Cliente processa Wemake Digital

-

Siga no

Um cliente da WEmake Digital entrou com uma ação contra a empresa nesta quarta-feira (19). Ela está reivindicando a devolução dos valores que investiu em critpomoedas da companhia. De acordo com a mulher, no total foram realizados dois investimentos, sendo um de R$ 6.004,80 e outro de R$ 925,74. Conforme suas considerações para a justiça, ela não recebeu o retorno de seus investimentos, situação agravada pelo fechamento da empresa.

A cliente afirmou que após ouvir notícias sobre a Wemake digital ser responsável por um esquema de pirâmide contra seus clientes, deparou-se com a decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de restringir as atividades da empresa. Assim, a companhia ficou proibida de continuar suas transações de criptomoedas sem a autorização do órgão, o que a levou a encerrar as suas atividades de forma definitiva. Porém, ao que tudo indica esta ação trouxe alguns prejuízos para ela.

A vítima afirma que a companhia fechou sem devolver as quantias investidas por ela, assim como fez com vários outros investidores. Isto a motivou a entrar com um processo para reaver os valores, acusando a Wemake de usar a decisão da CVM para aplicar o golpe em seus clientes. O processo foi registrado pelo juiz Francisco Carlos Inouye Shintate.

O histórico problemático da Wemake

Os problemas da empresa tiveram início em outubro do ano passado, devido a decisão da CVM. Porém, já em maio de 2019 a companhia estava apresentando problemas, época em que vários clientes começaram a alegar que não estavam conseguindo realizar saques de investimentos. O fato estava acontecendo em duas plataformas da Wemake, a NegocieCoins e a TemBtc. Nos meses seguintes, ela foi alvo de diversos mandatos de busca e apreensão.

Na época a empresa se defendeu afirmando que foi vítima de uma ação criminosa responsável por roubar 50 milhões de reais. A companhia afirmou que alguns clientes aproveitaram-se de brechas em sua segurança para realizar saques indevidos. Pouco tempo depois deste fato, a Wemake acabou encerrando suas atividades. Porém, além de Miriam, outras pessoas afirmaram terem sido lesadas sem a devolução dos valores que investiram.

Como resultado da ação da justiça, houve o arresto dos bens e imóveis da Wemake, que agora enfrenta mais este processo de indenização por parte de Miriam. Em suas acusações, a vítima ressalta que houve descumprimento de cláusulas contratuais por parte da empresa. Agora o caso será julgado pela Justiça de São Paulo, que avaliará a validade do pedido da vítima.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Anúncio

Bitcointrade - 95% dos depósitos aprovados em até 30 minutos!

Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em 5 minutos!

Complete seu cadastro em 5 minutos!
Jeferson Scholz
Jeferson Scholz
Jornalista. Escrevi dois artigos acadêmicos publicados no congresso de comunicação INTERCOM, e fui diretor do documentário universitário "Planeta dos Desmortos - O Mito Zumbi".
Criptomoedas: Bitcoin e Altcoins

Com queda da dominância do Bitcoin, altcoins fervem

Com uma balança positiva em julho, o mês de agosto já começou com fortes emoções no mercado de criptomoedas. Um detalhe importante registrado neste...
Bitcoin (BTC e Blockchain) na Bandeira da Argentina

Economistas da Argentina desconfiam do Bitcoin como moeda

Nos últimos dias a ONG Bitcoin Argentina organizou um evento importante no país, convidando uma série de especialistas para debates. Alguns economistas que foram...
Discovery Channel apresenta documentário sobre criptomoeda Dragonchain

Produtor da Discovery Channel diz que Bitcoin está ameaçado

Neste sábado (01), foi ao ar o último episódio do programa Open Source Money, apresentado no Discovery Science dos EUA. O produtor do documentário...