Empresa de turismo perde dinheiro de clientes em negociações de criptomoedas

Turistas que haviam comprado pacotes não receberam reembolso de empresa, que perdeu tudo com negociações de criptomoedas, mas culpou COVID-19 pelo fim de suas operações.

Uma empresa de turismo sustentável chamada “We Are Bamboo”, com sede na Nova Zelândia, perdeu todo o dinheiro dos seus clientes em negociações de alto risco com criptomoedas.

De acordo com informações divulgadas pelo NZHeralds, a empresa oferecia pacotes de turismo aos clientes, que além de viajarem, também prestavam serviços para os locais que visitavam.

Apesar de se apresentar como uma empresa de “turismo sustentável”, a Bamboo não conseguiu manter suas operações e coleciona queixas de clientes insatisfeitos com seus serviços.

“Foi culpa da Covid-19”, disse empresa de turismo após perder o dinheiro dos clientes em negociações de criptomoedas

Clientes compraram pacotes de viagens internacionais com a empresa, com mais de 2 milhões de dólares sendo arrecadados pela Bamboo, quando de outubro de 2020 até 2022, o diretor da empresa começou a negociar criptomoedas em plataformas estrangeiras.

Utilizando uma cláusula contratual de “força maior”, e culpando a Covid-19 por afetar seus negócios, ele surpreendeu a todos em setembro de 2022. Em um comunicado via e-mail, a empresa de turismo afirmou que não poderia honrar com os passeios e que não reembolsaria ninguém.

Mas vários clientes acusam a empresa de turismo de praticar uma fraude contra eles, visto que após prometer viagens, a Bamboo não entregou nada.

Uma investigação começou pela polícia da Nova Zelândia e a autoridade que investiga graves fraudes do país, a SFO. Na última semana, um relatório desvendou que o diretor vinha negociando criptomoedas com o dinheiro dos clientes, e perdeu tudo, ou seja, era um mal trader.

Além disso, o relatório indicou que ele perdeu 800 mil dólares em uma plataforma que faliu e deixou de existir, sem chances de reaver o patrimônio de seus clientes.

A maioria dos clientes que se sentem lesados mora nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Austrália.

Empresa acusou clientes ao fechar as portas: “reclamações online nos quebraram”

Outro detalhe que chama atenção para o caso envolve o fato de que a empresa também culpou os próprios clientes por ter de fechar as portas. Isso porque, quando enviou o comunicado do fim dos serviços, muitos reclamaram pela internet, e os empresários culparam o episódio pelos problemas.

Uma cliente diz que ficou doente ao descobrir que seu dinheiro destinado ao turismo foi totalmente perdido em negociações de criptomoedas. Em conversa com a reportagem, outros lembraram que a plataforma culpava a covid e os clientes, mas nunca confessou que a culpa estava do lado deles.

Um liquidatário que teve acesso aos relatórios das corretoras de criptomoedas entende que o diretor da Bamboo pode ter caído em um esquema de pirâmide, visto que em uma das plataformas supostos robôs negociaram 59 mil vezes seu saldo, resultando em perda total.

A investigação entende que o dono da empresa ainda tentou tomar medidas para reaver o dinheiro, mas como utilizou apenas bitcoin e ethereum, as transações eram irreversíveis. O caso segue sob investigação na Nova Zelândia, entrando para a história no país, após o prejuízo de mais de 10 milhões de reais a clientes da empresa de turismo.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de criptomoedas do mercado ganhe até 100 USDT em cashback. Cadastre-se

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias

Últimas notícias