Hacker derruba STJ e pede resgate para liberar sistemas

Site do STJ funcionará em regime de plantão até o dia 9. Backups também foram criptografados.

Siga no

O Superior Tribunal de Justiça sofreu um ataque hacker na última terça-feira (3) que acabou comprometendo parte do sistema da entidade. O ataque criptografou vários dados e arquivos importantes, configurando como um clássico ataque de Ransonware. Até o momento a situação não teve nenhuma solução e por questão de segurança os prazos processuais seguem suspensos até a próxima segunda-feira, dia 9.

O ataque foi inicialmente noticiado pelo site O Bastidor que citou uma fonte que tinha conhecimento direto sobre o ataque. O site informou que o hacker que conseguiu invadir o STJ criptografou todo o acervo de processos da corte.

Este é o ataque digital mais grave já cometido contra um órgão de estado do Brasil.

Após as notícias iniciais, o caso foi confirmado pelo STJ através de uma nota oficial. Na nota oficial o órgão avisa que:

“O Superior Tribunal de Justiça (STJ) comunica que a rede de tecnologia da informação do tribunal sofreu um ataque hacker, nessa terça-feira (3), durante o período da tarde, quando aconteciam as sessões de julgamento dos colegiados das seis turmas. A presidência do tribunal já acionou a Polícia Federal para a investigação do ataque cibernético.”

STF fora do Ar
STJ fora do Ar

Por enquanto a Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (STI) está trabalhando na recuperação dos sistemas dos serviços oferecidos pelo STJ, mas parece que não houve nenhum avanço até o momento.

Esse tipo de ataque de ransomware é bem comum e geralmente tem como alvo serviços importantes. O ataque costuma a partir de um único vetor (computador ou servidor infectado) e se espalhar por todos os outros equipamentos que estão ligados à rede.

Pedido de Resgate STF. Imagem O bastidor
Pedido de Resgate STJ. Imagem O bastidor

Novamente através do O Bastidor uma fonte informou que o ataque foi realizado a partir de uma estratégia muito simples. O site divulgou uma suposta conversa entre os técnicos que estão lidando com o ataque:

“Basicamente foi um ataque do tipo ransomware. Uma conta Domain Admin foi explorada o que permitiu que o hacker tivesse acesso aos nossos servidores, se inserisse em grupos de administração do ambiente virtual e, por fim, criptografasse boa parte das nossas máquinas virtuais.”

As fontes também apontam que o hacker conseguiu criptografar até mesmo os backups dos dados da corte. Nesta quinta-feira, cerca de 48 horas após o começo do ataque, o STJ não possui atividade online. A própria entidade pediu que os colaboradores tomassem cuidado ao utilizar o sistema.

“Todas as sessões de julgamento, virtuais e/ou por videoconferência, estão suspensas ou canceladas até restabelecida a segurança do tráfego de dados nos nossos sistemas.

A área de TI do STJ recomendou aos usuários – ministros, servidores, estagiários e terceirizados – que não utilizem computadores, ainda que os pessoais, que estejam conectados com algum dos sistemas informatizados da Corte, até que seja garantida a segurança do procedimento.”

O STJ demorou mais de 12 horas para descobrir o ataque, de acordo com as fontes citadas pelo site de notícias.

Caso Mariana Ferrer

Fontes disseram também que os técnicos do STJ encontraram a hashtag “estupro culposo” nos arquivos que os hacker deixaram nos servidores.

Apesar do texto, não a informações sobre qual a verdadeira razão do ataque. A Polícia Federal atua para tentar rastrear o hacker.

STJ pede ajuda ao Exército para restaurar sistemas de TI

O presidente do STJ informou que o Centro de Defesa Cibernética do Exército está ajudando na restauração dos sistemas.

Veja  comunicado

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) detectou, no dia 3 de novembro de 2020, um ataque hacker durante o período da tarde, quando ocorriam sessões de julgamento. Verificou-se que um vírus estava circulando na rede de informática do tribunal e, como medida de precaução, os links para a rede mundial de computadores foram desconectados, o que implicou no cancelamento das sessões de julgamento e impossibilitou o funcionamento dos sistemas de informática e de telefonia da Corte.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Humberto Martins, de imediato, solicitou providências à Polícia Federal, por meio de notícia criminis, para que procedesse às devidas investigações. A pedido do presidente do STJ, o ministro da Justiça, André Mendonça, determinou a instauração de inquérito, que já tramita perante a Polícia Federal. O STJ está fornecendo todas as informações demandadas pela PF e acompanhando, passo a passo, os procedimentos investigatórios.

Em paralelo, a equipe da STI do STJ, juntamente com empresas prestadores de serviços de tecnologia do tribunal, a exemplo da Microsoft, iniciou os procedimentos de recuperação dos ambientes dos sistemas de informática do Tribunal da Cidadania. As empresas designaram equipes especializadas para auxiliar o STJ na recuperação do ambiente tecnológico.

O Tribunal também está contando com a colaboração do Centro de Defesa Cibernética do Exército Brasileiro, para auxiliar a Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação do tribunal na restauração dos sistemas de informática.

O STJ esclarece que o ataque hacker bloqueou, temporariamente, com o uso de criptografia, o acesso aos dados, os quais, todavia, estão preservados nos sistemas de backup do tribunal. Permanecem íntegras as informações referentes aos processos judiciais, contas de e-mails e contratos administrativos, mantendo-se inalterados os compromissos financeiros do tribunal, inclusive quanto à sua folha de pagamento.

Na data de hoje (5), estão em andamento os trabalhos para reconstrução do ambiente de informática, mantida a previsão de retorno para o dia 10, nos termos da Resolução 25/2020, do Presidente do STJ.

Por fim, esclarecemos que, diariamente, serão prestadas novas informações até o completo restabelecimento dos sistemas de informática do STJ.

Ministro Humberto Martins
Presidente do STJ/CJF

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Matheus Henrique
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.
Cardano. Imagem: Abode Stock

Cardano dispara e bate recorde de preço enquanto Bitcoin cai

A criptomoeda Cardano (ADA) disparou neste sábado e bateu um novo recorde de preço, enquanto isso, o Bitcoin e a maioria das principais criptomoedas...
Elon Musk interpretando Wario. Imagem: Divulgação SNL.

Cocriador da Dogecoin chama Elon Musk de “vigarista egoísta”

Pouco tempo depois de Elon Musk afirmar que estava trabalhando com desenvolvedores da Dogecoin, o cocriador da criptomoeda meme, Jackson Palmer, apareceu no Twitter...
Criptomoeda Ethereum em destaque com outras criptomoedas ao seu redor rivais

Elon Musk vai comprar Ethereum?

“Eu acredito fortemente nas criptomoedas, mas elas não podem levar a um aumento massivo no uso de combustível fóssil, especialmente carvão”, disse Elon Musk,...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias