Poderão ser registrados textos, músicas, livros, ilustrações, roteiros, entre outras coisas.

Além de registros autorias, também será possível registrar contratos com ferramenta blockchain

A outra ferramenta lançada será a de registro de contratos em blockchain, que envolve vários modelos de contrato. As ferramentas serão disponibilizadas para o público em geral, que tem interesse em realizar registros em blockchain.

Todos os tipos de contrato podem ser registrados, incluindo os de edição, cessão de direitos autorais e de prestação de serviços. O processo pode ser feito se uma das partes assim desejar. É importante frisar que embora o registro se torne público, o teor continua 100% confidencial.

Por fim, não ficou claro qual será a blockchain utilizada pela Câmara Brasileira do Livro para realizar os registros. O Livecoins entrou em contato para descobrir, mas ainda não recebeu retorno. Mesmo assim, a iniciativa marca uma nova fase da adoção da tecnologia no Brasil, mostrando mais um caso de uso e potencial desse mercado, muito ligado ao de criptomoedas.

*Essa matéria foi atualizada às 09:51 do dia 10/06/2020: A blockchain utilizada será da Ethereum (ETH), afirmou a CBL em nota ao Livecoins.

Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Confronto entre Bitcoin e Dólar BTC USD hoje preço

Bitcoin volta a subir após EUA aprovar pacote de estimulo de US $ 1,9...

Depois de vários dias em queda, o Bitcoin voltou a ser negociado acima de US $ 50 mil neste domingo (7). A moeda digital...
Comprar Cardano

Cardano e proteção de animais silvestres

Como holder da Cardano, você provavelmente está interessado em delegar suas ADAs a uma pool pra receber uma renda passiva. Resumindo, você está interessado em...

Empresa chinesa de capital aberto compra Bitcoin e Ethereum

A Meitu, uma empresa chinesa de capital aberto com valor de mercado de US $ 12 bilhões, comprou US $ 40 milhões em Bitcoin...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Cardano e proteção de animais silvestres

Como holder da Cardano, você provavelmente está interessado em delegar suas ADAs a uma pool pra receber uma renda passiva. Resumindo, você está interessado em...

Empresa chinesa de capital aberto compra Bitcoin e Ethereum

A Meitu, uma empresa chinesa de capital aberto com valor de mercado de US $ 12 bilhões, comprou US $ 40 milhões em Bitcoin...

Len Sassaman pode ter sido o criador do Bitcoin

Um cypherpunk especialista em criptomoedas poderia ser o criador do Bitcoin, de acordo com um extenso artigo publicado no início de fevereiro de 2021, por...

John McAfee é indiciado por golpe com criptomoedas

O empresário de tecnologia e ex-magnata do antivírus John McAfee foi indiciado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) por lavagem de dinheiro...

Desenvolvedores do Ethereum aprovam proposta para reduzir taxas

Depois de muita discussão pública e aprovação dos mineradores, os desenvolvedores do Ethereum aprovaram o mercado de taxas proposto pela EIP-1559, prevista para ser...