Ethereum terá domínios .eth registrados no Blockchain

Ethereum anunciou que terá domínios de primeiro nível .eth. Esses domínios serão registrados no blockchain, contando com os atributos de imutabilidade e descentralização, típicos do blockchain. Possuir domínios .eth será como possuir ether. O registro estará no blockchain, e a propriedade não poderá ser alterada por nenhuma medida coercitiva.

Siga no

Ethereum anunciou recentemente que disponibilizará domínios de primeiro nível .eth, através do Ethereum Name Service (ENS). Dessa forma, em breve será possível adquirir domínios .eth. Esses domínios serão ainda capazes de receber fundos, podendo substituir o seu endereço de recebimento. Assim, será possível receber fundos em livecoins.eth ao invés de 0x64f7fe3d210e3b6

Os domínios .eth

Ethereum não é a primeira criptomoeda a oferecer domínios de primeiro nível. A moeda Namecoin já oferece domínios .bit a alguns anos.

Ambos esses domínios (.eth e .bit) são registrados no blockchain e não são controlados por uma entidade, como os domínios tradicionais.

Essa notícia é bastante interessante para pessoas que investem em domínios, pois recentemente vários pequenos investidores perderam domínios valiosos em disputas.

Disputas por domínios

Recentemente, em março de 2018, um empreendedor chamado Frydman  alegou que perdeu seu domínio France.com para o governo francês.

Domínio France.com retirado do homem que possuía o domínio desde 1994.
Domínio France.com retirado do homem que o possuía desde 1994.

Frydman possuía o domínio desde 1994 e o utilizava em seu negócio. Frydman estava em uma disputa com o Ministério de Relações Exteriores francês pela posse do domínio desde 2015, sob acusação de que o nome do domínio era marca registrada (trademark) do governo francês. Por fim, em março de 2018, a empresa Web.com transferiu a titularidade para o governo francês.

Frydman disse: “Se aconteceu comigo, pode acontecer com qualquer um.”

Esse não é um caso isolado.

Casos similares ocorreram com os domínios monaco.com e principadodemonaco.com. Nesses casos o governo de Monaco, sob a mesma alegação de que era dono da marca registrada, perdeu a disputa contra monaco.com, porém venceu contra principadodemonaco.com.

Domínios como France.com são bastante valiosos, na faixa de milhares (ou até milhões) de dólares. E o que acontece com domínios como France.net? France.io? Monaco.org? Podem ser perdidos também? Aparentemente, sim.

Onde essas disputas terminam?

Essas disputam terminam em domínios .eth e domínios .bit. Possuir domínios .eth será como possuir ether. O registro estará no blockchain, de tal forma que a propriedade não poderá ser alterada por nenhuma medida coercitiva.

Como esses domínios são registrados no blockchain, somente quem possui a chave privada pode alterar sua propriedade. Devido a forma como o consenso na rede é alcançado, todos os milhares de nós ao redor do mundo reconhecem a propriedade daquele domínio. Persuadir um único nó a mudar a propriedade do domínio não tem impacto algum. Assim, não existe um emissor como a Web.com, que pode ser persuadido a alterar a propriedade do domínio.

São essas características do blockchain que tornam essa tecnologia tão valiosa: A imutabilidade, descentralização e resistência à persuasão e coerção.

Os domínios .eth são registrados no blockchain do ethereum e adquiridos por meio de leilões virtuais. Os leilões são realizados por meio de smartcontracts na plataforma ethereum.

A medida que mais investidores perderem seus domínios para grandes corporações ou governos em disputas, domínios registrados no blockchain se fortalecem.

Contudo, esses domínios ainda estão em fases experimentais. Os domínios .eth ainda não estão disponíveis, e para sua visualização serão necessários software específicos, tais como extensões para o navegadores (Metamask, por exemplo).

SourceCoindesk
Marcello
Marcello
Escreve sobre a tecnologia, blockchain, investimentos e notícias sobre criptomoedas. Certificado (CBP) pelo CryptoCurrency Certification Consortium (C4).

Uganda desliga internet, comércio de bitcoins para de funcionar

Na véspera das eleições presidenciais, o governo da Uganda bloqueou, sem avisar, a Internet de toda população. Isso ocorreu depois de os ugandeses contornarem...

“Gaste o máximo que puder, e depois um pouco mais”, diz FMI aos governos...

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, prevê que pode levar até dois anos para que a economia global retorne aos níveis...

Biden começa campanha de marketing trilionária para o Bitcoin

Um dos principais motivos pelo qual o preço do Bitcoin valorizou mais de 300% em 2020 foi a iniciativa do Banco Central dos EUA...

Cotações por TradingView

Últimas notícias

“Gaste o máximo que puder, e depois um pouco mais”, diz FMI aos governos do mundo todo

A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, prevê que pode levar até dois anos para que a economia global retorne aos níveis...

Biden começa campanha de marketing trilionária para o Bitcoin

Um dos principais motivos pelo qual o preço do Bitcoin valorizou mais de 300% em 2020 foi a iniciativa do Banco Central dos EUA...

“Bitcoin me fez perder a sanidade”, diz jovem que perdeu R$ 5.8M e agora depende de auxilio do governo para sobreviver

Em 2020 o Bitcoin certamente deixou muitos investidores felizes, várias pessoas tiveram seus investimentos valorizados em cerca de 400%. Aqueles que decidiram investir logo...

Institucionais no Bitcoin, quem são? Por que compraram?

Nos últimos meses, pipocou na mídia o nome de diversos gestores e firmas de investimento institucionais que embarcaram no Bitcoin. Mas afinal, quem são...

Em Portugal, caso Telexfree termina sem culpados: “vítimas sabiam que era esquema”

A Telexfree foi uma das maiores pirâmides do Brasil, causando um prejuízo estimado na casa dos bilhões em cerca de 2 milhões de clientes....