Após pressão, Grupo Bitcoin Banco apresenta 7 mil bitcoins para a Justiça

O sumiço das criptomoedas foi apontado mês passado pela EXM Partners, administradora judicial do grupo.

Siga no
Dono do Grupo Bitcoin Banco (GBB), Claudio Oliveira
Dono do Grupo Bitcoin Banco, Claudio Oliveira Imagem: Reprodução/YouTube

Depois de semanas turbulentas, que renderam até ameaças a jornalistas, o dono do Grupo Bitcoin Banco, Claudio Oliveira, apresentou para a 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de Curitiba (PR) a “paper wallet” com os 7 mil bitcoins (R$ 385 milhões, na cotação de hoje) “pulverizados” pela empresa no início do ano.

Segundo comunicado da EXM Partners enviado à Justiça, as criptomoedas foram apresentadas na sexta-feira (15), em reunião na sede da empresa, na capital paranaense.

Além do administrador judicial da EXM, participaram da entrega um perito nomeado pela juíza, um profissional especializado em tecnologia e representantes jurídicos do conglomerado.

Na reunião, segundo nota do Grupo Bitcoin Banco, a empresa também apresentou as chaves de recuperação da “paper wallet”. “Ficou definido que os endereços das chaves pública e privada, bem como o saldo, devem permanecer em segredo de Justiça”.

Ex-rei do bitcoin decidiu apresentar os bitcoins

Foi Oliveira – até então conhecido como rei do bitcoin – que se prontificou a provar que os bitcoins ainda estão sob o guarda-chuva da empresa. Na semana passada, a juíza Mariana Gluszcynski Fowler Gusso deu três dias para o empresário provar a existência das criptomoedas.

Alguns advogados também pressionaram Oliveira e a Justiça. Um deles sugeriu a prisão do ex-rei do bitcoin, caso as critptomoedas não fossem apresentadas o mais rápido possível.

Maio foi um mês turbulento para empresa de ex-rei do bitcoin

Desde o início deste mês, o Grupo Bitcoin Banco vem passando por dias turbulentos. Isso porque a EXM Partners, em seu relatório mensal de atividades, informou que a empresa havia sumido com 7 mil bitcoins sem dar qualquer explicação.

A afirmação da administradora judicial gerou uma enxurrada de petições de advogados, que pediram a busca e a apreensão das moedas. Até o antigo diretor-jurídico da empresa, Ismair Couto, se manifestou.

A “cereja do bolo”, no entanto, foi o relatório da Polícia Civil sobre o suposto golpe que a empresa afirmou ter sofrido em maio do ano passado. No documento, o delegado José Barreto de Macedo Júnior, do Nuciber (Núcleo de Combate ao Cibercrime), informou que decidiu encerrar a investigação porque o Bitcoin Banco pode ter inventado a fraude para não pagar os investidores.

Por causa dos percalços, o ex-rei do bitcoin divulgou – na semana passada – um áudio xingando jornalistas que cobrem o segmento de criptomoedase e criticando o relatório da Polícia Civil. Ele disse que o delegado pode ter sido influenciado pelas notícias negativas publicadas pela mídia especializada.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
dolar rasgado e Bitcoin. Imagem: ShutterStock

Volume de transferências com bitcoin em 2021 deve superar PIB dos EUA

Pela primeira vez em menos de sete meses, o volume total de transferências com bitcoin ultrapassou US $ 15,8 trilhões. Como resultado, o volume...
CEFI vs DEFI

DeFi vs CeFi: Finanças Centralizadas vs Finanças Descentralizadas

Finanças descentralizadas (DeFi) são uma das fatias mais cobiçadas da indústria de blockchain hoje, mas a ideia em si tem origens muito mais humildes. Na verdade,...
Tokyo 2020

Emissora usa imagem do Bitcoin para representar El Salvador nas Olimpíadas de Tóquio

As Olimpíadas de Tóquio começaram oficialmente nesta sexta-feira (23), em meio às restrições da pandemia e atraso de um ano. O evento começou com...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias