Inicio Bitcoin Como a Receita Federal quer destruir metade das exchanges brasileiras

Como a Receita Federal quer destruir metade das exchanges brasileiras

-

Compartilhe

Por Gabriel Grin Hayward – A Receita Federal Brasileira (RFB) é um dos poucos órgãos do Estado que mantém sua eficiência independente do governo, só em 2018 foram arrecadados mais de R$2,3 trilhões.

Apesar da grande eficiência a Receita Federal foi incapaz de reunir dados  para a Consulta Pública RFB n°06/2018, que trata sobre regulamentação das transações de criptomoedas em exchanges, P2Ps e transações em território estrangeiro.

O documento de 11 páginas contém tantos problemas que foi difícil saber por onde começar.

A Instrução Normativa  é completamente baseado em informações jornalísticas de péssima qualidade, usando até mesmo a Folha de São Paulo como referência. É preocupante ver que esse órgão está utilizando fontes jornalísticas para criar normas, isso já mostra a falta de seriedade do documento.

O primeiro fato duvidoso apresentado são os números de usuários inscritos nas exchanges brasileiras.

Usando a Folha de São Paulo como fonte é afirmado que as “exchanges superaram o número de usuários inscritos na bolsa de valores de São Paulo”.

Essa informação é impossível de se verificar, na verdade a afirmação está mais provavelmente longe da verdade.

Eu explico o porquê, a Folha simplesmente pegou os dados de cada uma das exchanges brasileiras e somou. O que tem de errado nisso? Eu mesmo tenho conta em pelo menos 4 exchanges e diversos cadastros duplicados. Não foram retirados os cadastros duplicados, nem as pessoas duplicadas em cada uma das exchanges. Fora que cada exchange pode simplesmente falar um número aleatório, não existe forma de verificar os dados.

Agora o documento é ainda mais rasteiro, a Receita Federal pega o mês de dezembro de 2017 para mostrar que esse mercado é “gigantesco”.

“Em apenas um dia de dezembro de 2017 (dia 22), as operações alcançaram o valor de R$ 318.000.000,00 (trezentos e dezoito milhões de reais), em um total de 79 mil operações.”

Por que eles não pegaram dados de fevereiro ou mais recentes? Isso tem um motivo! Mais uma vez eu explico, dezembro foi o mês com maior movimentação na história do Bitcoin, foi o momento que a criptomoeda bateu seu valor histórico. A Receita fez um recorte proposital para passar uma ideia errada sobre esse mercado.

Você acha que acabou? A RFB continua mostrando sua completa incompetência ao afirmar que o mercado brasileiro de criptomoedas poderá fechar esse ano com até R$48 bilhões negociados. Se eles tivessem a mínima preocupação de estudar o mercado, antes de destruí-lo por completo, teriam pelo menos pegado uma planilha no Google Sheets (é de graça) e ligado com a API das exchanges para ter uma noção realista do volume.

A RFB citou o Nova York como exemplo de regulamentação, a diferença é que lá os reguladores foram atrás dos dados. Bateram de porta em porta.

O documento é tão porcamente escrito que eles não foram capazes de escrever corretamente o nome da corretora Braziliex.

RFB, está na hora de aumentar o salário dos estagiários! Fora o “Negociado” em maiúscula que vou considerar como licença poética.

Esses são meros detalhes se comparado ao que vamos ver a partir de agora.

O show de horrores começa no destaque dado ao uso das criptomoedas para práticas criminosas.

“Ademais, destaca-se, conforme noticiado pela imprensa, que os criptoativos têm sido utilizados em operações de sonegação, de corrupção e de lavagem de dinheiro, não somente mundo afora9 , mas também no Brasil10”

A maior parte dos blockchains são públicos, o que permite fácil rastreio e até mesmo identificação. Todo criptoativo vai ter que tocar no mundo físico, seja para compra de um carro, na troca de reais por bitcoins e vice versa. Tanto que as operações policiais citadas tiveram sucesso em identificar as transações ilícitas.

Por que tudo isso?

Tudo isso foi apenas uma justificativa para a criação de normas absurdas para o mercado brasileiro de criptomoedas. Normas que não existem para outros entes do mercado financeiro. Peguem o total negociado pela Bovespa em um dia e verão que isso dá mais do que o mês de negócios de todo o mercado brasileiro de criptomoedas.

As exigências normativas são muitas, todas as corretoras devem passar mensalmente o histórico transacional de todos os clientes, com nome dos titulares, saldo, valor do criptoativo naquele exato momento, data da operação, tipo de operação ( compra e venda, permuta, cessão temporária, dação, retirada de criptoativo, unidades negociadas), identificação da exchange, valor da taxa cobrada, criptoativos usados na negociação, CPF ou CNPJ, residência fiscal, endereço, nacionalidade e talvez outras inutilidades inclusas até a conclusão do documento. Isso deverá ser feito mensalmente.

A RFB faz o papel de Herodes nesse novo mercado, o que está para acontecer é um verdadeiro massacre dos inocentes.

Para quem isso está sendo feito?

Todos os dados requisitados já estão disponíveis no sistema bancário nacional por onde, obrigatoriamente, é necessário passar para converter os valores em moeda corrente. Se a RFB já tem os dados, qual o motivo para criarem essa normativa?

A resposta é muito simples, criar barreiras de entrada para dificultar a vida de novos players no mercado e dar controle completo dos seus dados ao governo (que nunca foi muito bom mantê-los em sigilo).

Essa intromissão governamental é planejada, vai ajudar a matar as pequenas exchanges e consolidar aquelas com muito dinheiro. Como é o caso da XDEX, que por acaso tem ligações com o Itaú Unibanco.

E adivinha quem vai pagar o preço por esse aumento de regulamentações? Claro, VOCÊ! As taxas das corretoras vão ter que ficar mais caras para compensar pelo custo operacional a mais. E os P2Ps não escapam da RBF, aliás, serão os mais afetados por ela.

Outro efeito colateral será a perda de empregos em território nacional. Além das exchanges que vão fechar, muitas poderão escolher alocar suas operações em outros países.

Um erro abissal  da normativa é comparar o ambiente brasileiro com o de países desenvolvidos, onde o volume de bitcoins negociados é muito superior e os custos de capital são bem diferentes.

Exchanges passam vergonha

E o pior nem é a Receita Federal fazer tanta bobagem e sim as exchanges apoiarem a normativa. Algumas corretoras acham que isso é um sinal de que “os ativos digitais vieram para ficar”.

É muito interessante ver como algumas das grandes exchanges brasileiras estão ansiosas por regulamentação e burocracia, clamam para o Estado em entrevistas ao g1 enquanto prestam um serviço porco.

O que devemos fazer?

Temos que usar nosso poder de cliente e boicotar essas empresas, protestar contra a RBF e utilizar de todas as ferramentas legais para impedir esses abusos.


Sobre o Autor: Gabriel é um ser que nunca entendeu o porquê das pessoas colocarem tantos dados nas redes sociais. Seu livro favorito é “Only the paranoid survive”. Em seu tempo livre ele tenta ser um bom samaritano. D83B 1C60 F1EE 0603 B8F4  F61C 10AB BDC7 5DDF 087E
XDEX:Negocie bitcoin com TAXA ZERO. Aproveite também para negociar outras 6 criptomoedas com as menores taxas do mercado.Abra sua conta, é grátis!
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter para começar e terminar o dia bem informado. Cadastra-se também na Newsletter para receber em seu e-mail.

MAIS LIDOS

Innova Mine: A cidadela da mineração e trade de criptomoedas

A Innova Mine é um novo projeto da indústria de criptomoedas que opera um modelo de negócios revolucionário. A empresa está sediada na Austrália...

MyAlice: Ex-sócio denuncia esquema em empresa de criptomoedas, “sumiram mais de 100 bitcoins”

Uma grave denúncia contra a MyAlice foi realizada por um ex-sócio da empresa no Facebook. Através de depoimento, Jean Kássio mostra como os negócios...

MP abre inquérito contra a Dreams Diggers por suposto esquema de pirâmide

O Ministério Público, por meio da 5ª Promotoria da Justiça do Consumidor de Salvador (BA), acaba de abrir inquérito civil para investigar a Dreams...

O valor da escassez dos ativos digitais

O setor de jogos evoluiu muito nas últimas décadas, uma das primeiras e grandes mudanças foi a eliminação da mídia física, reduzindo custos de...

A história das moedas físicas de Bitcoin

Uma das principais características do Bitcoin é que ele é totalmente digital, todavia, com o passar dos anos algumas pessoas começaram a criar moedas...

“Dinheiro não existe”: justiça orienta vítimas a sacarem tudo da Unick Forex

A Unick Forex está sendo investigada pela justiça brasileira. Após uma filial do escritório da empresa ser fechado no interior do Rio Grande do...

Visa, Uber e Paypal vão apoiar a criptomoeda do Facebook

A criptomoeda do Facebook ganhou importantes aliados, como a Visa, Uber e Paypal. As três empresas anunciaram que apoiam a GlobalCoin. A previsão é...

Banco Central do Brasil aposta em blockchain para criar sistema interbanco

Mais uma vez o Brasil sai na frente ao inaugurar um sistema interbancário através da tecnologia blockchain. O projeto é mantido pelo Banco Central...

Halving do Litecoin pode ser o maior evento de 2019

Certamente discutir sobre preços de criptomoedas é algo paradoxal, logo não é o foco discutir essa perspectiva. Isso porque o halving do Litecoin (LTC)...
 

COMENTÁRIOS

Compartilhe