Grupo Bitcoin Banco não pagou comissões para ex-funcionária

Funcionária entrou na justiça após ser demitida e não ter acerto realizado pela empresa que é citada em vários processos na justiça.

Siga no
Grupo Bitcoin Banco
Grupo Bitcoin Banco/Livecoins

O Grupo Bitcoin Banco não pagou o que deve a uma série de clientes que investiram em criptomoedas utilizando essa corretora. Os funcionários do negócio também atravessam problemas similares com a empresa.

Atualmente o grupo que criou corretoras de Bitcoin pelo país está em recuperação judicial. No entanto, essa realidade não afasta as responsabilidades de arcar com as promessas do grupo, feita para clientes e funcionários.

O problema começou ainda em 2019, após o Grupo Bitcoin Banco ganhar notoriedade mundial. Em alguns dias, a corretora Negocie Coins, que pertence ao grupo, chegou a superar a Binance em volume de mercado. Na época, o caso gerou suspeitas de que o volume da corretora era manipulado.

Mesmo assim, após um suposto ataque hacker na corretora, saques de clientes foram congelados. O imbróglio se mantém ainda hoje, com inúmeras pessoas com saldo preso nas plataformas do grupo.

Grupo Bitcoin Banco não pagou acerto de funcionária, que procura a justiça contra empresa

Segundo levantamento feito pelo Livecoins, o Grupo Bitcoin Banco acumula mais de 500 processos na justiça. A maior parte dos processos foi aberto por clientes da empresa, mas também há casos de funcionários.

Em um dos casos processos abertos por uma ex-funcionária, o processo mirou a empresa Principal Apoio Administrativo LTDA. Essa última tem Cláudio Oliveira como sócio no CNPJ, alegado “Rei do Bitcoin”, que seria dono do GBB.

A funcionária que teria sido demitida pelo grupo em dezembro de 2019 não teve o acerto feito pela empresa. Ela alega até que comissões eram pagas em Bitcoin para os funcionários, como parte variável do salário.

“Em depoimento a autora declarou que “trabalhou para a ré 02/2019 a 12/2019, como consultora comercial; tinha por atividades vender produtos de investimentos; a remuneração era composta de salário fixo, constante dos contracheques e comissões que eram pagas “por fora” em bitcoins; as comissões variavam de R$ 5.000,00 a R$ 10.000,00 ou mais, dependendo da cotação do bitcoin“, cita trecho do processo trabalhista conta o Grupo Bitcoin Banco.

O valor da causa supera os R$ 120 mil, entre comissões não pagas, FGTS não depositado, entre outros. A funcionária foi demitida no final de 2019 e luta há quase um ano para receber seus direitos na justiça.

Problemas se acumulam e soluções parecem não surgir no meio da confusão

O Grupo Bitcoin Banco ganhou notoriedade no Brasil e até patrocinou eventos da comunidade. Nesse meio tempo, criou várias plataformas de compra e venda de Bitcoin.

Dessa forma, criou uma “janela de oportunidade” chamada de arbitragem infinita. Essa possibilidade consistia em comprar Bitcoin em uma corretora a um preço baixo, e vender na outra a um preço mais alto. Apesar de uma arbitragem ser difícil de aparecer, dentro do Grupo Bitcoin Banco a prática era comum e atraiu uma série de traders de criptomoedas.

Após uma grande captação de recursos, o grupo teria sofrido uma invasão cibernética, de acordo com a empresa. De lá para cá, saques foram congelados, a empresa entrou em recuperação judicial e a confusão só aumenta.

No Reclame Aqui, o Grupo Bitcoin Banco já é citado em mais de três páginas de reclamações, por clientes e até prestadores de serviço. Contudo, o problema da empresa segue infinito, acumulando processos na justiça.

Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Criminosos exigem Bitcoin para não derrubar sites de empresas com ataque DDoS

Existem pessoas maldosas em todos os lugares e infelizmente a internet está infestada de gente em busca de oportunidade para aplicar golpes e praticar...

Historiador que “prevê bolhas” diz que Bitcoin tem valor baseado na fé que alguém...

Jeremy Grantham é um dos mais conhecidos investidores do mundo, tendo uma opinião bem respeitada em relação ao mercado financeiro. Em uma entrevista recente...

Motivos que podem fazer SEC aprovar ETFs Bitcoin

Joe Biden pode nomear para assumir a Comissão de Valores Mobiliários, Gary Gensler, um ex-professor do MIT que dava aula de blockchain. A notícia...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Historiador que “prevê bolhas” diz que Bitcoin tem valor baseado na fé que alguém vai comprar mais caro

Jeremy Grantham é um dos mais conhecidos investidores do mundo, tendo uma opinião bem respeitada em relação ao mercado financeiro. Em uma entrevista recente...

Motivos que podem fazer SEC aprovar ETFs Bitcoin

Joe Biden pode nomear para assumir a Comissão de Valores Mobiliários, Gary Gensler, um ex-professor do MIT que dava aula de blockchain. A notícia...

Bitcoin cai, Microstrategy compra

Segundo um relatório publicado pela SEC, a MicroStrategy comprou mais US $ 10 milhões em Bitcoin. O documento revela que a empresa comprou 314...

Biden ‘congela’ proposta de regular carteiras de criptomoedas

O novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, “congelou” a proposta de regular as carteiras de criptomoedas que havia sido sugerida pelo ex-secretário do Tesouro dos...

Empresa pagará salários em Bitcoin nos Estados Unidos

Uma empresa dos Estados Unidos afirmou, em comunicado na quinta-feira (21), que pagará os salários dos funcionários em Bitcoin, dando opção também em Ethereum....