Federal Reserve: um jogo descaradamente manipulado

Escrito em 01/07/2020 por Jake Yocom-Piatt, Decred Project Lead, Traduzido por Marcelo Martins, Cybersecurity specialist. Hacking, teaching, breaking stuff.

-

Siga no
Anúncio

Muitos de nós no espaço de criptomoedas aguardamos a próxima grande contração do mercado por vários anos, e ela finalmente chegou, de maneira espetacular.

O COVID-19 e a resposta do governo a ele estão atrapalhando os mercados de uma maneira que poucos poderiam ter esperado, colocando uma pressão maciça nos mercados já alavancados a ponto de apresentar falhas.

O banco central dos EUA, o Federal Reserve System (“FRS”), está executando as mesmas jogadas que fez durante a crise de 2008 para combater a contração do mercado: uma combinação de redução de taxa de juros e crédito efetivamente ilimitado para dar suporte a vários mercados diretamente.

Anúncio

Desde que o Bitcoin foi lançado logo após a crise de 2008, muitas pessoas passaram a entender as deficiências substanciais no sistema bancário fiduciário através das lentes do Bitcoin, Decred e criptomoedas de maneira geral.

Em suma, o sistema bancário fiduciário é um sistema flagrantemente manipulado e as criptomoedas são sistemas menos manipulados, o que cria um incentivo para a adoção de criptomoedas no lugar de moedas fiduciárias.

Há muito o que descompactar na sentença anterior e abordaremos especificamente a afirmação “o sistema bancário fiduciário é um sistema flagrantemente manipulado” a seguir.

Este artigo é o primeiro de uma série, com o próximo sobre Bitcoin.

O sistema bancário FiatPermalink

Para entender como o sistema bancário fiduciário é manipulado, precisamos primeiro entender o que é e como ele funciona.

Essa visão geral é intencionalmente redutora e se concentra nos conceitos importantes, não nos detalhes. As finanças modernas são ricas em abstração, que são usadas para ofuscar conceitos e falhas do sistema; portanto, não vamos nos deter nesses detalhes. Não se deixe enganar.

Como o FRS é o banco central mais importante do mundo, no momento, ele será usado como exemplo. Muitos bancos centrais de outros estados-nações seguem um modelo substancialmente semelhante ao FRS; portanto, o raciocínio a seguir é mapeado de maneira bastante clara para a maioria dos bancos centrais modernos.

Estrutura e Finalidade

Em resposta ao pânico de 1907, a Federal Reserve Act foi aprovada no final de 1913 e criou o Federal Reserve System com 12 bancos regionais Federal Reserve, que são conjuntamente responsáveis ​​por gerenciar o suprimento de dinheiro do país, fazer empréstimos e supervisionar os bancos, e servindo como emprestador de último recurso (lender of last resort).

O objetivo do FRS é geralmente declarado como tendo três objetivos principais: maximizar o emprego, estabilizar preços e moderar as taxas de juros de longo prazo.

Esses objetivos declarados são bastante razoáveis ​​porque visam minimizar a agitação social, da qual os cidadãos dos EUA se beneficiam coletivamente.

Os bancos comerciais obtêm crédito do FRS por meio de um sistema de reservas fracionárias, em que um banco comercial deposita fundos em sua conta de reserva no FRS e recebe um montante correspondente de crédito.

O requisito de reserva para o FRS é de 10% do crédito emitido deve ser depositado no FRS, portanto, um banco comercial depositaria 1 milhão de dólares e receberia 10 milhões de dólares em crédito.

Os bancos comerciais emitem crédito a seus clientes na forma de empréstimos, onde a taxa de juros oferecida é superior à taxa paga ao FRS e obtêm receita do spread entre a taxa de juros do mercado e as taxas de juros que cobram dos clientes pelo crédito.

Operação

A fim de maximizar o emprego, estabilizar os preços e moderar as taxas de juros de longo prazo, o FRS ajustará sua meta de taxa de juros, ajustará os requisitos de reserva e intervirá diretamente em vários mercados em tempos de crise.

Em uma escala de tempo de vários anos, o FRS normalmente aumentará sua taxa de juros quando a economia estiver indo bem e reduzirá sua taxa de juros quando a economia estiver indo mal.

Ao reduzir a taxa de juros, o FRS reduz o custo do crédito para bancos comerciais, criando incentivo para os bancos emitirem crédito para seus clientes.

Da mesma forma, ao aumentar a taxa de juros, o FRS aumenta o custo do crédito para bancos comerciais, criando incentivo para os bancos restringirem sua emissão de crédito a seus clientes. Sob condições estáveis ​​de mercado, essa manipulação da taxa de juros é uma ferramenta muito eficaz para gerenciar a economia dos EUA.

Em uma crise, o FRS intervirá diretamente em vários mercados, comprando e vendendo diretamente ou assumindo a custódia de instrumentos financeiros fiduciários.

Essas intervenções costumam ser ações de curto a médio prazo, nas quais o FRS acaba liquidando suas posições ao longo do tempo.

O Contrato Social

Embora já tenhamos analisado as linhas gerais de como o FRS é estruturado e operado, pode passar despercebido o contrato social implícito ditado pelo FRS por meio do Federal Reserve Act:

“Se os cidadãos dos EUA querem emprego maximizado, preços estabilizados e taxas de juros moderadas de longo prazo, devem conceder à FRS a capacidade de manipular taxas de juros, suprimento de dinheiro e vários mercados importantes”.

Isso confere ao FRS uma enorme quantidade de poder sobre os cidadãos dos EUA, onde os cidadãos não têm poder direto sobre o FRS, além de tê-lo aprovado indiretamente por representantes eleitos em 1913.

Na melhor das hipóteses, os cidadãos dos EUA poderiam pressionar por mudanças legislativas no Federal Reserve Act, que tem uma chance muito baixa de sucesso devido ao alinhamento de incentivos de vários grupos de interesse poderosos.

COVID-19

O COVID-19 (“CV19”), uma variante particularmente desagradável de coronavírus, iniciou uma contração substancial na economia de muitas nações. O CV19 possui várias qualidades relativamente únicas que levaram a sérios problemas de saúde pública e econômicos:

  • tem uma fase assintomática longa (aproximadamente 2-24 dias)
  • sem os vários tipos de quarentenas, o número médio de novas infecções transmitidas por uma única pessoa infectada é 2 ou mais
  • 5-20% daqueles que são sintomáticos e com teste positivo requerem assistência respiratória em UTI
  • uma taxa de mortalidade de aproximadamente 2-5% entre pacientes sintomáticos, quando os cuidados na UTI estão disponíveis
  • pode ser espalhado por contato e por via aérea através de tosse e espirro

Devido à natureza do CV19, muitos estados e municípios dos EUA optaram por cancelar ou banir a maioria dos eventos, forçar os restaurantes a fazer apenas entregas ou conduzir e fechar a maioria dos escritórios, que são formas de quarentena sistêmica. Mesmo sob essas condições, o CV19 continua a se espalhar, embora mais lentamente.

O resultado das contramedidas do governo citadas acima e o medo generalizado resultante é que os EUA e suas economias estatais individuais tenham se contraído substancialmente.

Se você considerar que 40% dos americanos não têm US$ 400 disponíveis para despesas de emergência, é razoável supor que uma porcentagem considerável de empresas americanas seja igualmente marginal, por exemplo, 40%.

Muitas empresas não conseguem suportar uma perda total ou quase total de receita, mesmo por um curto período de tempo, e isso tem vários efeitos de segunda ordem:

  • funcionários são demitidos, colocados em férias coletivas ou dispensados
  • cadeias de suprimentos são forçadas a reorganizar
  • os bancos são incentivados a restringir a emissão de crédito
  • empréstimos comerciais e pessoais atrasam ou entram em inadimplência
  • declínio da receita bancária
  • ações do banco caem de valor
  • clientes bancários preocupam-se com a segurança de seus depósitos e sacam seus fundos
  • os bancos são insolventes e estão presos a um monte de ativos recuperados
  • relações na cadeia de suprimentos colapsam completamente

Alguns desses efeitos de segunda ordem já ocorreram e outros podem ou não ocorrer antes que a contração do mercado termine.

A resposta previsível a esta crise por parte do governo dos EUA (“USG”) e do FRS foi emitir crédito em grande escala, que é comumente referido como “dinheiro de helicóptero”.

A intenção aqui é suavizar o golpe financeiro nos bancos e estabilizar importantes mercados de crédito que sustentam uma economia altamente financeirizada. Aqui está uma lista de contramedidas atualmente sendo implantadas ou na fase de planejamento:

  • FRS dá suporte a operações compromissadas de curto prazo
  • FRS reduz a meta da taxa de juros para 0-0,25%
  • FRS dá suporte a dívida corporativa de curto prazo, permitindo que ações sejam usadas como garantia
  • FRS dá suporte a títulos lastreados em hipotecas
  • FRS dá suporte a títulos de dívida pública dos EUA
  • FRS dá suporte a swaps cambiais com os principais bancos centrais
  • FRS dá suporte a títulos de dívida corporativa
  • FRS financia programas de ajuda do USG

Quando o FRS baixou a meta da taxa de juros para zero, isso teve o efeito imediato de aumentar os lucros que os bancos comerciais recebem da emissão de crédito a seus clientes através de empréstimos.

Aumentar a receita bancária de empréstimos é uma maneira de compensar perdas inevitáveis ​​de empresas e indivíduos que não pagam seus empréstimos.

Além da intervenção substancial do FRS em vários mercados, o USG está implantando seu próprio pacote de estímulo financeiro. Semelhante ao estímulo do FRS, o estímulo do USG tem várias facetas:

  • USG paga indivíduos diretamente
  • USG paga e emite empréstimos a empresas
  • USG apoia políticas de seguro-desemprego
  • USG financia governos estaduais e locais

A intervenção do USG visa preservar a confiança nos sistemas de governança existentes, reduzir a agitação social e ajudar as empresas a enfrentar a contração econômica.

A seguir, focaremos principalmente no FRS. Vale a pena notar que como o estímulo do USG tem semelhanças substanciais com o estímulo do FRS, grande parte do raciocínio se aplica tanto ao USG quanto ao FRS.

Um sistema descaradamente manipulado

Depois de ler a visão geral de como o FRS e os bancos funcionam nos EUA, tanto em condições de mercado estáveis quanto instáveis, pode parecer que tudo sobre a estrutura e operação é bastante razoável e justo.

Como normalmente é o caso, você deve prestar muita atenção para ver como o sistema é manipulado.

Os principais meios pelos quais o sistema bancário fiduciário é manipulado são:

  • um comitê de planejamento central
  • montante subjetivo de crédito emitido
  • distribuição subjetiva de crédito

Cada um desses métodos de manipulação merece uma discussão mais aprofundada.

Comitê de Planejamento Central

Atualmente, a grande maioria das organizações humanas tem algum tipo de planejamento central como modelo de governança, e o FRS não é diferente nisso. O FRS é gerenciado pelo Conselho de Governadores (“BoG”), que é um órgão de 7 membros, em que o vice-presidente e o presidente do BoG são nomeados por um presidente atual ou anterior dos EUA.

Os 5 membros restantes também são nomeados por um presidente atual ou anterior dos EUA.

Apesar de o FRS BoG basear-se apenas nas nomeações da Presidência dos EUA, o Comitê Federal de Mercado Aberto (“FOMC”) é composto pelos 7 membros do BoG e 5 dos presidentes regionais do Federal Reserve Bank.

Os cinco presidentes regionais do Federal Reserve Bank são selecionados pelo respectivo Conselho de Administração.

Cada Conselho de Administração regional do Federal Reserve Bank é composto por 3 grupos: representando o setor bancário, eleito pelos bancos membros (Classe A), representando vários setores, eleitos pelos bancos membros (Classe B), representando vários setores, nomeados pelo BoG (Classe C).

O FOMC é o órgão que decide sobre as mudanças na taxa de juros alvo e outras operações de mercado aberto, que foram mencionadas acima, portanto esse grupo exerce uma enorme quantidade de poder.

Para resumir, ele é composto por um grupo nomeado pelos presidentes dos EUA (BoG) e um grupo nomeado pelos diretores regionais das classes B e C do Federal Reserve Bank, que representam bancos membros e várias indústrias poderosas.

Como resultado da composição do FOMC e do processo de seleção dos presidentes de bancos, não é de surpreender que ele tome ações rotineiras que beneficiem desproporcionalmente bancos e grandes empresas.

Do ponto de vista dos incentivos, o FRS está configurado para beneficiar principalmente os grupos envolvidos na nomeação de governadores do conselho e na eleição de presidentes de bancos regionais, que compõem o FOMC.

Os grupos envolvidos são: (1) presidentes dos EUA, passado e presente, que atuam como proxy para o USG, (2) o setor bancário dos EUA e (3) as principais corporações dos EUA.

Montante subjetivo da emissão de crédito

Determinar quando muito ou pouco crédito foi emitido é um processo subjetivo. O mandato do FRS de emprego maximizado, preços estabilizados e taxas de juros moderadas de longo prazo sugere que mais emissão de crédito leva a mais emprego, aumento de preços e diminuição das taxas de juros de longo prazo e menos emissão de crédito leva à redução do emprego, redução de preços, e aumento das taxas de juros de longo prazo.

Uma conseqüência dessa meta de taxa ajustada manualmente é que os detentores de USD não podem prever os ajustes futuros da meta da taxa e não podem gerenciar suas expectativas correspondentemente. Isso faz do USD um ativo que está sempre tendo seu valor inflado em um cronograma não determinístico.

Além do comportamento do estado estacionário em que o FOMC ajusta a taxa-alvo, diminuindo gradualmente o valor do dólar e dos ativos denominados em dólares, durante períodos de crise, tornou-se típico o FOMC emitir grandes quantidades de crédito para várias instituições financeiras e grandes corporações.

Isso torna o processo de emissão de crédito ainda mais imprevisível do que o caso em estado estacionário, gerindo expectativas mais agudas para aqueles que possuem ativos em dólares e em dólares.

Tanto os processos de emissão no estado estacionário quanto os de crise gerem mal as expectativas dos detentores de ativos em dólares, mas é no sistema de reservas fracionárias onde ocorre um problema mais sério.

Como é possível pegar o crédito emitido pelo banco comercial A e depositá-lo no banco comercial B, que ocorre naturalmente quando o crédito do banco A é pago a uma contraparte no banco B, isso permite que os bancos comerciais operem com uma alavancagem efetiva que excede em muito o valor de 10x que vem dos 10% depositados no FRS.

Essa natureza multiplicativa da emissão de crédito via banco de reservas fracionárias significa que o único limite prático para o processo de emissão de crédito é que os bancos precisam de uma certa quantia de fundos disponíveis para evitar a insolvência no curto prazo.

Bancos americanos maiores devem passar por uma simulação de teste de estresse, e isso é feito para, esperançosamente, evitar exatamente a falha mencionada acima.

Seja através de alterações no estado estacionário da meta da taxa de juros, emissão de crédito orientada a crises ou multiplicação de crédito de reserva fracionada, a quantidade de crédito emitida e a alavancagem correspondente são inteiramente subjetivas e efetivamente ilimitadas, sujeitas à restrição de que o sistema pareça solvente.

Distribuição subjetiva de crédito

Determinar quem recebe ou não o crédito é um processo subjetivo. Qualquer um que tenha dificuldade em obter um empréstimo já viu isso em primeira mão, apesar das justificativas aparentemente razoáveis ​​dos bancos comerciais.

Geralmente, as pessoas que têm maior necessidade direta de crédito não podem obtê-lo, mas aquelas que não precisam dele podem obtê-lo facilmente. Uma entidade individual ou corporativa com baixa renda geralmente luta para obter crédito, enquanto aqueles com maior renda podem obter crédito com facilidade.

Os bancos julgam a credibilidade da sua percepção da capacidade do devedor de reembolsar o empréstimo.

Isso tem a propriedade de ampliar o fluxo de crédito para pessoas que já são ricas, enquanto ficam à mingua aqueles sem ativos substanciais de crédito.

A emissão de crédito para tomadores de crédito dignos de crédito faz sentido do ponto de vista de risco e retorno para um banco, mas atua para aumentar a desigualdade social e cria um “paradoxo (catch-22)” para os tomadores de baixa renda.

O processo de avaliação da capacidade de crédito para fins de obtenção de empréstimos em USD é necessariamente subjetivo e é o principal meio de emissão de crédito via FRS.

A capacidade percebida de um credor de reembolsar um empréstimo é a base principal sobre a qual a qualidade do crédito é julgada, e isso serve para aumentar a desigualdade de renda e criar barreiras para a obtenção de crédito para indivíduos de baixa renda.

Conclusão

O FRS é um sistema descaradamente manipulado que utiliza planejamento central, quantidades subjetivas de emissão de crédito e um processo subjetivo de distribuição de crédito para beneficiar os principais bancos dos EUA, grandes empresas dos EUA e o USG.

Os bancos centrais de outros países têm uma estrutura e problemas semelhantes substancialmente semelhantes, o que reflete a extensão em que o banco fiduciário é processo descaradamente manipulado criado para beneficiar um punhado de atores-chave selecionados.

Como grande parte da sociedade humana depende dos sistemas financeiros subjacentes, o aparelhamento desses sistemas atua para restringir substancialmente a evolução da sociedade como um todo.

Para evoluir como sociedade, é necessário questionar a legitimidade do sistema bancário e investigar se é possível oferecer um sistema financeiro melhor e mais justo. O Bitcoin é o primeiro grande passo em direção a um sistema mais justo e o próximo artigo discutirá isso em detalhes.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.

Leia mais

Leia mais sobre:

Últimas notícias

Entenda as semelhanças e diferenças entre o mercado tradicional e cripto

São Paulo, outubro de 2020. Entender o mercado de investimentos é uma das principais atitudes que o investidor deve ter para se arriscar nesse...

Vítima envia R$ 440 mil em Bitcoin para endereço errado e perde tudo

Os malwares continuam apresentando vários riscos para os investidores, com alguns casos desses softwares mal intencionados roubando muito dinheiro de suas vítimas. Em um...

Evento de startups fala sobre criptomoedas na próxima terça

Um evento de startups fala sobre as criptomoedas na próxima terça, totalmente online. Promovido por grandes empresas como a Ambev, Bradesco, Dínamo e Salesforce,...