Sam Bankman-Fried, fundador da FTX, está negociando peixe na prisão

Com uma década de experiência no mercado financeiro, Sam Bankman-Fried entendeu rapidamente como funciona a economia do Centro Correcional Metropolitano de Nova Iorque.

Sam Bankman-Fried, fundador e ex-CEO da falida FTX, está negociando peixe na prisão de Nova York. Segundo informações do The Wall Street Journal, o ex-bilionário não teve nenhuma dificuldade em entender a economia relativamente simples da cadeia.

O peixe em questão é a cavalinha e seu pacote de filé está cotado a US$ 1,30, tendo valorizado 30% desde 2020, quase uma stablecoin. Com eles, detentos conseguem comprar diversos itens, incluindo manteiga de amendoim (US$ 4,15), um par de tênis (US$ 79,95) e até mesmo um tocador de MP3 (US$ 88,40).

O filé de cavalinha teria substituído o cigarro como moeda de troca ainda 2006, quando o tabaco foi banido nas prisões americanas. Conforme Sam Bankman-Fried é vegano, o ex-bilionário pode estar se beneficiando dessa ‘moeda’ que até então não tinha valor para ele.

SAM SBF FTX
SAM SBF FTX

Sam Bankman-Fried teria trocado peixe por corte de cabelo

Famoso pelos seus golpes, mas também por seu cabelo despenteado, Sam Bankman-Fried optou por um estilo de corte mais profissional em suas últimas aparições nos tribunais americanos. O mesmo aconteceu com suas roupas.

“O notoriamente desajeitado Sam Bankman-Fried passa por uma reformulação para seu julgamento criminal com um novo corte de cabelo e terno.”

O ex-bilionário parece ter gostado desse novo estilo. Segundo informações do WSJ, Sam Bankman-Fried pagou 4 pacotes de filé de cavalinha para cortar seu cabelo na prisão, mantendo um corte curto. Em conversão direta, o corte custou US$ 5,2 (R$ 25,50).

“O sistema monetário da cavalinha é muito mais estável do que as criptomoedas”, comentou Bill Baroni, consultor penitenciário que informou os detalhes das negociações de Sam Bankman-Fried ao The Wall Street Journal.

Baroni também lembrou que o fundador da FTX logo será transferido para uma prisão Federal e que levará seus pacotes de filé de cavalinha consigo. Condenado pelas 7 acusações que enfrentava, SBF pode passar até 110 anos na prisão, tempo suficiente para criar um novo império — dessa vez de peixes.

No entanto, muitos acreditam que Bankman-Fried não passará tanto tempo atrás das grades. A decisão sobre sua sentença está marcada para o dia 28 de março de 2024.

“Executivo mais odiado do mundo” diz que Sam Bankman-Fried pediu conselhos a ele sobre vida na prisão

Martin Shkreli, conhecido como o “executivo mais odiado do mundo” por seus negócios na indústria farmacêutica, afirmou que Sam Bankman-Fried procurou por sua ajuda para entender a vida na prisão. Shkreli foi condenado a 7 anos de cadeia, cumprindo 6 anos e meio antes de ser liberado.

“Sam é de uma classe alta, nunca esteve perto de minorias”, comentou Shkreli. “Quando ele me pediu conselhos sobre isso, eu disse ‘acho que você deveria aprender rap, gírias, inventar uma história sobre seu passado onde você não é Sam Bankman, o homem de negócios, mas Sam Bankman de Oakland.”

“Eu disse: ‘não, Sam, não há internet na prisão. Se você conseguir contrabandear um telefone celular na bunda de alguém ou algo assim, talvez você possa encontrar uma maneira de conseguir algum sinal de telefone. Mas não, não há quiosque de internet onde você possa jogar videogame. É um lugar difícil’.”

O ex-fundador da FTX também é famoso por jogar League of Legends durante reuniões de negócios. A parte em que Shkreli fala sobre Sam Bankman-Fried no vídeo acima começa no minuto 36 e vai até o minuto 44.

A defesa do fundador da FTX não comentou sobre o assunto após a mídia americana questionar se a história de Shkreli era verdadeira.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias